«Rosa, Minha Irmã Rosa», leitura imprescindível

rosa_minha_irma_rosa

por Alexandra Martins

Mea culpa. Eu, que cresci a devorar todos os livros infantojuvenis que me apareciam à frente e que li coleções inteiras, nunca tinha lido este livro – Rosa, minha irmã Rosa, de Alice Vieira. Agora, aos 28 anos, este livro veio parar-me às mãos e eu decidi dar-lhe uma vista de olhos. E fiquei encantada com o que descobri naquelas páginas. A história em si é simples, não pretende ser mais do que o retrato de vida de uma família e do seu dia a dia, visto pelos olhos de Mariana que, aos dez anos, descobre que vai ter uma irmãzinha, o que abala toda a sua estrutura familiar e o seu mundo.

A forma como Mariana nos conta a sua história, os seus pensamentos e, mais importante, os seus sentimentos em relação a esta nova realidade é de uma franqueza e de uma inocência enternecedoras. Nas páginas do livro, não encontrei as palavras da autora, mas sim as palavras daquela menina de dez anos, a sua realidade e o seu olhar sobre as verdades da vida. Um olhar atento, mas nem sempre capaz de captar as subtilezas do mundo adulto, o que leva a reflexões interessantíssimas sobre a sociedade e a sua família. Diz Mariana: «Se não formos nós a educar os nossos pais, quem é que os educa? Se não formos nós a ensinar-lhes certas coisas, quem é que os ensina?». E, na verdade, com a chegada de Rosa à vida desta família, não vai ser só Mariana a aprender coisas novas, mas também os seus pais, a sua avó Elisa, até a Tia Magda. Mas é na Mariana que vemos a maior transformação, é o seu lento despertar para a realidade do que significa ser irmã (mais velha) e do que significa amar outro ser com todas as nossas forças, que encontramos o fio condutor desta narrativa. Rosa começou por ser uma intrusa que veio roubar as atenções de todos, até roubar também as de Mariana, e esta perceber que, afinal, também ama a sua irmãzinha, mesmo que ela seja demasiado pequena para poder brincar com ela e que ainda vá demorar muito tempo para crescer.

Eu também sou irmã mais velha. Não me lembro de ter reagido da mesma forma que a Mariana à chegada da minha irmã, mas consegui criar uma grande empatia com a menina de dez anos que, de um momento para o outro, se tornou irmã. Porque o amor nem sempre é instantâneo, mas quando nos tornamos irmãos, o amor que surge, quando surge, é mesmo para sempre.

Uma leitura imprescindível para todos, sejam miúdos, ou graúdos que, como eu, não tiveram oportunidade de ler este maravilhoso livro antes.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s