All posts by Revista Fábulas

# 1 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos as histórias do Bolinha.

A coleção do Bolinha é extensa e já cá anda há muitos anos. Lembro-me de, em pequena, ter um livro do Bolinha (O Natal do Bolinha) do qual eu gostava muito. Por causa dessa memória feliz, não resisti a comprar para o meu filho alguns livros do Bolinha. Começámos com O Bolinha vai à praia, na altura das férias do ano passado, seguiu-se A festa de anos do Bolinha e, o mais recente, O Bolinha já sabe contar. E temo que não fique por aqui.

O-Bolinha-Vai-a-Praia

É uma coleção muito interessante para estimular os mais pequenos para a leitura. O Bolinha é uma personagem com a qual eles facilmente se identificam, as abas para levantar promovem a interação com o livro e a história, simples e direta, mas sempre divertida, permite criar-lhes o gosto pela leitura. É adequado para todas as idades, preferencialmente a partir de um ano, altura em que já começam a manusear melhor os livros e as páginas de folha fina.

Lá por casa, o Bolinha é, sem dúvida, uma aposta ganha! Já ando a pensar qual será o próximo que vou comprar!

Coleção Bolinha
Autor: Eric Hill
Editora: Editorial Presença

Leituras para as Férias Grandes, por Sofia Pereira

Cinco livros para ler, para desfrutar, para folhear, para oferecer ou para partilhar. Em qualquer lugar. A qualquer hora. Porque, nas férias, é tempo de ler. E os livros são sempre uma das melhores companhias.

 

A Sereia e os Gigantes, de Catarina Sobral, Orfeu Negro

«Conta a lenda que havia dois gigantes, o Mar e a Montanha, que nunca se tinham zangado. Um dia, a Sereia chegou e, de imediato, despertou a curiosidade dos gigantes, que logo dela se enamoraram. Numa disputa feroz, o Mar e a Montanha movem céus e terra um contra o outro, na esperança de conquistar o amor da Sereia.»

Porquê? Verão cheira a maresia, praia, ondas, conchas e criaturas e monstros marinhos. Por isso, estas são as férias ideais que nos podem ajudar a viajar, através do universo das letras e dos livros, para cenários idílicos e paradisíacos, ao conhecer e ler histórias que despertem a curiosidade pelo maravilhoso mundo marinho, descobrindo as suas lendas, os seus encantos e as suas riquezas.

Cá Dentro, texto de Isabel Minhós Martins e Maria Manuel Pedrosa, ilustrações de Madalena Matoso, Planeta Tangerina

«Na Antiguidade julgava-se que o órgão responsável pelos nossos pensamentos e emoções era o coração. Hoje já sabemos que tudo o que somos – pensamentos, emoções, decisões, ideias – acontece dentro do cérebro, em conversa contínua com o resto do corpo. Mas como nasce um pensamento? Como funciona o cérebro? Como é que o cérebro guarda o que aprende? Como se emociona, cria, inventa e faz de cada um de nós uma pessoa única e irrepetível? Construído com o apoio de uma equipa de neurocientistas, filósofos e psicólogos, Cá Dentro acompanha a evolução do cérebro desde o primeiro segundo, mostra-nos a incrível realidade construída com a ajuda dos sentidos, explica-nos como aprendemos, decidimos ou agimos e também como nos ligamos às outras pessoas, outros cérebros. Se todas as experiências da vida contribuem para moldar o nosso cérebro, esperamos que esta leitura contribua para um cérebro (ainda) mais curioso, motivado e feliz.»

Por que razão? O cérebro humano é um mundo difícil de compreender. Mas todos, em algum momento das nossas vidas, ansiamos ter a lâmpada do Aladino para perceber como tudo funciona: os nossos pensamentos, as nossas emoções, as nossas ideias. Este livro, que pode ser explorado num ambiente de harmonia familiar, leva-nos numa viagem pelo órgão mais complexo de entender, numa linguagem acessível e num percurso de desafios sobre o fascinante e misterioso mundo da massa cinzenta. Uma descoberta que pode tornar os cérebros leitores mais seguros, exigentes, autênticos e espontâneos.

Descobre o caminho – No fundo do mar, de Paulo Boston, Booksmile

«Os habitantes da Cidade Oceânica precisam da tua ajuda! Explora o fantástico mundo subaquático e ajuda-os a construir um castelo. Mergulha junto ao navio naufragado e tem cuidado com o polvo gigante, enquanto resolves enigmas matemáticos e colecionas objetos ao longo do caminho.»

Livro-interativo, porquê? As férias são para ler, mas também brincar. E quando é possível conciliar estas duas actividades, tudo fica mais fácil. Com este livro, pretende-se que os leitores mais novos descubram o fascinante mundo aquático, através da interatividade e dos desafios matemáticos propostos, contribuindo para o seu desenvolvimento intelectual e para o raciocínio lógico.

O Mundo de Garfield 1978-1983, de Jim Davis, Verbo

«Quem não conhece Garfield, esse gato redondinho (nunca lhe chamem gordo!) e cor de laranja que nasceu na cozinha de um restaurante italiano? Preguiçoso e guloso, adora comida italiana (e não só!), não perde uma boa sesta, odeia as segundas-feiras, é avesso a passas e a dietas, tem nojo de caçar ratos, detesta despertadores e, sobretudo, tem um constante e adiado ajuste de contas (e de peso) com a balança. O Mundo de Garfield, 1978 – 1983, para além de coligir num único volume, a preto e branco e por sequência cronológica, as tiras originalmente publicadas durante os primeiros cinco anos e meio da vida de Garfield, conta ainda artigos que permitem ao leitor acompanhar o percurso de um gato sarcástico e preguiçoso, cujo sucesso é indesmentível.»

Ler, porque sim! O gato Garfield é a personagem de banda desenhada criada por Jim Davis e a mais publicada em jornais de todo o mundo, tendo-lhe valido, em 2002, um recorde do Guiness. É um gato preguiçoso, sarcástico e guloso, que adora dormir, comer lasanha e pizza e delicia os leitores com o seu humor indesmentível. Um livro para descontrair com as tirinhas apetecíveis deste gato redondinho!

A Sereia, de Kiera Cass, Marcador

«O mesmo discurso foi feito centenas de vezes a centenas de lindas raparigas que entram na irmandade das sereias. Há anos que Kahlen segue as regras, esperando pacientemente pela vida que poderá considerar sua. Mas quando Akinli, um ser humano, entra no seu mundo, ela não consegue continuar a viver segundo as regras. De repente, a vida pela qual tem esperado não parece tão importante como a que está a viver agora. «Se tens estado pacientemente à espera de algo num mundo não relacionado com “A Seleção”, aqui o tens! Deram-me a oportunidade de reescrever o meu primeiro livro, “A Sereia”. Este conta a história de Kahlen, uma sereia, enquanto vive com as suas irmãs ao serviço de Oceano, afundando navios com o seu canto e mantendo em segredo o seu dom mortífero. Kahlen vai gerindo as coisas o melhor que se pode esperar de uma rapariga que está proibida de falar, cantar e rir, até conhecer Akinli, um rapaz ligado a Oceano à sua maneira. E então, a vida que ela poderia ter agora, ainda que breve e cheia de segredos, parece valer o risco, mesmo que isso signifique desistir do futuro para o qual tem trabalhado.»

Vale a pena ler? Claro que sim! Como se cruzam os mundos de uma Sereia e de um Humano? Será que a conexão intensa que os une será suficiente para corromper as regras que os impedem de se ligar um ao outro? Até onde vai a coragem para seguir a voz do coração? Uma história emocionante e arrebatadora que não podem deixar de ler!

Leituras para as Férias Grandes, por Alexandra Martins

Com o verão, chegam o sol, o calor e, claro, as férias! E apesar de um bom livro se ler em qualquer estação do ano, admito que, para mim, o verão puxa a leituras mais leves, mais alegres, mais sonhadoras. E é por isso que vos deixo as seguintes sugestões, entre livros mais antigos e novidades editoriais, todos perfeitos para ler estendidos na toalha à beira-mar ou numa cama de rede no meio do campo.

Uma aventura na praia, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada (Caminho)

«Mergulhadores, navios afundados, tesouros no fundo do mar, um acampamento agitado, um casal estrambólico com dois filhos infernais que dão pelo nome de Bruninho e Bruninha, mais o perigosíssimo ladrão sul-americano que se desloca de helicóptero e que ninguém no mundo conseguiu capturar, são os ingredientes desta aventura numa praia cheia de rochas e grutas onde as emoções vão muito para além de namoros e banhos de mar.»

E começamos com um clássico, mas que é um dos meus livros favoritos da série Uma Aventura. Este livro tem tudo: praia, serra, grutas misteriosas, amizade, romance, aventura e diversão. Sempre na companhia dos eternos cinco amigos e seus cães, com novas personagens extravagantes e cativantes em partes iguais. E o Duarte, claro. Não sabem quem é? Então leiam este livro e depois digam lá se não concordam com a Luísa!

Entre as linhas, de Jodi Picoult e Samantha Van Leer (Bertrand Editora)

«Delilah não consegue parar de ler o seu conto de fadas preferido. As outras raparigas da sua idade já começaram a namorar e são populares, mas ela prefere o conforto de um final feliz e de saber que não vai ter surpresas. Até que lhe acontece a maior surpresa de todas… Oliver é o príncipe encantado do conto de fadas de que Delilah tanto gosta. Um dia, ele olha para ela da sua página e começa a falar. É um milagre que a princípio parece perfeito… mas depois fica tudo virado do avesso. Agora Delilah vai ter de decidir: vai ajudar o príncipe Oliver a sair das páginas do livro? Ou será a sua oportunidade para mergulhar nas páginas de um final feliz?»

Uma jovem apaixonada pelos livros e pelas suas histórias. Um conto de fadas de encantar. Um príncipe vindo diretamente das páginas do nosso livro preferido, para dar uma reviravolta à nossa vida e nos fazer questionar o que é normal e o que é real. Querem melhor do que «mergulhar nas páginas de um final feliz»? Só que os finais felizes dão trabalho, tal como a nossa protagonista irá perceber. Valerá a pena? Vamos descobrir!

Quatro amigas e um par de calças, de Ann Brashares (Editorial Presença)

«Esta é a história de quatro grandes amigas que, pela primeira vez, vão estar separadas nas férias de Verão. Antes de partirem, fazem um original acordo: partilhar umas “calças mágicas” compradas em segunda mão, que enviarão por correio umas às outras. Nestas férias, cada uma delas viverá algo de completamente novo, tendo como única testemunha o par de calças.»

O verão lembra-me sempre este livro. Quatro adolescentes, amigas desde sempre, terão de se separar pela primeira vez nas férias de verão e é individualmente, sem a força umas das outras, que tanto vão aprender, que tanto vão crescer. Quatro histórias que se interligam e que têm como ponto de convergência a amizade verdadeira, o crescimento e os desgostos que ele pode trazer e, sempre no centro, um par de calças de ganga mágicas que zelam pela união destas amigas. Uma história intemporal, mas com um gostinho especial a verão.

O verão em que me apaixonei, de Jenny Han (Topseller)

«”Toda a minha vida era medida em verões. Como se não começasse efetivamente a viver enquanto não chegasse junho, até estar naquela praia, naquela casa.”

Tudo o que é bom e mágico acontece durante o verão, e é a sonhar com o verão que Belly, de 16 anos, passa os seus dias. Para ela, os invernos são insuportáveis e sinónimo de estar longe de Jeremiah e de Conrad, os rapazes que Belly conhece desde a sua primeira estadia na casa de praia. Eles são os seus quase-irmãos, os seus inseparáveis parceiros de aventuras. Até que chega aquele verão — maravilhoso e ao mesmo tempo terrível — em que tudo muda. Estas poderão ser as últimas férias que passam todos juntos na casa de praia. Chegou o momento de perpetuar memórias, confessar paixões escondidas e, acima de tudo, é hora de, finalmente, Belly começar a obedecer ao seu coração. Um romance com sabor a mar e a liberdade, sobre crescer e apaixonar-se, deixando-nos a desejar por mais.»

Os verões perfeitos de Belly, Jeremiah e Conrad estão a chegar ao fim e é esta a última oportunidade que têm para estar juntos. E é neste verão que Belly descobre que tanto pode mudar de um ano para o outro. Terá de enfrentar os seus sentimentos e o seu futuro, na esperança de conseguir que a felicidade dure mais do que uma estação. Do outro lado das páginas, estamos nós, a acompanhar o seu desenvolvimento e a torcer pelo seu final feliz.

A incrível viagem de Arthur Pepper, de Phaedra Patrick (Topseller)

«Repleta de personagens inesquecíveis e episódios memoráveis, “A Incrível Viagem de Arthur Pepper” é uma história imperdível sobre o despertar para as possibilidades infinitas da vida.
Arthur Pepper, de 69 anos, leva uma vida simples e rotineira, como quando a sua mulher, Miriam, era viva. Levanta-se às 7h30, rega a sua planta Frederica e vai tratar do jardim. O dia a dia de Arthur corre como deve ser. Sem surpresas. Sem sobressaltos. Até que no primeiro aniversário da morte da mulher, tudo muda. Ele encontra no meio dos pertences de Miriam uma pulseira que não se recorda de ter visto antes. Uma pulseira com oito berloques diferentes, cada um mais misterioso do que o outro. Num deles encontra até um número de telefone.
Intrigado, Arthur resolve telefonar e descobrir a quem pertence aquele número. As revelações que se seguem vão lançá-lo numa jornada surpreendente. De Londres a Paris, cidades que nunca imaginou visitar, Arthur irá fazer novas e fascinantes descobertas não só sobre a sua mulher, mas também sobre si próprio.

Encantador e comovente, mordaz e cheio de humor, este romance é ideal para leitoras de ficção romântica.»

Leitoras e leitores, de ficção romântica e de todas as idades. Assim devia dizer este livro. Simples sem ser simplista, introduz-nos um conjunto de temas que nos fazem questionar a nossa própria vivência e a forma como levamos a nossa vida, tudo através da história de Arthur Pepper, um homem de rotinas previsíveis que, um ano depois da morte da sua mulher, descobre algo que o lança numa viagem por vários países, mas também pelo tempo, de forma a ficar a conhecer toda a verdade sobre a mulher que tão bem julgava conhecer. Uma viagem também de autoconhecimento, permitindo-nos acompanhá-lo e pensar, questionar, compreender. Um livro para viajar nas férias.

A importância da Literatura

por Sofia Pereira

“…leer puede que tenga el valor de hacermos más críticos, más reflexivos, más solidarios y tolerantes, más autónomos: puede dar la posiblidad de pensar por uno mismo, con lo que se convierte en herramienta imprescindible …”
(Puertas a la lectura)

Se a Literatura não necessita de se justificar porque possui um capital simbólico, uma arte gratuita e livre, não se pode, contudo, atualmente, deixar de se questionar sobre o seu presente e o seu futuro. A leitura está em crise, a Literatura deixou de ser uma marca de Homem culto. A atual cultura baseia-se noutras formas de aquisição, vindo esta arte a perder o prestígio que detinha até há uns anos atrás. Quando lemos um livro, conseguimos compreender o melhor e o pior de um povo, de uma cultura, pois nele cabem emoções, gostos, valores, ideologias e esperanças.

Ler um texto literário:

– estimula a aprendizagem da língua no seu poder de expressão mais perfeita e completa;
– permite adquirir conhecimentos de ordem linguística, estética e cultural;
– contribui para o aperfeiçoamento das expressões oral e escrita;
– contribui para uma visão crítica e reflexiva do mundo;
– desenvolve a formação cultural e cívica;
– proporciona experiências de emoção estética;
– fomenta valores morais;
– reforça a superação das fragilidades emocionais e as pressões do dia a dia, proporcionando o bem-estar físico, mental e social.

O texto literário é o thesaurus da identidade nacional e o espaço de diálogo com outras realidades culturais e literárias (textos de outros povos, outras terras e culturas). O seu estudo reforça a consciência do ser português, das raízes culturais e identitárias, num mundo globalizado.

A Literatura, também pelo seu carácter libertador e terapêutico, promove a interação, a socialização e a participação, preparando-nos para as contínuas mudanças da vida, auxiliando-nos a fomentar valores e crenças, desenvolvendo a nossa capacidade imaginativa e criadora e aumentando o nosso sentido crítico e estético.

 

Sete dicas para pais de leitores relutantes

Filhos de pessoas que leem, dizem os estudos, normalmente também se tornam bons leitores. Contudo, muitos pais debatem-se com estratégias para convencerem os filhos entre os nove e os doze anos a lerem mais. Ficção? Não ficção? Com muitos bonecos, sem bonecos, com jogos ou enigmas para resolver? Escolher para eles ou deixá-los escolher sozinhos? E o que fazer quando começam a ler um livro mas o deixam a meio? E quando o fazem sucessivamente?

A mãe de uma criança leitora deixa alguns conselhos preciosos e úteis para pais de leitores mais relutantes. Resumindo e adaptando, aqui ficam sete dicas.

1. Qual é o mal de deixar um livro, ou vários, a meio?

R: Todos nós o fazemos. Não é motivo para preocupação. Todos testamos diversos géneros até encontrarmos aquele ou aqueles de que mais gostamos.

2. Os livros de que gostamos não têm necessariamente de ser os mesmos de que os nossos filhos gostam.

R: Hoje em dia a variedade de títulos disponíveis é muito maior do que há uns anos. É bom explorar e descobrir novos livros com a criança. Também pode acontecer gostar dos mesmos clássicos. Talvez seja uma questão de haver uma abertura de ambas as partes para o novo e para os velhos clássicos.

3. O seu filho poderá demorar algum tempo até querer livros maiores e mais complexos.

R: Tudo começa pelo princípio. Um livro com muitos bonecos, cheio de ação e aventura, depois passa para um livro com um pouco mais de texto, até por fim se decidir a ler algo mais complicado. Faz parte do crescimento do leitor. É preciso passar por esse processo.

4. Deixe-os ler onde quiserem.

R: O melhor é não obrigar a ler num lugar específico, como por exemplo sentado na cadeira, direito, com o livro sobre a mesa. Nós também não o fazemos.

5. Não critique as suas escolhas de leitura.

R: Se o seu filho tem 12 anos e decide ler um livro infantil que está indicado para 6 anos, tente não criticar a sua escolha, isso pode desencorajá-lo. O melhor é tentar compreender porque escolheu aquela obra e dar-lhe a independência de decidir o que é melhor para si. Nós, adultos, também gostamos de ler livros para crianças, não é verdade?

6. Ler em voz alta.

R: Ler em conjunto pode ser divertido. Enquanto leem em voz alta, vão fazendo paragens para conversar sobre o que se leu. É uma boa forma de estimular a capacidade de interpretação, de refletir sobre algo. É também um bom momento para reforçar vínculos entre pais e filhos.

7. Pedir recomendações.

R: A variedade de obras é tão grande que não será difícil encontrar livros que estimulem nos leitores relutantes o gosto pela leitura. Ir a uma livraria, explorar as prateleiras, conversar com crianças que gostem de ler, tudo isso vai ajudar.

 

Dez filmes que não sabias que eram adaptações de livros

Os livros sempre foram fontes de inspiração para o teatro e o cinema e, muitas vezes, as suas adaptações acabam por ser tão famosas que os livros nos quais foram baseados acabam por ser esquecidos. Por isso, para que possas descobrir os autores originais destas histórias fascinantes, aqui fica uma lista de dez filmes que quase de certeza não sabias que vinham de livros.

JUMANJI

Chris van Allsburg é o nome do autor que escreveu a história de Jumanji, adaptado em 1995 ao cinema, com Robin Williams no papel principal. Em dezembro de 2017 chegará uma nova iteração cinematográfica deste livro, Jumanji: Bem-vindo à Selva, desta vez com Dwaine «The Rock» Johnson num dos papéis principais. Segundo o autor, Chris van Allsburg, o significado da palavra jumanji em zulu quer dizer «muitos efeitos», fazendo alusão às muitas e fascinantes consequências do jogo. A editora Jacareca publicou há pouco tempo o livro em Portugal.

101 DÁLMATAS (101 DALMATIANS)

Quem pensa em 101 Dálmatas pensa imediatamente na longa-metragem animada da Disney, de 1961 (adaptado também a filme em imagem real em 1996), mas a verdade é que foi adaptada de um livro com o mesmo nome, da autoria de Dodie Smith. Publicado em 1956, o livro teve mais tarde uma continuação com o título The Starlight Barking. Não se conhece nenhuma edição portuguesa disponível.

MARY POPPINS

Mais uma vez, o famoso filme da Disney, com a encantadora Julie Andrews no papel da ama mágica, faz esquecer que existe um livro por detrás da película. Recentemente até estreou um filme sobre a autora, P. L. Travers, e como Walt Disney demorou anos a conseguir convencê-la a deixá-lo adaptar a sua obra a uma longa-metragem, em Ao Encontro de Mr. Banks, com Tom Hanks e Emma Thompson. A Relógio D’Água publicou recentemente o livro em Portugal.

DR. DOLITTLE

Talvez os mais novos não conheçam a primeira adaptação cinematográfica deste livro, O Extravagante Dr. Doolitle, de 1967, mas certamente conhecerão a mais recente, com Eddie Murphy no papel do homem que aprende a falar com animais: Dr. Dolittle, de 1998. Escrito por Hugh Lofting, foi publicado em 1920, e ao primeiro título seguiram-se vários outros. Em Portugal não haverá nenhuma edição publicada.

PAPÁ PARA SEMPRE (MRS. DOUBTFIRE)

A interpretação de Robin Williams, no filme de 1993, como o pai que se disfarça de ama inglesa para poder visitar os filhos é inesquecível. Mas o que deveria ser também inesquecível é que o filme é baseado num livro da autoria de Anne Fine. Madame Doubtfire é o título original e foi publicado em 1987, tendo sido nomeado para vários prémios da literatura para a infância. Não se encontra disponível nenhuma edição portuguesa do livro.

SHREK

O ogre mais maldisposto da terra dos contos de fadas foi-nos apresentado na longa-metragem animada da Dreamworks, em 2001, e teve várias sequelas. O livro que serviu de inspiração para o filme é da autoria de William Steig, um cartoonista norte-americano. O livro foi publicado em 1990 e o nome Shrek deriva da palavra germânica Schreck, que quer dizer «medo». O livro nunca terá sido publicado em Portugal.

O GIGANTE DE FERRO (THE IRON GIANT)

O filme animado de Brad Bird, que viria posteriormente a realizar The Incredibles – Os Super Heróis, da Pixar, estreou-se em 1999, e passou por cá um pouco despercebido, tal como o livro em que foi inspirado. Ted Hughes é o autor da obra, cujo título original é The Iron Man, publicado em 1968. Para evitar confusão com o Iron Man da Marvel, o título acabou por ser mais tarde alterado para The Iron Giant. Não se conhece nenhuma edição portuguesa atualmente disponível.

PAI PARA MIM, MÃE PARA TI (THE PARENT TRAP)

Lindsay Lohan tornou-se um fenómeno mundial ao interpretar duas gémeas que, separadas à nascença, se encontram fortuitamente num acampamento e lutam para reunir os pais separados. O famoso filme é baseado no livro Das doppelte Lottchen, de Erich Kästner, publicado em 1949, na Alemanha. Antes do filme de 1998, ainda houve outra adaptação cinematográfica em 1961, As Duas Gémeas, com Hayley Mills a fazer também o papel das gémeas matreiras. Em Portugal não tem de momento nenhuma edição publicada.

UM DIA DE DOIDOS (FREAKY FRIDAY)

E por falar em Lindsay Lohan: em 2003 interpretou uma filha que troca de corpo com a mãe (a atriz Jamie Lee Curtis) numa sexta-feira sem dúvida alguma de doidos. O livro no qual é baseado foi publicado em 1972 e é da autoria de Mary Rodgers. Na versão de 1976, a filha foi interpretada por uma muito novinha Jodie Foster. O livro não tem edição portuguesa.

BAMBI

E para último fica o mais ternurento e ao mesmo tempo traumatizante filme da história da animação da Disney. Trata-se pois da adaptação do livro infantil Bambi: Eine Lebensgeschichte aus dem Walde (Bambi: Uma Vida nos Bosques), do autor austríaco Felix Salten. Publicado em 1923, rapidamente ganhou popularidade, tendo sido publicado em mais de 30 línguas, o que chamou a atenção de Walt Disney, naturalmente. O livro foi publicado em Portugal em 2016 pela E-primatur.

Editoras apostam no infantojuvenil

Em 2017, editoras com catálogos dedicados à literatura para adultos estão agora a apostar no mercado infantojuvenil.

A Bizâncio, criada em 1997, com um extenso catálogo dedicado a áreas como a ciência e a história, abraça este ano um novo projeto a pensar nas crianças, lançando a coleção Meio Palmo_Palmo e Meio. A coleção integrará livros com forte componente didática e os primeiros livros a serem lançados serão O livro que dorme e O livro zangado, com textos de Cédric Ramadier e ilustrações de Vincent Bourgeau, cuja publicação está prevista já para abril.

Para maio, segue-se Como desenhar animais uma galinha, da autoria de Jean-Vincent Sénac, através do qual vamos descobrir como, em apenas três ou quatro rabiscos, uma criança consegue desenhar um animal uma galinha e como isso lhe estimula a imaginação, tornando-se no ponto de partida para criar histórias fantásticas.

galinha

Entre outras novidades, está ainda previsto para outubro a publicação do livro The Big Book of Bugs, de Yoval Zommer, que, através de belas e coloridas ilustrações, nos conta tudo sobre o maravilhoso mundo dos insetos.

bugs

Uma coleção que vem agitar o mercado editorial do infantojuvenil com novos títulos, a par da chancela da Almedina, a Minotauro, que foi reavivada e terá agora também livros dirigidos às crianças. Os primeiros títulos já saíram e entre eles está A última paragem, de Matt de la Peña e Christian Robinson, livro vencedor da medalha Newbery.

UltimaParagem-572x715

Recentemente lançada, a Jacareca, a chancela infantojuvenil da Editora Ítaca, de Isabel Castro Silva, publicou em Portugal Jumanji e O Expresso Polar, ambos da autoria de Chris van Allsburg e considerados clássicos da literatura infantil mundial.

Boas notícias para os leitores mais pequenos!

O álbum infantil

por Sofia Pereira

A literatura para a infância desempenha um papel primordial na formação de futuros leitores que, na juventude e na idade adulta, manifestam um interesse e prazer próprios pelo ato de ler. Por essa razão, torna-se fundamental a criação de hábitos de leitura desde tenra idade, através de um contacto precoce com o universo das letras e dos livros.

Pese embora o facto de ser, algumas vezes, considerado um meio de intertextualidade, certo é que o álbum infantil tem conseguido granjear, ao longo dos tempos, um reconhecimento notável como género literário eficaz na aproximação dos pequenos leitores ao mundo da literatura.

Pelas suas particularidades, o álbum infantil atribui uma universalidade ao objeto livro, entrelaçando a linguagem verbal e imagética, o que permite fruir em pleno do seu caráter artístico, aprimorar a sensibilidade  estética e desenvolver a capacidade de expressão.

Características do álbum infantil:

  • Presença de elementos paratextuais;
  • Capa rija em formato de grandes dimensões;
  • Ilustrações muito apelativas de página inteira ou dupla página;
  • Modos diversos de organizar a informação: narrativo (o enredo resolve-se numa situação final); lista (sequência de tópicos ou de ideias); e documentário (função meramente didática).

Os álbuns podem ser puros – apenas com ilustrações – ou significativamente ilustrados, quando o texto e a imagem estabelecem uma relação de interdependência, conferindo um sentido global à obra.

Potencialidades do álbum infantil:

O álbum infantil visa contribuir para a educação literária da criança, preparando-a para participar ativamente no processo de exploração da obra. Privilegiando momentos enriquecedores e agradáveis, os pequenos leitores têm, por vezes, acesso a referências culturais que remetem para áreas tão diversas, como a arte, a música, o teatro, a história, a geografia, a ciência, possibilitando o alargamento dos seus horizontes culturais e despertando a sua sensibilidade estético-literária. Os conteúdos temáticos proporcionam um conhecimento do mundo, um diálogo aberto sobre os problemas relativos ao universo pueril e um contacto com o fantástico e o maravilhoso. Atualmente, já existem também álbuns que incluem, no seu conteúdo, mapas, cartas, livros de receitas, entre outros tipos de textos, assumindo-se, desse modo, como pontes para a construção de representações mentais sobre diferentes géneros textuais.

Pela preocupação pedagógica contemplada, assente na transmissão de valores veiculados e na socialização das crianças, o álbum infantil contribui para o desenvolvimento da criança aos níveis social, cultural, afetivo e linguístico, tornando-se, cada vez mais, um objeto de fruição e de pedagogia para pais e educadores.

 

Sete livros adaptados a filmes a estrear em 2017 [Atualizado]

Os livros são sempre uma fonte de inspiração para argumentistas e cineastas, e, este ano, mais uma vez, serão muitas as obras literárias adaptadas ao cinema. Aqui fica a lista dos livros infantis e juvenis e para jovens adultos cujas estreias cinematográficas estão marcadas para 2017.

MARÇO

beforeifall

Antes de Vos Deixar (9 de março)

Trata-se da adaptação ao cinema do livro da autora Lauren Oliver, Before I Fall. «O que farias se tivesses apenas um dia para viver? Até onde irias para salvar a tua própria vida? Samantha tem tudo: um namorado e três inseparáveis melhores amigas. 6ªfeira, dia 12 de Fevereiro, devia ser por isso mais um dia bom na sua vida. Nada faria suspeitar que iria ser o último… Ao viajarem no Range Rover de Lindsay, no meio de cigarros, i-pods, conversas sobre rapazes e ausência de cintos de segurança, o grupo de amigas sofre um brutal acidente, onde Sam encontra morte imediata. Nesse instante, passa-lhe pelos olhos um episódio de crueldade infantil que ela escondera bem no fundo do seu subconsciente. Tarde demais para remediar a situação: Sam sentiu o choque, a dor excruciante, a escuridão a envolvê-la e o mergulho num nada profundo. É, pois, com grande espanto que, na manhã seguinte, Sam acorda na sua cama, perfeitamente viva. Então percebe que teve uma segunda oportunidade. Sete oportunidades, na realidade, e durante sete dias repetidos.» O livro foi editado por cá em 2011, pela Editorial Presença.

ABRIL

A DOG'S PURPOSE

Juntos para Sempre (6 de abril)

A adaptação cinematográfica deste livro de W. Bruce Cameron, cujo título original é A Dog’s Purpose, chega às salas, com Dennis Quaid num dos papéis principais. «Quantas vidas temos de viver para encontrar o amor? Toby persegue um sonho: amar e ser amado. Serão necessárias várias reencarnações, mas o seu destino está escrito há muito e vai ser cumprido. Em cada reencarnação, ele aprende algo novo. Mas conseguirá a resposta para a grande questão: qual o sentido da vida? Após uma curta e trágica vida de cão vadio, o cachorro Toby fica surpreendido ao perceber que lhe foi dada uma nova oportunidade: o nosso herói nasceu de novo e tem um mundo de possibilidades pela frente. Esperam-no ainda muitas emoções fortes e provações até o verdadeiro desígnio da sua vida lhe ser revelado. No seu desejo de amar e ser amado, Toby protagoniza uma jornada universal. Toby somos todos nós. E todos nós nascemos com um destino para cumprir.» O livro está editado em Portugal pela ASA.

zookeeperheader

O Jardim da Esperança (20 de abril)

«Quando as histórias são reais a sensibilidade do leitor é posta à prova consoante a maior ou menor identificação com o tema. O caso deste livro não é excepção tendo a particularidade de tocar pela beleza e simplicidade a dura passagem pelo holocausto. Baseado no diário de Antonina, mulher de Jan Zabinski, director do Jardim Zoológico de Varsóvia e em outros relatos de sobreviventes concentra-se na ocupação alemã de Varsóvia. Mas a par da crueldade da guerra, a autora dá-nos a conhecer o amor deste casal pelo zoo, a sua tentativa de salvar o maior número de animais possível e de acolher animais bebés na própria casa. Quando os alemães procuram fechar o Jardim Zoológico, Jan propõe-lhes que o transformem numa quinta pecuária, criando porcos para alimentar o exército. E é dessa forma numa perfeita harmonia entre homens refugiados e animais, que o casal Zabinski opera um verdadeiro milagre em prol da defesa do zoo, através da tentativa de salvar as espécies de um fim abrupto. Um relato inesquecível do Holocausto, contado a partir de uma perspectiva inédita mas não menos comovente.» Este livro de Diana Ackerman, cujo título original é The Zookeeper’s Wife, foi editado em Portugal pela Editorial Presença, em 2008. Conta com atores como Jessica Chastain e Daniel Brühl.

MAIO
diary-wimpy-kid-2-858
Diário de um Banana: Assim Vais Longe (19 de maio nos EUA)

The Long Haul é o nono volume da famosa série Wimpy Kid, de Jeff Kinney, e chegará agora ao cinema com novos atores a encarnar as personagens Greg e Rowley, entre outras. «O maior pesadelo do Greg está prestes a acontecer: a mãe organizou uma viagem de carro para toda a família, com a desculpa de que é a melhor forma de passarem tempo juntos. Não há nada que vá fazer o carro voltar para trás, nem mesmo a entrada em cena de um porco à solta ou um ataque de gaivotas assassinas. E quando parece que nada pode piorar a situação, o Greg descobre uma forma de deixar toda a gente à beira de um ataque de nervos. Pois é, Greg, ASSIM VAIS LONGE!» Os livros do Diário de um Banana são editados em Portugal pela Booksmile.

JUNHO

grid-cell-471-1483566402-10

As Aventuras do Capitão Cuecas (1 de junho)

No verão chegará a adaptação deste divertido livro a filme de animação pela Dreamworks. «O George e o Harold são dois rapazinhos espertalhões que, mais do pregar partidas, gostam de produzir os seus próprios livros de banda desenhada. Em conjunto, criaram o maior super herói de banda desenhada da história da sua escola primária – o Capitão Cuecas. As coisas complicam-se quando o director da escola, o Sr. Krupp, tenta acabar com a brincadeira, mas o Capitão Cuecas salta das páginas para resolver as coisas…». Os livros do Capitão Cuecas, da autoria de Dav Pilkey, são editados por cá pela editora Gradiva.

everything-everything

Tudo, Tudo… e Nós (15 de junho)

Esta adaptação ao cinema do popular livro Everything, Everything, de Nicola Yoon, contará com Amandla Stenberg no principal papel. Esta atriz é mais conhecida por ter interpretado o papel da pequena Rue na adaptação ao cinema de Os Jogos da Fome.  «Madeline Whittier observa o mundo pela janela. Tem uma doença rara que a impede de sair de casa. Apesar disso, Maddy leva uma vida tranquila na companhia da mãe e da sua enfermeira – até ao dia em que Olly, um rapaz vestido de preto, se muda para a casa ao lado e os seus olhares se cruzam pela primeira vez. De repente, torna-se impossível para Maddy voltar à velha rotina e ignorar o fascínio do exterior – mesmo que isso ponha a sua vida em risco. Nicola Yoon escreveu um livro comovente com uma mensagem para leitores de todas as idades.» O livro está editado em Portugal pela Editorial Presença.

NOVEMBRO

365077_m1471221071

Milagre (30 de novembro)

Este livro de R. J. Palacio, cujo título original é Wonder, conquistou leitores de todo o mundo. Jacob Tremblay, que se destacou no filme Quarto, interpretará o papel de August. «August nasceu com uma deficiência genética que faz com que o seu rosto seja completamente deformado. Quando nasceu os médicos não tinham esperança de que sobrevivesse, mas sobreviveu. Vários anos e muitas cirurgias depois, August vai, aos 10 anos, enfrentar o maior desfio da sua vida. A escola.
Contado a várias vozes, é uma história emotiva das dificuldades que tem de superar uma criança com uma terrível deformação e um relato do milagre que é a vida.» O livro foi editado em Portugal pela ASA, em 2012.

«Harry Potter and the Cursed Child»: Voltar a Hogwarts duas décadas depois

krdjhkejrh_0

*Atenção! Pode conter spoilers*

Eleito pelos utilizadores do Goodreads como o melhor livro de Fantasia de 2016, Harry Potter and the cursed child – Parts I & II* parte de uma boa premissa: voltar a Hogwarts 19 anos depois e contar a história do segundo filho de Harry Potter, enquanto nos mostra as vidas adultas das nossas personagens favoritas.

Albus Severus Potter é o segundo filho de Harry Potter e Ginny Weasley e cresceu à sombra da fama do seu pai. Um miúdo introvertido e calado que, por infortúnio, sorte ou destino, no seu primeiro ano em Hogwarts, é selecionado para os Slytherin e torna-se no melhor amigo de Scorpius Malfoy, filho do grande rival do seu pai. Como se isso não bastasse, tem ainda de lidar com os problemas típicos da adolescência e com um relacionamento cada vez mais tenso com o seu progenitor: duas personagens tão parecidas em tantos aspetos, mas que são incapazes de se compreender mutuamente. Isto leva Albus a querer destacar-se do seu pai, acabando por, em conjunto com Scorpius, criar uma série de confusões perigosas para o universo mágico numa altura em que Lorde Voldemort está novamente à espreita. No final, Albus precisará de toda a sua coragem, a par dos laços fortes da amizade e da família, para poder evitar que um grande mal seja feito.

Esta obra trata-se, na verdade, do guião da peça de teatro homónima, escrito por Jack Thorne e baseada numa história original de Thorne, J. K. Rowling e John Tiffany. A peça, dividida em duas partes para serem vistas de uma assentada ou em dias seguidos, estreou no dia 30 de julho de 2016 no Palace Theatre, em Londres, e pouco depois foi editado o seu guião, criando assim a oitava história oficial de Harry Potter, agora um adulto a trabalhar no Ministério da Magia e a ter de lidar com a adolescência dos seus filhos. J. K. Rowling disse, na altura, que estava «confiante de que, quando o público visse a peça, iria concordar que aquele era o único meio adequado à história».

Não tendo visto a peça, não posso opinar sobre a mesma, mas acredito que os atores e toda a envolvência cénica acrescentarão uma profundidade e um conteúdo extra ao guião, dando-lhe, acima de tudo, a tridimensionalidade das personagens que por vezes me faltou na leitura desta obra. Porque, apesar de ser claramente uma história mágica e com um dedinho da incrível imaginação de J. K. Rowling, nas folhas do livro falta toda a componente narrativa que descrevia os pensamentos, as emoções e o carácter do Harry. Desta forma, ficamos muitas vezes a pensar porque é que as personagens (as novas, como Albus e Scorpius, e as antigas, o Harry, o Ron, a Hermione e o Draco crescidos) fazem o que fazem, o que está por detrás das suas ações e dos seus pensamentos. Um exemplo claro é o início da história e a seleção de Albus para os Slytherin – quem leu o livro Harry Potter e a Pedra Filosofal sabe bem que o Chapéu Selecionador tem em conta os sentimentos e as escolhas dos alunos; no entanto, nesta obra, a seleção foi muito rápida, muito apressada e quase descartada como irrelevante, quando na verdade é ela que molda grande parte do percurso da história, já que Albus se sente à parte da sua família por causa desta questão. Todo o percurso de Albus até ao quarto ano, e consequente degradação da relação com o seu pai, é, aliás, encarada muito superficialmente, o que me fez distanciar-me desta personagem.

Tive também alguma dificuldade em criar empatia com as personagens adultas: Harry tornou-se mais severo e rígido do que toda a sua história fazia prever, Ron serve apenas como comic relief, Hermione não acrescenta grande coisa à história e o papel de Ginny é perfeitamente secundário. Ganha pontos Draco Malfoy, com uma história vivida no interregno temporal e que é abordada, para efeitos que história, fornecendo-lhe profundidade. Draco cresceu e evoluiu de uma forma que me pareceu condigna com o final da sua personagem nos Talismãs da Morte.

Apesar de um pouco apressada no início, e da falta de alguns pormenores que me pareciam importantes esclarecer para melhor compreendermos as personagens, a verdade é que a história vai ganhando um ritmo interessante, com conteúdo, melhorando a cada página. E termina com aquela sensação que todos os livros do Harry nos deixaram: podem acontecer coisas terríveis, mas a vida continua e o dia de amanhã será sempre melhor. E, no fim, o melhor que temos são mesmo os amigos e a família. Mesmo quando demoramos a entender-nos uns com os outros.

Um livro que me confortou e que agradará a qualquer pessoa que goste de Harry Potter e queira saber mais um pouco da história. Aos fãs mais acérrimos – para os quais não devem haver variações aos livros originais, nem sequer as adaptações para filmes – então não recomendo este livro, uma vez que é preciso lê-lo com mente e coração abertos, sabendo que pode haver coisas muito diferentes das que imaginámos. No fundo, surpresas são um dos pontos fortes de J. K. Rowling e Jack Thorne captou muito bem esse espírito com este Harry Potter and the cursed child – Parts I & II.

 

*A obra em português, editada pela Editorial Presença, tem o título Harry Potter e a Criança Amaldiçoada – Partes 1 & 2, mas aqui mantive o título original em inglês, pois foi nesta língua que li esta obra.