Monthly Archives: Fevereiro 2014

Censura na literatura juvenil

Nos EUA, cada escola define a sua lista de livros aprovados para leitura. Isto quer dizer que cada livro é avaliado, escrutinado e aprovado ou não por pessoas responsáveis por essa tarefa. Pode-se dizer que no processo de criação da lista, os livros passam pela censura. E há livros que são censurados. Os critérios de avaliação costumam estar relacionados com religião, droga e sexo. Há escolas e bibliotecas americanas que baniram por exemplo a série Harry Potter das suas listas de leitura por estarem associados à bruxaria. Os livros de Mark Twain também já foram banidos ou tiveram acesso restrito em algumas bibliotecas.  A American Library Association até promove um evento todos os anos, a Banned Books Week, para celebrar a liberdade de ler e tentar acabar com esta censura que acontece um pouco por todo o país. E isto não acontecerá apenas nos Estados Unidos, com certeza. 
É sem dúvida um tema importante e que merece uma reflexão profunda, porque muitas vezes a censura não é óbvia e passa despercebida. É claro que é preciso fazer sempre uma avaliação daqueles livros mais apropriados para certas faixas etárias, mas bani-los das prateleiras das escolas e das bibliotecas é inaceitável. Cá em Portugal, atualmente, não me parece que aconteça qualquer tipo de censura a esse nível, tendo em conta a nossa História. Se bem que, mais do que uma vez me aconteceu a editora pedir-me para trocar a palavra «rabo» por «traseiro» nos meus livros juvenis!!

110924_censorship_banned-books

Os dez melhores de literatura «YA» de 2014

A YALSA (Young Adult Library Association) divulgou recentemente a lista dos dez melhores livros de literatura para Jovens Adultos deste ano, nos EUA. A seleção é variada e algumas das obras têm ganho outros prémios de destaque. Destes dez apenas um se encontra editado em Portugal, o da Ruta Sepetys, intitulado Sonhos de Papel (Out of the Easy no original) e lançado pela ASA. Uma vez que a história se passa na década de 1950, a capa não faz para mim muito sentido no contexto da época, mas enfim… A lista completa pode ser consultada aqui.

500_9789892325187_sonhos_de_papel

O verdadeiro poder dos livros

Às vezes há livros que têm um impacto especial não só no leitor como indivíduo, mas nos leitores como comunidade.  Qual é o verdadeiro poder da literatura? Será capaz de influenciar comportamentos? Pois parece que um certo livro intitulado The One and Only Ivan, de Katherine Applegate, vencedor do prémio Newbery em 2012, sobre um gorila preso numa jaula demasiado pequena em exposição num centro comercial, tem tido um grande impacto entre alunos e professores da comunidade escolar americana, e já inspirou diversos programas sociais e também peças de teatro à volta da história do livro.
Certas histórias ficam connosco, mas devem ser partilhadas e exploradas com os outros, porque o seu significado é tão importante que uma leitura ao nível individual não é suficiente para se captar a sua verdadeira dimensão. E é assim que se compreende o verdadeiro poder de uma história.
O artigo completo que relata este caso pode ser lido aqui.

one-and-only-ivan_custom-91a7b2ad0737f02bbbb6729412e1aa4de048c3f9-s6-c30

Crianças americanas leem em média 40 minutos por dia

Esta é a conclusão de um estudo feito pelo centro Joan Ganz Cooney, uma plataforma cuja missão é desenvolver a aprendizagem através dos meios digitais. A tese resulta de uma série de entrevistas realizadas a 1500 pais de crianças entre os dois e os dez anos. Como todos os estudos, este dará com certeza azo a muitas discussões, dado que se fala em leitura, e nas plataformas em que acontece essa leitura, mas não no conteúdo lido, que pode ser qualquer coisa, e não necessariamente literatura.  O mesmo estudo conclui que cada uma dessas crianças vê em média 42 minutos de televisão por dia, uma grande concorrente à leitura, sem dúvida. A investigação pode ser lida aqui.

Notícia daqui.

image134

Factos e História

O Jardim Assombrado, de Carla Maia de Almeida, dá destaque a um livro que em criança teria adorado ler (agora também!). Trata-se de uma novidade da Texto Editores: Pequena História do Mundo, de Fernando García de Cortázar e com ilustrações de João Maio Pinto.

pequena_historia_do_mundo Mas quando era pequena gostava muito de livros sobre factos históricos, mitos e afins, pelo que ao fazer uma visita à página da Texto, descobri alguns livros interessantes, o primeiro dos quais A Verdade dos Factos, um livro que desmistifica alguns factos tidos como verdades e esclarece muitos enganos.  Da mesma coleção, Achas Que Sabes Tudo?, de Guy Campbell, desafia os pequenos leitores a testar os seus conhecimentos gerais e a aprender mais um pouco.
Para os miúdos que gostam de seres pré-históricos e de brincar aos exploradores, a Texto tem ainda o livro Fósseis, com lupa e tudo! Da mesma coleção há ainda um sobre insectos e outro sobre répteis.
Com a quantidade de livros que saem todos os meses, às vezes é difícil ter uma ideia da variedade disponível para além de obras de literatura, mas nada como uma visita às livrarias ou às páginas dos sítios das editoras, embora por vezes estes estejam desatualizados ou sejam de difícil consulta, para descobrir obras interessantes e que incentivam à descoberta do mundo.

500_9789724743066_a_verdade_dos_factos

Podem os livros para crianças e jovens conter «palavrões»?

Um livro para «jovens adultos» editado recentemente na Inglaterra, intitulado When Mr. Dog Bites, de Brian Conaghan, um escocês radicado em Dublin, está a causar polémica pela sua linguagem considerada inapropriada. Ao que parece o texto contém muitos palavrões. Tal facto tem uma razão de ser: é que o protagonista da história, um rapaz de dezasseis anos, Dylan Mint, padece da síndrome de Tourette, uma desordem neurológica caracterizada por tiques, espasmos e vocalizações incontroláveis.
Em plena adolescência, Dylan vive uma batalha constante na tentativa de controlar os seus impulsos, mas quando descobre que lhe resta muito pouco tempo de vida, resolve fazer uma lista das coisas que quer fazer antes de morrer, envolvendo-se numa série de atribulações.
A questão que este livro está a levantar junto dos críticos é que a editora parece estar a promover o livro pelo facto de conter muitos palavrões. Além disso, questionam-se se seria realmente necessário e apropriado o texto estar tão pejado de obscenidades. Por outro lado, admitem que a história não é sensacionalista, mas provocante. Os artigos que debatem esta questão encontram-se aqui e aqui.

9781408842539

A série «Flavia de Luce»

Tropecei nesta série por acaso e achei a sinopse interessantíssima. E não é que descubro que está a ser editada cá em Portugal pela Planeta? A história passa-se nos anos 1950, mas isso não é o mais interessante nestes livros. A protagonista é uma menina de onze anos, a talentosa Flavia, que adora química e resolver mistérios. Um policial histórico juvenil que fará as delícias de crianças curiosas. A série tem até ao momento seis livros, mas cá ainda só vai no terceiro volume, acabado de sair. O primeiro é intitulado A Talentosa Flavia de Luce, o segundo Flavia de Luce e o Mistério do Bosque de Gibbet e o terceiro Flavia de Luce e a Bola de Cristal da Cigana.

O primeiro livro além de ser um best-seller do New York Times, ganhou vários prémios como o Debbut Dagger Award, o Spotted Owl Award, o Dilys Award 2009, o Arthur Ellis e o Agatha Award 2009.

Não deixem de visitar a página oficial da série aqui. Mais informações sobre os três volumes editados pela Planeta aqui.

200. Capa A Talentosa Flávia

Um policial com um detective inesperado: uma menina de onze anos, com um feitio muito especial e um invulgar talento para fórmulas químicas. Estamos no Verão de 1950 e Buckshaw é a decadente mansão inglesa onde Flavia mora com a sua família, o pai viúvo, coleccionador obsessivo de selos, e duas irmãs, nem sempre muito simpáticas…
Com uma inteligência aguçada para a idade, Flavia vive num mundo próprio. Refugiada num velho laboratório vitoriano onde já ninguém vai, entretém-se a inventar venenos inofensivos que servem, no entanto, as suas pequenas vinganças domésticas.
Uma menina com cara de anjo mas alguma maldade…
Subitamente, Buckshaw é atingida por uma série de acontecimentos inexplicáveis. Um pássaro morto é encontrado no degrau da porta, com um selo de correio espetado no bico.
Algumas horas depois, Flavia descobre um homem caído no meio dos pepinos e vê-o exalar o seu último suspiro.
Para a pequena, que fica ao mesmo tempo chocada e encantada, a vida começa realmente a sério quando o homicídio chega à velha mansão. Uma pintura perspicaz do sistema de classes e da sociedade da época, A Talentosa Flavia de Luce é uma história de enganos magistralmente contada e um magnífico gozo literário.

 

O que é literatura «YA» (Jovem Adulto)?

Young Adult é um género de literatura destinado aos adolescentes a partir dos dezassete, dezoito anos. Contudo, há muitos adolescentes de quinze e dezasseis anos e até mais novos a lerem livros deste género, como também há adultos de trinta e  quarenta anos a lê-los. A questão que se coloca então é a seguinte: o que é exatamente literatura YA? Como se define? Que tipo de histórias têm como alvo o público Jovem Adulto? Ora este artigo que encontrei no sítio teenreads.com deixa-nos com alguma reflexões sobre esta questão e inclui ligações para outros artigos igualmente pertinentes.
A conclusão geral para o facto de tantos adultos gostarem de ler literatura destinada a jovens adultos, ou assim classificada, parece ser a de que estes leitores procuram reviver ou recordar o momento em que se perde a inocência de criança no caminho para a maturidade, com o objetivo de conferir algum significado a essa fase da sua vida. Outra possibilidade é a do puro escapismo. Trata-se de duas explicações entre muitas que podem ser exploradas também neste artigo para o qual o anterior faz ligação.

A livraria «Wild Rumpus», Minneapolis, EUA

Inaugurada em 1992, os donos desta livraria infantil e juvenil inspiraram-se num livro para a arquitetura e a decoração do espaço, o The Salamander Room de Anne Mazer. Com um ar rústico e antigo, o teto da loja parece abrir-se para o céu e ao caminhar-se nos corredores encontram-se animais de peluche espalhados pelas prateleiras, num certo «caos» organizado, uma tentativa de trazer a natureza para dentro da livraria e inspirar os pequenos leitores enquanto escolhem as suas leituras. Encantador!

O sítio oficial da livraria é aqui.

1412716_10151900485574682_1278254209_o

photo2

wild rumpus1

FinalWildRumpus1_Page_3