Monthly Archives: Fevereiro 2016

Sete estratégias de incentivo à leitura das crianças e dos jovens

por Sofia Pereira

«Hoje, uma das tristes realidades é que pouquíssimas pessoas, em especial jovens, lêem livros. A menos que encontremos formas imaginativas de resolver esse problema, as futuras gerações arriscam-se a perder a sua história.»
Nelson Mandela

1. Facilitar o acesso aos livros
Ir a bibliotecas, livrarias, encontro com escritores e sessões de apresentação de livros poderá ser uma excelente opção.

2. Ler em companhia
A leitura com outras pessoas – familiares, amigos ou colegas – poderá transformar-se num bom e agradável momento de interação e de partilha de ideias. Além disso, o exemplo dos mais velhos e a paixão que estes manifestam pelo universo dos livros será, sem dúvida, uma motivação para que as crianças e os jovens desfrutem, igualmente, dessa atividade.

3. Nem todos os livros são literatura
Se o objetivo é incentivar a criação de hábitos de leitura, torna-se crucial ter em atenção que nem todos os livros têm a mesma finalidade: há livros para colorir, sopas de letras e crucigramas, entre outros. É importante saber escolher o(s) livro(s) adequado(s) e próprio(s) para cada leitor.

4. Saber o que ler
Sugerir a leitura de um simples texto ou de uma obra, com algumas breves recomendações, poderá ser um bom guião que ajudará a compreender o texto pois, dessa forma, as crianças e os jovens já estão familiarizados com a história, apreciando-a melhor e sentindo o ato de ler como uma necessidade da sua vida.

5. Ler sem obrigação
Criar espaço e tempo de leitura, mas através da motivação e nunca impondo a leitura de um livro é a melhor forma de incentivo.

6. Direito a não ler
É necessário nunca esquecer que todos temos o direito a não terminar a leitura de um livro, quando não gostamos da história ou simplesmente não nos prende a atenção.

7. Estimular a capacidade cognitiva
Livros ilustrados ou de banda desenhada despertam a criatividade e a imaginação.

Anúncios

Livros para ler com o bebé

À partida pensa-se que um bebé de seis meses ou de apenas dois anos ainda é muito pequeno para ler livros, que não tem capacidade para compreender o que se é lido em voz alta e, por isso, não vale a pena. Mas não é verdade. Ler em voz alta para o bebé, apontar para as ilustrações, o gesto de virar a página e de encontrar novas cores, novas letras, novos símbolos na página podem ajudar no desenvolvimento do bebé. Além disso, é uma excelente atividade para se fazer em conjunto. Contudo, às vezes é difícil encontrar o que ler com o bebé. Aqui ficam algumas sugestões.

1507-1

O Elmer e o Tempo, David McKee, Nuvem de Letras

«A mensagem mais importante da série Elmer é a de que não faz mal ser diferente e pode até ser divertido. A diferença é importante e bela e deve ser aceite por todos.»

9789896791452

Os Animais do Mar para Sentir, Vários, Edicare

«As escamas do sargo, as ventosas do polvo, a pele suave do golfinho ou a carapaça da tartaruga… Um pequeno documentário tátil para responder às perguntas dos mais novos e conhecer os animais marinhos na ponta dos dedos!»

1507-1 (1)

Nonô e o Bacio, Sibylle Delacroix, Booksmile

«O bacio chegou à nossa casa e a mamã quer que eu aprenda a usá-lo, para ser uma menina crescida. Mas há tantas coisas mais interessantes para fazer!A Nonô está a crescer. Com as suas histórias amorosas e ternurentas, vamos descobrir como o crescimento é uma etapa divertida!»

9789892314679

A Hora da Papa, Explorar com os Sentidos, Cristina Raiconi, Edições ASA

«Este livro oferece à criança amiguinhos sorridentes com os quais ela pode partilhar a hora da refeição e promove a aprendizagem dos nomes dos objectos que estão presentes naquele momento.»

1507-1 (2)

Eu Vejo, Helen Oxenbury, Gatafunho

«Para o bebé, aprender a ler significa em primeiro lugar familiarizar-se com o objecto livro, como um brinquedo. Depois, aos poucos, ampliando os seus horizontes, ele apropria-se do seu conteúdo através da representação de objectos, personagens, da capacidade de estabelecer relações de causa/efeito, dos ritos e dos ritmos do quotidiano. A familiaridade com o tempo lento e calmo da leitura é a promessa ideal para que, mais tarde, a criança leia sozinha, o que será uma conquista dos anos seguintes.»

Maria Inês Almeida, de jornalista a autora de livros infantojuvenis

Maria Inês de Almeida

por Sofia Pereira

Maria Inês Almeida nasceu a 25 de fevereiro de 1978, em Lisboa. Jornalista de formação, pela Universidade Católica Portuguesa, iniciou a sua carreira literária com a publicação de Contos pouco políticos, uma coletânea de histórias escritas por políticos, passando depois a publicar livros infantojuvenis da sua autoria.

A Fábulas entrevistou a escritora. Maria Inês Almeida, muito atenta às manifestações da infância  – desde a educação à ocupação dos tempos livres dos mais novos – e aos valores sociais, fala-nos do seu percurso como autora de livros para a infância e juventude, do mundo das crianças e da sua paixão pelo universo das letras e da escrita.

Todos conhecemos a Maria Inês como jornalista, mãe e blogger. Apresente-se como escritora.
Não me considero muito capaz de um autorretrato. É melhor pedirem a alguém que leia os meus livros!

Como foi trocar uma carreira dedicada à área do jornalismo pela literatura?
A vida vai-nos colocando caminhos pela frente e vamos fazendo opções. Mas não sinto que tenha sido uma troca absoluta, de virar costas totalmente ao jornalismo. Fui muito feliz no meu trabalho enquanto jornalista e sou igualmente feliz no meu trabalho como autora de livros infantojuvenis. Sinto-me bem a escrever para os mais novos. As crianças não se esquecem de sonhar, e isso é encantador. Gosto de criar projetos que possam marcar de alguma forma.

Coração de mãe nunca se engana é um livro de amor, é «a história da vida que todos os dias liga uma mãe a um filho». O José é a maior inspiração da sua vida?
Vamos sempre buscar inspiração a muitos lados. Procurando estar atenta às coisas e aos sinais que a realidade transmite, as ideias surgem naturalmente. Mas, sim, é verdade que encontro no meu filho uma grande fonte de inspiração. Por exemplo, o Quando Eu For… Grande partiu de uma ideia que o José, sem saber, me deu, por andar sempre a perguntar: «Quando eu for grande posso comer todas as pastilhas? Quando eu for grande vou saber onde está a porta da praia?». Para mim, neste projeto que são os livros, tudo se resume mais ao sentir e à intuição.

É inegável a sua paixão pela escrita de livros para crianças. Considera que a maternidade teve influência na escolha do seu registo?
Despertou-me ainda mais para isso, sim.

A Maria Inês escreveu três livros cujo protagonista da história tem o nome do seu filho: José. Podemos ver neles um retrato das suas traquinices e birras próprias da idade?
Não necessariamente. Na história José, come a sopa, este José não gosta de sopa… mas passa a gostar. O meu filho, por exemplo, sempre gostou de sopa (tenho sorte nesse aspeto).

«Um político é um pássaro com muitas cores». Foram estas as palavras genuínas de uma criança que a motivaram a abraçar o projeto Contos pouco políticos. Na sua opinião, é fácil falar sobre política às nossas crianças? Qual considera ser a melhor explicação para leitores tão pequenos?
Quando iniciei esse projeto ainda não era mãe, mas já era atenta às manifestações da infância. Claro que na cabeça  desta criança aquele político existiria tal como ela o descrevia. A minha preocupação com esse livro não foi tanto falar de política a crianças, mas sim aproximá-las dos políticos, para lhes mostrar uma faceta diferente, para lá da pose circunspeta, do discurso grave e das roupas cinzentas que estão habituadas a ver pela televisão. Queria que as crianças soubessem que nos políticos, à parte a sua função, pode permanecer uma dimensão de sonho e imaginação.

A aventura admirável de Malala é um livro que relembra, acima de tudo, os direitos das crianças, independentemente da raça, da religião, do sexo ou da origem social. Malala, pela sua coragem e resiliência, é um exemplo que deve estar presente na vida de todos, de modo a evitar que as crianças sejam desrespeitadas e/ou esquecidas?
Sim, e que todos os jovens se sensibilizem para a causa de Malala. Que todas as mulheres usufruam de liberdade e que todas as meninas possam ir à escola. Falar de Malala nos meios de comunicação é normal e importante, mas são coisas que às vezes se esquecem depressa. Haver um livro que também pode chegar a escolas, às famílias, pode ser igualmente determinante. O exemplo de Malala é encorajador para as crianças de todo o mundo.

Sabes que também podes ralhar com os teus pais? é uma história de afeto que ensina as crianças a não serem submissas. Defende a ideia de que, na relação diária com os pais, os filhos devem ter uma atitude assertiva, sem quebrar os laços de amor que os unem. Considera que é no ambiente familiar que se inicia o desenvolvimento das crianças enquanto cidadãos responsáveis, sociais, proativos e altruístas, sendo os pais os alicerces dessa educação, preparando-as para uma melhor vida adulta que as ajude a superar as adversidades e frustrações?
Nos livros Sabes que também podes ralhar com os teus pais? e Sabes onde é que os teus pais se conheceram?, o objetivo era promover o diálogo entre Pais e Filhos. Foi promover a pergunta. E a resposta. Acho que o futuro depende da maneira como formamos e educamos os nossos filhos, e por isso faço votos para que todos os que temos essa responsabilidade não nos esqueçamos disso. O primeiro livro corresponde a uma tentativa de levar as crianças a perceberem que têm direito a dizer do que gostam e do que não gostam. É até uma forma de crescer na responsabilidade. Mas é evidente que há modos de dizer as coisas.

9789897070181

Sabes onde é que os teus pais se conheceram? e Quando eu for… Grande são dois títulos que figuraram na lista «100 livros para o futuro», apresentada por Portugal como convidado de honra na Feira Internacional do Livro Infantil de Bolonha, em 2012. Como encarou esse reconhecimento?

Sabe sempre bem. Mas o trabalho continua.

   9789726508694    9789726509134

Amália Rodrigues, Almeida Garrett, Michael Jackson, Amélia Rey Colaço e Almada Negreiros fazem parte da coleção juvenil de biografias «Chamo-me…». Por que razão escolheu estas figuras da História? Há alguma biografia que ainda queira escrever?
São figuras interessantíssimas, cada uma à sua maneira. Merecem que, acerca delas, se transmita às crianças informação e conhecimento. Há sempre muitas figuras interessantes.

Em criança, sonhava ser alguma personagem literária?
Que me lembre, não.
9789720725264

Em parceria com Joaquim Vieira, é autora da coleção juvenil «Duarte e Maria», que já conta com seis volumes. Como surgiu este projeto?
O ponto de partida foi a nossa amizade. Depois de descobrirmos que, por coincidência, ambos tínhamos escrito biografias sobre as mesmas figuras (Almada Negreiros, Amália Rodrigues, por exemplo), o Joaquim para gente crescida, eu para jovens, achámos que valia a pena tentarmos um projeto comum de escrita. E assim nasceu a coleção «Duarte e Marta», proposta que a Porto Editora aceitou publicar. No ano passado, durante cinco semanas, um resumo do primeiro número da coleção foi oferecido com o Happy Meal da Mc Donald’s, o que nos deixou muito satisfeitos.

Conte-nos uma situação vivida num encontro com os pequenos leitores e tenha sido particularmente especial.
Todas as idas às escolas são especiais. Desde as histórias que eles também contam às perguntas que colocam ou até aos maravilhosos trabalhos que fazem e oferecem sobre os livros que leram.

Por que razão as crianças devem ler os seus livros?
As crianças só devem ler os meus livros se lhes apetecer. Mas a minha esperança é que com eles sintam que viajam e que sonham.

Onde e quando é que gosta mais de escrever?
Em casa, sossegada. De manhã.

Sabemos que todos os escritores têm os seus autores de referência. Têm também livros que, num momento da vida, voltam a reler ou permanecem na mesinha de cabeceira. Quais são os seus?
Uma pilha deles.

Podemos esperar a publicação de um novo livro para breve?
Sim. Mas não gosto de falar de novas edições antes do tempo.

Mais informações sobre a escritora aqui e aqui.