Category Archives: ENTREVISTAS

Entrevista a Catarina Nunes de Almeida

por Sofia Pereira

Catarina Nunes de Almeida nasceu em Lisboa, em 1982. Licenciada em Língua e Cultura Portuguesas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ensinou, entre 2007 e 2009, Língua Portuguesa na Universidade de Pisa. Em 2012, concluiu, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, uma Tese de Doutoramento intitulada «Migração Silenciosa – Marcas do Pensamento Estético do Extremo Oriente na Poesia Portuguesa Contemporânea» e, atualmente, trabalha num projeto de investigação de Pós-Doutoramento no Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também no âmbito do Orientalismo Português. A sua ligação à poesia iniciou-se com a publicação de poemas em revistas literárias portuguesas e estrangeiras e a participação em diversos encontros internacionais de poesia. Tem cinco livros de poesia publicados –  Prefloração (2006), A Metamorfose das Plantas dos Pés (2008), Bailias (2010), Marsupial (2014), Achamento (2015) –  e um dirigido ao público infantojuvenil – O dom da palavra (2016).

A Fábulas entrevistou a autora. Catarina, que desde cedo manifestou um enorme fascínio pelo Teatro e pela Literatura, tendo frequentado diversos cursos e oficinas criativas, fala-nos do seu gosto pela poesia e do seu percurso literário.

Que papel desempenha a poesia na sua vida?
Não desempenha um papel. Quando muito a poesia está na assistência. Umas vezes aplaude-a de pé, outras levanta-se e vai-se embora. Quando leio um poema (ou escrevo) agrada-me sobretudo aquela sensação de poder entrar onde não há tempo. Num haiku, por exemplo, nunca sei se me demoro por quinze segundos, se por quinze séculos. Isto é o que me faz bem na poesia, ir para fora de pé e afogar-me.

Muitos estudos psicológicos concluem que a poesia pode ter maiores benefícios para o bem-estar do ser humano do que os livros de autoajuda. Concorda?
Esses estudos deixam-me arrepiada. É uma visão muito utilitarista da poesia, que sinceramente não me interessa. Talvez possamos dizer, invertendo um pouco os termos, que cada poeta escreve o seu próprio livro de autoajuda. Mas sabendo de antemão que no final não salvará ninguém, nem sequer a si próprio.

Em que momento da sua vida surgiu o encanto pela leitura e pela escrita de poesia?
O amor pela leitura e pela escrita nasceu antes de saber ler ou escrever. Os livros de histórias interessaram-me sempre e eu gostava de os receber, gostava que os adultos mos lessem. Outras vezes imaginava, inventava a partir das ilustrações, como qualquer criança. Também era uma grande criadora de dramas e tragédias para as minhas bonecas. A escrita ia aparecendo assim: frases ou cantilenas que se inscreviam nos meus pensamentos. Neste aspeto, o contacto com a natureza, nos verões com os meus avós, foi muito importante para tornar os meus sentidos disponíveis. Observar os adultos era uma coisa que adorava. É importante que uma criança aprenda a ver além do que é objetivamente visível e lhe seja dado espaço para partilhar as suas descobertas – por mais simples e comuns, devem ser recebidas como coisas raras. Assim uma criança vai aprendendo a colecionar os seus pequenos milagres e a pensar com poesia.

É uma autora da novíssima poesia portuguesa. Há uma proximidade em estilo nos novos poetas contemporâneos?
Do lado de dentro é difícil ter uma visão do conjunto. Haverá coincidências em certas angústias que perpassam a nossa geração, no ritmo da escrita (que reflete o da própria vida), nos espaços das cidades que partilhamos e que coabitam vários poemas. Porém, não existe atualmente um movimento estético organizado que reúna várias vozes como os que existiram noutros momentos.

Quando lemos os seus livros, facilmente percebemos que há uma forte ligação ao Oriente. Como surgiu esse fascínio?
O interesse pelo Extremo Oriente foi crescendo à medida que desenvolvia a minha investigação de doutoramento. Esse interesse, que começou por ser puramente estético – pela poesia e pela arte –, rapidamente se transformou num interesse espiritual. Certos aspetos da tradição budista foram ao encontro de questões profundas, silenciosas, que estavam comigo há muito tempo. E à medida que avanço em leituras – ou que pratico exercícios como a meditação – o meu entendimento do mundo transforma-se e a escrita também se transforma. Todo este processo está ainda muito ativo e tem abalado poderosamente a minha estrutura, mas descrevê-lo é quase impossível.

Com O dom da palavra estreia-se na literatura para crianças e jovens, criando «uma espécie de poema contínuo, escrito sob a forma de diálogos». Fale-nos um pouco sobre este livro.
O João Concha, que ilustrou este livro e foi também o seu editor, convidou-me um ano antes para escrever o número seguinte da Colecção Alice (Não Edições), criada a pensar em miúdos mais ou menos graúdos. A ideia era fazer qualquer coisa que se aproximasse mais da poesia, algo que me pareceu bastante difícil. Mas sou amiga do João há muito tempo e sinto imensa afinidade com o seu trabalho – tínhamos, aliás, já colaborado num projeto antes deste, embora não tenha saído da gaveta –, pelo que lá me enchi de coragem. Tinha uma fonte riquíssima lá em casa, o meu filho, a quem acabei por dedicar o livro. As crianças são uma espécie de reis Midas da linguagem: quase todas as palavras que proferem se transformam em ouro. Passei a fazer esse exercício de o escutar com mais atenção do que nunca, de me concentrar na essência das suas perguntas, das suas inquietações, na forma como reconstruía os conceitos, o discurso. E foi um exercício que nunca mais abandonei, porque me faz visitar uma série de raízes: as da minha própria linguagem, as das minhas ideias e as dos meus afetos.

Podemos identificar versos e imagens de outros poetas na sua poesia?
Sim, isso acontece, como é natural. Todos nós temos mestres e entramos em diálogo com eles – algumas vezes essas referências transparecem de forma evidente, outras vezes são mais subtis. Também já aconteceu esses ecos revelarem-se mais tarde, quando releio um poema publicado há algum tempo. Isso mostra que essa revisitação é também um processo inconsciente. Portanto, prefiro não destacar (ou destapar) aqui nenhum nome.

Como é o seu processo de criação artística?
Nada organizado. Posso passar várias semanas sem escrever um verso e a certa altura ser atravessada por ele (ou por uma imagem antes dele) e no momento mais inoportuno. É comum guardar fragmentos no telemóvel, nos rascunhos das sms. Ultimamente, os poemas saem dum só jorro, por vezes até difícil de acompanhar só tendo duas mãos. Depois volto a eles, claro, para os limar, mas cada vez menos. Para os meus três primeiros livros escrevia sempre os poemas em caderninhos. O acto de me sentar a um computador inibia a fluidez e o despojamento de que eu precisava. Além de que, alguns versos deixados de lado, por vezes encontravam salvação numa segunda ou terceira leitura. Depois, aos poucos, fui-me habituando, porque passei a estar mais tempo a trabalhar ao computador e, por vezes, para não deixar fugir um verso, acomodava-o logo ali no documento ao lado. Já no que respeita à relação entre os poemas, quando se entra na fase de escrever o livro propriamente dito, com uma estrutura pensada, o computador facilita um pouco. Quando publico um livro, geralmente nos tempos que se seguem ando muito às cegas, não encontro logo um fio condutor a partir do qual escrever. Mas quando ele me aparece, nunca mais o largo: sei que vou escrever um livro e não uma coletânea de poemas.

 

Anúncios

Desassossegos, curiosidades e inquietações na literatura: entrevista ao escritor Paulo Kellerman

paulo-kellerman

(c) Ricardo Graça

por Sofia Pereira

Paulo Kellerman nasceu em Leiria, em 1974. Editou, em edições artesanais e limitadas de autor, Livro de Estórias (1999), Dicionário (2000), Sete (2000), Uma Pequena Nuvem Solitária perdida no Imenso Azul do Céu (2001), Fascículo (2002 a 2005, 75 edições), Da Vida e da Morte (2005). Foi um dos responsáveis pela conceção e edição da revista literária Cadernos do Alinhavar e é autor do blogue A Gaveta do Paulo. Participa na organização de diferentes eventos e iniciativas culturais.

A Fábulas entrevistou o escritor. Paulo Kellerman fala-nos do seu percurso e gostos literários, do universo dos seus livros e da importância da literatura na vida de todos nós.

Como surgiu o gosto pela escrita?
Na escola, quando percebi o alcance da palavra escrita. Os professores liam textos meus à turma e havia sempre grandes reações, geralmente de riso porque eram textos com algo de humorístico. E eu, num canto, assistia ao poder que essas palavras tinham, as reações que causavam. Não era eu que desencadeava as reações, eram as minhas palavras. Essa descoberta foi determinante.

Lembra-se do primeiro livro que leu na infância?
Não lembro. As recordações mais fortes e antigas referem-se aos Cinco, mas certamente que terei lido muitos livros antes; contudo, não tenho memória dessas leituras.

Qual a importância de A Gaveta do Paulo?
O blogue foi criado em sequência da publicação do livro Gastar Palavras, em 2005. Alguns dos contos que tinha pré-selecionado para esse livro acabaram por ficar de fora e criei o blogue para os divulgar. A partir daí, a Gaveta ganhou uma enorme importância; os livros que fui publicando foram sendo alinhavados e pré-publicados no blogue, conto a conto, permitindo-me um contacto imediato com os leitores, uma interatividade muito estimulante e enriquecedora. Foi tornando-se um sítio de experimentação e partilha, de crescimento, de liberdade. Mais tarde, com a explosão das redes sociais, os blogues tornaram-se menos apetecíveis para muita gente, mas a Gaveta continua a ser um local especial para mim.

Miniaturas, como o título sugere, é um livro de pequenas histórias, num total de cinquenta e seis, recheadas de humor. Considera que o humor pode ser uma forma de nos aliviar das vicissitudes da vida?
O humor pode ser uma distração poderosa. Mas também pode ser uma forma muito incisiva de nos fazer pensar, de nos confrontar, de nos agitar.

A morte, a solidão ou o confronto interior são alguns dos temas presentes no livro Gastar Palavras. É seu objetivo levar os leitores a identificarem-se e a refletirem sobre as emoções e os pensamentos inerentes a todo o ser humano?
O objetivo é confrontar o leitor consigo próprio e desassossegá-lo. Já percebi que muitos leitores procuram na literatura uma possibilidade de fuga ou de sonho, ou até respostas para as suas inquietações. Mas os escritores que julgam ter respostas ou soluções assustam-me um bocado. Prefiro causar alguma inquietação, algum desconforto; porque é o desconforto que nos impele a avançar, arriscar, tentar. Quando estamos confortáveis, tendemos a ficar quietinhos.

Os Mundos Separados Que Partilhamos narra, num tom intimista, situações e momentos contaminados por solidões, cumplicidades, melancolias e obsessões. Podemos ver nele um retrato da sociedade dos dias de hoje?
Para quem escreve, a observação é fundamental. E um texto inclui, consciente ou inconscientemente, muito do que é observado. Um texto será uma mistura de observação, reflexão, imaginação e vivência; nesse sentido, será sempre um retrato da contemporaneidade do autor. Mesmo que se escreva ficção científica ou romance histórico.

Mente-me e seremos mais felizes é o título de um dos seus e-books. Nele, podemos encontrar a estória «Toda a gente sabe que o facebook é uma treta». Considera que as redes sociais podem ser prejudiciais para os relacionamentos?
As redes sociais têm potencialidades extraordinárias mas também assustadoras. Por esta altura, é impossível pensar em redes sociais e não lembrar o que o Trump faz neste âmbito, a forma como manipula a realidade usando o Twitter.

Silêncios entre Nós é um livro que, à semelhança dos anteriores, aborda as relações humanas no mundo contemporâneo. O silêncio pode ser audível?
O silêncio pode ser tão ruidoso que é capaz de nos ensurdecer. Devia haver nas escolas, juntamente com o português, a matemática e a educação física, uma disciplina que ensinasse como lidar com o silêncio, como aprender a geri-lo e até a saboreá-lo.

Chega de Fado é um ato revolucionário?
Neste país de consensos meio podres e quase sempre aparentes, dizer que não se gosta de fado é quase um ato de rebeldia. E, por acaso, não gosto mesmo nada de fado. Mas o fado a que se refere o título não é o género musical, é antes aquele espírito de ladainha e lamentação, de conformismo, de lamuria e queixa, que caracteriza tantos discursos e posturas. E nesse sentido, sim: chega de fado.

O Céu das Mães é o seu primeiro livro infantojuvenil, com ilustrações de Rute Reimão. Trata um tema difícil e pouco abordado na literatura para crianças: a perda. Conta a história de um menino que perdeu a mãe e que é confrontado com uma afirmação muitas vezes escutada: «a tua mãe está no céu». Considera que os livros podem ajudar a explicar a morte às crianças?
Mais do que explicar, talvez os livros possam ajudar a lidar com emoções. E não gosto muito da literatura que tenta dar respostas ou explicações, da literatura com lições ou moralismos. Parece-me bem mais enriquecedor quando suscita questões, desassossegos, curiosidades, inquietações. Quando tira o sono, em vez de adormecer.

Com o livro Serviços Mínimos de Felicidade deu o salto da escrita de contos para o romance. Somos comodamente felizes ou ambicionamos uma felicidade esplêndida e impossível de alcançar?
O desejo de uma felicidade esplêndida pode ter muitas formas e materializações, pode ser simplesmente aquilo a que chamamos sonhos; e se deixamos de sonhar, passamos a viver em função do que somos ou temos, não mudamos; não crescemos. Vivemos em serviços mínimos. Essa é uma das ideias presentes no livro: como reagir quando percebemos que deixámos de sonhar?

Muito recentemente, publicou mais um livro dirigido ao público mais novo: A tristeza dá fome, com ilustrações de Lisa Teles. Fale-nos um pouco desta história.
No final dos anos 90, tinha uma espécie de editora caseira, através da qual editava os meus próprios livros; eram edições artesanais, em que eu construía cada um dos exemplares dos livros; depois, oferecia-os. Fiz, deste modo, milhares de livrinhos. A Lisa é a responsável pela Escaravelho, uma editora que também tem uma componente muito importante de trabalho manual na conceção dos seus livros. E isso fascinou-me. Além disso, é uma ilustradora fantástica. Portanto, foi uma enorme honra colaborar com ela neste projeto, foi das aventuras mais fantásticas em que participei. Quanto à estória, nasceu da sugestão de uma aluna, numa visita a uma escola.

Foi autor e concebeu algumas exposições literárias como Foto estórias (2000), As Palavras do Olhar (2002), Pedaços de Literatura (2005) e Insignificâncias (2006). Quer partilhar connosco como foram essas experiências?
Todos esses projetos estiveram relacionados com a exploração do potencial entre texto e imagem, tendo criado contos originais a partir de fotos ou pinturas de diversas pessoas. A relação texto / imagem é algo que continua ainda hoje a apaixonar-me, assim como a possibilidade de colaboração e criação conjunta com autores das mais diversas áreas. A aventura mais recente neste domínio é um blogue chamado Fotografar Palavras, criado há alguns meses. Mas desses projetos de início do século, o que melhor recordo foi uma exposição que criei (e que depois deu origem a um e-book) chamada Sincronismos (2002); marcou-me particularmente porque foi o único trabalho onde, além do conceito e do texto, também concebi as imagens.

sincronismoExposição Sincronismo

Quando lemos os seus livros, percebemos que a escrita é sempre muito fluida e de leitura fácil, mas não deixa de ser inquietante. Tem a ver com as temáticas abordadas ou é um estilo próprio?
Tem a ver com um estilo próprio, com opções técnicas. Sempre fiz experiências do ponto de vista técnico, sempre me testei e me desafiei, sempre refleti sobre a dimensão mais técnica da minha escrita. Existe uma dimensão instintiva e incontrolável na escrita, mas também é fundamental o trabalho puramente técnico de depuração, de análise e corte, de adequação; e este trabalho está em evolução constante, é sempre melhorável.

Ao longo da sua carreira, já foi distinguido com alguns prémios literários. Como encara todo esse reconhecimento?
Encaro como um incentivo, sinto-me agradecido e responsabilizado. Depois, esqueço e continuo a fazer o que tenho a fazer.

É notória a relação de proximidade que mantém com os seus leitores. Como o faz? Provoca isso mesmo ou é a própria ambiência da escrita que a suscita?
Talvez tenha a ver com o facto de encarar a literatura como algo natural e não uma espécie de dádiva divina apenas ao alcance de meia dúzia de privilegiados, como por vezes acontece com alguns escritores. Gosto quando escritor e leitor estão ao mesmo nível, e ambos podem partilhar algo. É possível que a relação de proximidade nasça daí.

Conte-nos uma situação vivida num encontro com os seus leitores e tenha sido particularmente especial.
As idas a escolas são sempre momentos intensos. Houve, por exemplo, situações tremendas em idas a escolas de 1º ciclo para falar sobre o primeiro livro infantil, que conta a estória de um menino que não tem mãe, e onde convivi com meninos que não têm mãe. Uma das experiências mais tremendas que tive foi numa ida a uma prisão, onde estive duas ou três horas com presos que não me conheciam de lado nenhum, nem tinham tido qualquer contacto com o meu trabalho. Mas nos encontros mais convencionais com leitores também acontece todo o tipo de coisa, desde pedidos concretos de conselhos a ameaças de ser processado por ter uma escrita indecente e perturbadora.

Como tem sido a receção dos leitores à sua escrita?
Importante é existir reação, o que custa é a indiferença. As reações vão sendo boas ou más mas geralmente fortes, e isso é que importa. Se fosse como naqueles inquéritos que fazem aos serviços de comunicações, preferia ser avaliado com 1 ou 10, e não 5.

Onde e quando é que gosta mais de escrever?
Não tenho rituais de escrita nem grandes exigências. Preciso apenas de ter um desejo genuíno de escrever, um desejo que por vezes é uma necessidade. E mesmo que as mãos não estejam a teclar ou a rabiscar, a mente está muitas vezes a escrever. Durante a condução, por exemplo.

Qual foi o último livro que leu?
O meu nome é Lucy Barton, de Elizabeth Strout.

Se fosse uma personagem literária, qual seria? E porquê?
Tom Sawyer. Foi uma personagem que marcou muito a minha infância, através da série que passava na televisão nos anos oitenta. Na altura não fazia ideia que tinha origem num livro. Nunca quis ser bombeiro ou piloto ou super-herói. Queria ser o Tom Sawyer.

Os livros podem ser amores de perdição, ora porque nos cativam e relemos vezes sem conta, ora porque nos desapontam e nunca mais os voltamos a ler. Fale-nos de um livro que o tenha marcado e daquele que, de alguma forma, o desiludiu.
Os livros não desiludem, eu é que me desiludo porque tenho entusiasmos e expectativas irrealistas. Acontece com frequência. A última vez foi com o último livro que li: O meu nome é Lucy Barton, de Elizabeth Strout. Quanto a livros marcantes, prefiro aqueles que deixam marcas subtis, por vezes inconscientes, ou apenas percetíveis com o tempo. O Albert Cossery dizia: «Se um determinado livro não tiver sobre o leitor um tal impacto que no dia seguinte ele deixe de ir ao emprego, esse livro nada vale.» Não concordo muito com isto, se uma pessoa precisa de um livro para mudar de vida, algo me parece errado. Acredito mais que dezenas de livros ao longo de anos possam fazer alguém mudar a perspetiva, mudar o foco; na verdade, a literatura serve para isso mesmo, é essa uma das suas riquezas: proporcionar novos focos, novos ângulos.

Qual o/a escritor/a que convidaria para jantar? Porquê?
Elena Ferrante. Porque gosto bastante dos seus livros e porque a própria autora em si é uma espécie de personagem literária. Seria muito interessante tentar perceber onde começa a realidade e termina a ficção.

Que conselhos daria a um jovem que quisesse gastar as palavras na publicação de um livro?
Surpreende-me quando encontro pessoas que desejam escrever mas não leem. É fundamental, é o primeiro passo: ler. Descobrir, perceber, saborear, aprender através do que se lê. A leitura é o oxigénio de quem escreve, ou pelo menos um dos oxigénios. Também importa ser curioso, fazer questões e ter inquietações, imaginar, ter vontade de observar o mundo com um olhar diferente do que se usa habitualmente. Não ter medo de arriscar.

Podemos esperar a publicação de novos livros para breve?
Publiquei dois livros no espaço de três meses. Agora, é tempo de acalmar um pouco.

Afonso Cruz, o escritor que pergunta, compreende e sente

afonso-cruz_copyright_paulo-sousa-coelho(c) Paulo Sousa Coelho

Escritor, ilustrador, cineasta, ilustrador e ainda músico na banda The Soaked Lamb, Afonso Cruz é um dos mais interessantes autores portugueses da atualidade. Nasceu em julho de 1971, na Figueira da Foz e frequentou a Escola António Arroio, a Faculdade de Belas-Artes de Lisboa e o Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira. Apaixonado por viagens, publicou o seu primeiro romance em 2008 e, desde então, a escrita tem sido o combustível da sua vida, com livros muito inspiradores. Ao longo da sua carreira, foi já distinguido com diversos prémios e galardões literários e viu a sua obra chegar além-fronteiras, a países como Brasil, Bulgária, Canadá, Colômbia, Croácia, Eslováquia, Espanha, França, Hungria, Itália, Macedónia, Polónia, Sérvia, República Checa e Turquia.

A Fábulas entrevistou o escritor. Afonso Cruz, muito atento à realidade que o rodeia, fala-nos do seu percurso como autor de livros para todos os leitores – crianças,  jovens e adultos – e da sua paixão pelo mundo das artes.

Considera que tem sido dado espaço suficiente à literatura em Portugal?
Creio que os escritores esperam sempre mais. O suficiente é uma palavra terrível, que implica a sensação de que nos acomodamos ao mundo tal como ele nos é dado. Há sempre muito mais a fazer, muitas milhas a percorrer.

Sabemos que todos os escritores têm autores de referência. Quais são os seus?
Vários, evidentemente. Sem ser fastidioso e exibir uma lista, refiro três: Saint-Exupéry, Kazantzakis e Dostoievsky.

É escritor, ilustrador, músico e cineasta. Em que mundo vive melhor?
Depende das alturas, mas passo mais tempo a escrever. Todas essas áreas me preenchem de maneira diferente, e não abdicaria de nenhuma, mas a escrita faz-me viver de um modo mais completo, uma vez que passo mais tempo com ela.

Quando lemos os seus livros, ficámos com a ideia de que é um leitor nato e compulsivo. Lê desde muito cedo? E como começou a ter acesso aos livros?
Leio muito, sim, e não escreveria se não lesse. Não sei ao certo quando comecei a ler nem quando me tornei leitor, mas os livros que li na adolescência marcaram-me muito, em especial os livros que eram do meu pai. Ao pegar em livros que não eram dirigidos especificamente para crianças, entrei noutro mundo. Costumo dizer que a a grande viragem da minha adolescência não aconteceu por causa das hormonas, mas da literatura.

Qual foi o livro que mais o marcou em criança? Porquê?
Em criança, não sei. Mais tarde, aos doze anos, li um livro de Dostoievsky que marcou muito a minha vida enquanto leitor. Era um conto chamado O sonho de um homem ridículo. Também, ao mesmo tempo, com a bd, comecei a ler outras coisas, como os livros de Hugo Pratt. O desenho, que fugia a normas convencionais, foi uma revelação. Com Dostoievsky identifiquei-me com a responsabilidade de cada um e com a importância do julgamento interior para as nossas vidas.

Como surgiu a paixão pela escrita?
Muito mais tarde, nunca pensei em ser escritor, mas acho que, a certa altura, tudo o que tinha lido começou a derramar-se, a tornar-se visível. Foi mais ou menos natural, sem que o que tivesse planeado, assim como uma criança começa a falar.

Lembra-se do primeiro texto que escreveu?
Quando viajava, porque não levava máquina fotográfica, escrevia muito daquilo que vivenciava em pequenos blocos que guardava no bolso das calças e que me ajudavam a reter experiências, permitiam-me gravar, não com imagens, mas com palavras, o que via e sentia.

Tem livros dirigidos a diferentes públicos. Prefere escrever livros para adultos ou para os leitores mais novos? Porquê?
Não penso nisso. Escrevo livros que depois encontram o seu público, os seus leitores. Tenho uma ideia, tento concretizá-la o melhor que sei, da maneira que considero mais eficiente. Por vezes, inclui crianças, outras não.

As recordações que tem da infância passada em Buarcos, Figueira da Foz, influenciaram a escrita de Mar?
Algumas, sim. O mar é uma presença constante na Figueira. Em casa dos meus avós, de manhã, era a primeira coisa que via quando olhava pela janela. Há pouco tempo escrevi uma frase, num livro: «Como é que um mar tão grande cabe numa janela tão pequena?» Eram as minhas manhãs, a olhar para aquele gigante que entrava pela casa, pela janela mais pequena e enchia tudo. Outras coisas foram também importantes, temas omnipresentes, que fazem parte do imaginário da Figueira da Foz. A pesca do bacalhau, por exemplo, é matéria romanesca pura. A meio da escrita do volume Mar, pedi a uma jornalista figueirense, a Andreia, para me enviar uma entrevista que ela tinha feito a um velho capitão da pesca do bacalhau e ponderei pedir-lhe permissão para a publicar na íntegra nesse volume da Enciclopédia da Estória Universal. Só desisti, por não ser o espírito do livro, que é acima de tudo ficcional.

O amor, o passado e a morte são temas nucleares das suas histórias. A escolha destes assuntos deve-se ao facto de fazerem, inevitavelmente, parte integrante da nossa existência?
Claro, são grandes temas. Na verdade, acho que são os temas de toda a literatura. Ao falar da humanidade, inevitavelmente tocamos, abordamos, aprofundamos esses assuntos, que, na prática estão interligados e em certas situações chegam a confundir-se.

Na sua obra, é percetível um enorme fascínio pela religião. A que se deve esse interesse?
Falo de religião, mas não creio falar mais de religião do que de ciência, filosofia ou arte. São maneiras de compreender o universo. Não faz sentido alhearmo-nos de algumas delas. A religião é mais uma ferramenta, ainda que esteja cada vez mais em desuso e desacreditada como forma de entender a vida. No entanto, não perdeu pertinência.

«Quando Deus fecha uma porta, abre-nos um livro». Esta é uma das frases que podemos ler em Jesus Cristo Bebia Cerveja. Considera que a literatura permite-nos viajar, descobrir novos mundos e viver experiências interessantes sem sairmos do mesmo lugar?
A leitura não substitui a viagem física, assim como a viagem não substitui a leitura, apesar de terem alguns pontos comuns. Em ambas podemos experimentar novos mundos e perspetivas, por vezes importantes, outras vezes banais, mas também belos, incómodos, gratificantes, dolorosos, prazerosos. Mas, sobretudo, permitem vários ângulos de visão, novas maneiras de compreender, de aceitar, de execrar.

Para onde vão os guarda-chuvas é um livro que coloca questões, procura explicar o que nos rodeia e estimula a pensar. Como surgiu também o seu interesse pelo mundo da filosofia?
Gosto, como tanta gente, de tentar perceber o mundo que me rodeia. Como uma criança fascinada por um brinquedo, tento abri-lo para ver como funciona, e nesse processo, leio o que posso sobre o que outros têm ou tiveram a dizer sobre isso. A filosofia, assim como a arte e a literatura, são formas de chegar mais longe, de abrir o mundo e tentar perceber as engrenagens que se escondem por debaixo da superfície. Olhar para a vida sem que nos interroguemos, ou a pensemos, é renunciar a uma boa parte da nossa humanidade.

Flores conta a história de um homem que perde a sua memória afetiva e, perante a impossibilidade de a resgatar, procura reinventá-la. Dependemos dos outros para conservar as nossas memórias?
Dependemos dos outros para tudo. A nossa tragédia e felicidade está nos outros. Ninguém existe sem ser percebido, sem ser tocado.

E o escritor, como tem a capacidade de chegar a um maior número de pessoas, tem a responsabilidade de preservar a memória?
O escritor não tem responsabilidade nenhuma, para além da de um cidadão comum. Qualquer coisa imputada a um escritor limita, evidentemente, a sua liberdade e eventualmente a sua criatividade. A preservação da memória é mais um trabalho de um historiador ou de um arqueólogo, mais de um cientista do que de um escritor, cuja matéria-prima é acima de tudo a ficção. Não quer dizer, que, em muitos livros, isso não seja feito de forma admirável. Mas não é um dever.

No livro A Cruzada das Crianças, convida-nos a viajar para o mundo das crianças e lembra-nos que também elas têm sonhos – por vezes, os de tantos adultos – e que há momentos na vida em que é necessário um manifesto, para conseguir alcançar aquilo que desejamos. Deixou algum sonho de criança por realizar? E, hoje, é um sonhador?
Sou otimista. Não gosto nada dos discursos, sejam de direita ou de esquerda, sobre o anúncio do fim dos tempos, da derrocada, do abismo: o estertor do comunismo, o fim do capitalismo, o romance esgotado, a geração vazia e sem propósito (como se tivesse existido uma geração qualquer que não tivesse considerado isso em relação à geração seguinte). Mário de Sá Carneiro, quando tinha dezassete anos, escreveu um conto em que não havia nada mais para descobrir exceto a morte. Basta olhar para o século XX, para perceber tudo o que foi descoberto desde então. Há pouco tempo descobriram uma nova espécie de baleia. Não foi um inseto na Amazônia, foi um mamífero gigante. Há muito para sonhar e para descobrir. Mário de Sá Carneiro, não era um velho desistente quando escreveu esse conto, tinha dezassete anos, mas este é um discurso presente em todas as gerações, no seio do modernismo ou na China de há dois mil e quinhentos anos.

Nem todas as baleias voam é o título do seu último livro, inspirado no projeto «Jazz Ambassadors», e apresenta-se como uma reflexão sobre a vida, a morte e a arte. Considera que a arte, neste caso a música, pode ter um papel importante para transformar o mundo?
Sim. A música, de uma maneira mais imediata, pode fazer mudar muita coisa, basta ver como nos move, como faz encher estádios, como arrasta multidões e põe pessoas a dançar e a gritar em uníssono. Há um poder catártico e avassalador na música, um fenómeno mais difícil ou impossível de conseguir com outras artes, que não deixam de ser igualmente eficientes e marcantes, mas cujo impacto nos fruidores é feito de maneira diferente. Em todo o caso, independentemente do meio de expressão, a cultura é essencial para a sociedade, para a sustentar, mas principalmente para a mudar e melhorar.

Ao longo da sua carreira, recebeu já várias distinções e prémios literários. Enciclopédia da Estória Universal é distinguida com o Grande Prémio de Conto Castelo Branco, em 2009. O livro A Boneca de Kokoschka vence o Prémio da União Europeia de Literatura, em 2012. Recebeu, ainda, o Prémio Autores da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), em 2011 e 2014, e o Prémio Nacional de Ilustração, em 2014. A obra Os livros que devoraram o meu pai é distinguida com o Prémio Literário Maria Rosa Colaço e A contradição humana vence o Prémio Autores SPA/RTP. O romance Jesus Cristo Bebia Cerveja, editado em 2012, é distinguido com o Prémio Time Out – Livro do Ano e Para onde vão os guarda-chuvas, publicado em 2013, com o Prémio Autores SPA na categoria Melhor Livro de Ficção. Muito recentemente, o romance Flores vence o Prémio Literário Fernando Namora, em 2016. Como encara todo este reconhecimento?
Com alegria. É sempre gratificante saber que alguém acha que o nosso trabalho é meritório, independentemente da subjetividade inerente. Os prémios, para quem vem de fora do meio, são especialmente importantes. Apontam para os nossos livros e fazem com que não sejam tão facilmente ignorados, quer pelos media, quer pelos leitores.

Muitas vezes, notamos que há uma certa dificuldade em escolher um livro para oferecer às crianças. O Plano Nacional de Leitura, em parceria com a Rede de Bibliotecas Escolares e as Bibliotecas Municipais, desempenha um papel fundamental na promoção da leitura. Acha que o objetivo está a ser cumprido?
Sim. Acho que é muito importante. Tenho conhecido pessoas incríveis, que têm atos superrogatórios e promovem a leitura com uma dedicação admirável. Quando apoiados por um plano ou instituição que os ajude, podemos efetivamente chegar mais longe em muito menos tempo.

Conte-nos uma situação que tenha vivido numa visita a uma Escola ou a uma Biblioteca e tenha sido particularmente especial.
Numa escola em Medellín, na Colômbia, um rapaz rapou o cabelo, pôs uma barba postiça e uma argola na orelha, para ficar parecido comigo. Havia centenas de crianças à minha espera, mas este sósia, que dizia ser o meu maior fã, deixou-me verdadeiramente surpreendido.

 img_1500

Escreve todos os dias? Por prazer ou por necessidade?
Escrevo quando tenho algo para escrever. Espero que seja todos os dias, mas por vezes não acontece. De qualquer modo, prazer e necessidade confundem-se.

Tem algum ritual de escrita?
Escrevo em qualquer lugar e a qualquer hora. Mas prefiro escrever à noite, quando tenho mais silêncio e menos interrupções. Ninguém me liga, me envia e-mails. A noite é, também, pelo meu ritmo biológico, o momento em que me sinto mais confortável. Escrevo sempre no computador ou no iPad.

Lembra-se do momento em que viu pela primeira vez um livro seu nas montras das livrarias? Descreva-nos como foi a sensação.
Não me lembro, o que deve querer dizer que não dei muita importância.

Podemos esperar a publicação de novos livros para breve?
Claro. Estou sempre a escrever.

Mais informações sobre o autor aqui.

 

 

Maria Inês Almeida, de jornalista a autora de livros infantojuvenis

Maria Inês de Almeida

por Sofia Pereira

Maria Inês Almeida nasceu a 25 de fevereiro de 1978, em Lisboa. Jornalista de formação, pela Universidade Católica Portuguesa, iniciou a sua carreira literária com a publicação de Contos pouco políticos, uma coletânea de histórias escritas por políticos, passando depois a publicar livros infantojuvenis da sua autoria.

A Fábulas entrevistou a escritora. Maria Inês Almeida, muito atenta às manifestações da infância  – desde a educação à ocupação dos tempos livres dos mais novos – e aos valores sociais, fala-nos do seu percurso como autora de livros para a infância e juventude, do mundo das crianças e da sua paixão pelo universo das letras e da escrita.

Todos conhecemos a Maria Inês como jornalista, mãe e blogger. Apresente-se como escritora.
Não me considero muito capaz de um autorretrato. É melhor pedirem a alguém que leia os meus livros!

Como foi trocar uma carreira dedicada à área do jornalismo pela literatura?
A vida vai-nos colocando caminhos pela frente e vamos fazendo opções. Mas não sinto que tenha sido uma troca absoluta, de virar costas totalmente ao jornalismo. Fui muito feliz no meu trabalho enquanto jornalista e sou igualmente feliz no meu trabalho como autora de livros infantojuvenis. Sinto-me bem a escrever para os mais novos. As crianças não se esquecem de sonhar, e isso é encantador. Gosto de criar projetos que possam marcar de alguma forma.

Coração de mãe nunca se engana é um livro de amor, é «a história da vida que todos os dias liga uma mãe a um filho». O José é a maior inspiração da sua vida?
Vamos sempre buscar inspiração a muitos lados. Procurando estar atenta às coisas e aos sinais que a realidade transmite, as ideias surgem naturalmente. Mas, sim, é verdade que encontro no meu filho uma grande fonte de inspiração. Por exemplo, o Quando Eu For… Grande partiu de uma ideia que o José, sem saber, me deu, por andar sempre a perguntar: «Quando eu for grande posso comer todas as pastilhas? Quando eu for grande vou saber onde está a porta da praia?». Para mim, neste projeto que são os livros, tudo se resume mais ao sentir e à intuição.

É inegável a sua paixão pela escrita de livros para crianças. Considera que a maternidade teve influência na escolha do seu registo?
Despertou-me ainda mais para isso, sim.

A Maria Inês escreveu três livros cujo protagonista da história tem o nome do seu filho: José. Podemos ver neles um retrato das suas traquinices e birras próprias da idade?
Não necessariamente. Na história José, come a sopa, este José não gosta de sopa… mas passa a gostar. O meu filho, por exemplo, sempre gostou de sopa (tenho sorte nesse aspeto).

«Um político é um pássaro com muitas cores». Foram estas as palavras genuínas de uma criança que a motivaram a abraçar o projeto Contos pouco políticos. Na sua opinião, é fácil falar sobre política às nossas crianças? Qual considera ser a melhor explicação para leitores tão pequenos?
Quando iniciei esse projeto ainda não era mãe, mas já era atenta às manifestações da infância. Claro que na cabeça  desta criança aquele político existiria tal como ela o descrevia. A minha preocupação com esse livro não foi tanto falar de política a crianças, mas sim aproximá-las dos políticos, para lhes mostrar uma faceta diferente, para lá da pose circunspeta, do discurso grave e das roupas cinzentas que estão habituadas a ver pela televisão. Queria que as crianças soubessem que nos políticos, à parte a sua função, pode permanecer uma dimensão de sonho e imaginação.

A aventura admirável de Malala é um livro que relembra, acima de tudo, os direitos das crianças, independentemente da raça, da religião, do sexo ou da origem social. Malala, pela sua coragem e resiliência, é um exemplo que deve estar presente na vida de todos, de modo a evitar que as crianças sejam desrespeitadas e/ou esquecidas?
Sim, e que todos os jovens se sensibilizem para a causa de Malala. Que todas as mulheres usufruam de liberdade e que todas as meninas possam ir à escola. Falar de Malala nos meios de comunicação é normal e importante, mas são coisas que às vezes se esquecem depressa. Haver um livro que também pode chegar a escolas, às famílias, pode ser igualmente determinante. O exemplo de Malala é encorajador para as crianças de todo o mundo.

Sabes que também podes ralhar com os teus pais? é uma história de afeto que ensina as crianças a não serem submissas. Defende a ideia de que, na relação diária com os pais, os filhos devem ter uma atitude assertiva, sem quebrar os laços de amor que os unem. Considera que é no ambiente familiar que se inicia o desenvolvimento das crianças enquanto cidadãos responsáveis, sociais, proativos e altruístas, sendo os pais os alicerces dessa educação, preparando-as para uma melhor vida adulta que as ajude a superar as adversidades e frustrações?
Nos livros Sabes que também podes ralhar com os teus pais? e Sabes onde é que os teus pais se conheceram?, o objetivo era promover o diálogo entre Pais e Filhos. Foi promover a pergunta. E a resposta. Acho que o futuro depende da maneira como formamos e educamos os nossos filhos, e por isso faço votos para que todos os que temos essa responsabilidade não nos esqueçamos disso. O primeiro livro corresponde a uma tentativa de levar as crianças a perceberem que têm direito a dizer do que gostam e do que não gostam. É até uma forma de crescer na responsabilidade. Mas é evidente que há modos de dizer as coisas.

9789897070181

Sabes onde é que os teus pais se conheceram? e Quando eu for… Grande são dois títulos que figuraram na lista «100 livros para o futuro», apresentada por Portugal como convidado de honra na Feira Internacional do Livro Infantil de Bolonha, em 2012. Como encarou esse reconhecimento?

Sabe sempre bem. Mas o trabalho continua.

   9789726508694    9789726509134

Amália Rodrigues, Almeida Garrett, Michael Jackson, Amélia Rey Colaço e Almada Negreiros fazem parte da coleção juvenil de biografias «Chamo-me…». Por que razão escolheu estas figuras da História? Há alguma biografia que ainda queira escrever?
São figuras interessantíssimas, cada uma à sua maneira. Merecem que, acerca delas, se transmita às crianças informação e conhecimento. Há sempre muitas figuras interessantes.

Em criança, sonhava ser alguma personagem literária?
Que me lembre, não.
9789720725264

Em parceria com Joaquim Vieira, é autora da coleção juvenil «Duarte e Maria», que já conta com seis volumes. Como surgiu este projeto?
O ponto de partida foi a nossa amizade. Depois de descobrirmos que, por coincidência, ambos tínhamos escrito biografias sobre as mesmas figuras (Almada Negreiros, Amália Rodrigues, por exemplo), o Joaquim para gente crescida, eu para jovens, achámos que valia a pena tentarmos um projeto comum de escrita. E assim nasceu a coleção «Duarte e Marta», proposta que a Porto Editora aceitou publicar. No ano passado, durante cinco semanas, um resumo do primeiro número da coleção foi oferecido com o Happy Meal da Mc Donald’s, o que nos deixou muito satisfeitos.

Conte-nos uma situação vivida num encontro com os pequenos leitores e tenha sido particularmente especial.
Todas as idas às escolas são especiais. Desde as histórias que eles também contam às perguntas que colocam ou até aos maravilhosos trabalhos que fazem e oferecem sobre os livros que leram.

Por que razão as crianças devem ler os seus livros?
As crianças só devem ler os meus livros se lhes apetecer. Mas a minha esperança é que com eles sintam que viajam e que sonham.

Onde e quando é que gosta mais de escrever?
Em casa, sossegada. De manhã.

Sabemos que todos os escritores têm os seus autores de referência. Têm também livros que, num momento da vida, voltam a reler ou permanecem na mesinha de cabeceira. Quais são os seus?
Uma pilha deles.

Podemos esperar a publicação de um novo livro para breve?
Sim. Mas não gosto de falar de novas edições antes do tempo.

Mais informações sobre a escritora aqui e aqui.

 

A livraria Livro Voador, em Matosinhos

1506070_662402347209995_3342501727097140700_n

por Catarina Araújo

Abriu em dezembro de 2014, ainda não tem um ano, mas já anda muito bem sobre as pernas. Damos hoje a conhecer a livraria infantil Livro Voador.

Apresente-se!
Chamo-me Eliana Miranda de Sousa e sou a proprietária, gerente, funcionária (uma espécie de santíssima trindade) da Livro Voador.

Porque resolveu abrir uma livraria infantil?
Formei-me (licenciatura e mestrado) em Arqueologia, área onde trabalhei durante alguns anos. Entretanto, a escassez de trabalho e o nascimento duma fabulosa menina (que já conta com 6 anos) muito curiosa, muito criativa (desenha que é uma dor para árvores, com tanto papel que gasta!), acrescido do meu gosto pela ilustração (há livros lindíssimos sem qualquer texto, que normalmente os adultos compram mais para eles), pelas histórias e o poder que elas têm na formação de todos durante a infância, levou-me a abrir esta livraria infantil, numa cidade onde ainda nada existia.

11904723_801661026617459_593597156708813896_n 11902458_801661063284122_8095307110921221812_n

Como desenvolveu o espaço?
O espaço é pequeno, simples, com umas cores suaves, tentando dar a sensação de que se está na sala de uma casa. Sempre foi esta a ideia, desde o início. Sem grandes distrações, para que os mais pequenitos levantem voo ao lerem ou ao ouvirem uma história. 

Como é a receção das pessoas? Como tem sido o impacto na vizinhança?
Tenho recebido muitos elogios, às vezes até sinto que é demais, tendo em conta a simplicidade do espaço. Muitos ficaram contentes por terem um espaço assim à porta de casa. Outros disseram que fazia mesmo falta uma livraria deste género em Matosinhos. Muitos vizinhos são já amigos, que por vezes só cá vêm falar um pouco, distraírem-se… Os pequenitos adoram parar aqui para desenhar e colocar a obra de arte deles na minha parede/galeria. E tenho clientes de longe (a cerca de 30 km daqui!) que já só compram aqui os livros… E, bem!… isto é quase comovente…

26

Que atividades desenvolve?
Horas do conto, workshops vários, yoga para crianças… tudo o que possa agradar às crianças e aos pais, e sempre pensando em «acrescentar algo mais» ao desenvolvimento dos mais novos.

35

Com tão poucos espaços dedicados exclusivamente aos livros para crianças que existem, em que medida é que a vossa livraria pode fazer a diferença, comparativamente com outras livrarias, espaços comerciais, etc.?
O nome Livro Voador surgiu porque acho que o livro é o melhor meio de transporte para se «viajar» (o logótipo, desenvolvido de uma ideia embrionária minha, é da Anabela Dias, uma ilustradora que faz desenhos lindos, já com bastante obra publicada, para além de ser uma excelente pessoa!). Não me refiro apenas à imaginação; refiro-me à viagem que é a vida, e tudo o que se desenvolve nela, principalmente a nível de valores, princípios, gostos. Tento, por isso, na seleção dos livros, escolher aqueles que de facto transmitem algo que importe, que fique, que se retenha (nem que seja uma imagem, apenas…).

Assim, cada vez que alguém (90% dos casos) me pede ajuda para escolher um livro, eu pergunto sempre a idade, se é menino ou menina, como é, do que gosta, como se chama (tenho uma lista de livros por nomes das personagens)… E eu acho que é aqui que a Livro Voador faz a diferença: conhecendo praticamente os livros todos que há à venda na livraria e tentando «acertar» no gosto de quem vai receber o livro, os clientes ficam satisfeitos, voltam e sugerem a Livro Voador a amigos, familiares e às escolas dos filhos (onde depois fazemos feirinhas do livro). E raríssimas foram as vezes que vieram trocar o livro que levaram.

Não sinto que tenha o perfil ideal de vendedora e detesto burocracias. Adoro falar das histórias, mostrar as ilustrações, falar dos talentosos e premiadíssimos ilustradores nacionais (muita gente fica espantada). Gosto de «pegar» numa criança que chegue à Livro Voador um pouco amuada, desanimada, apática, triste, e «dar-lhe a volta». Orgulhosamente já consegui (é mais fácil do que com os nossos, definitivamente!), e depois são eles que pedem aos pais para voltarem, quanto mais não seja por causa daquele pufe enorme cheio de animais coloridos para onde eles adoram saltar. E isto é mesmo muito bom; os dias de chuva e frio muitas vezes parecem um dia de praia…

E um convite aos nossos leitores!
Venham cá, ouvem boa música, leem livros cheios de cor e histórias engraçadas, e o cão e o gato também podem entrar!

www.facebook.com/livrovoador

Patrícia Ervilha, a escritora que explica às crianças o mundo dos crescidos

por Sofia Pereira

Não é a primeira vez que dedicamos a nossa atenção a Esta história não é para adultos, de Patrícia Ervilha. Já, no início das férias grandes, deixámos aqui a sugestão deste livro para os leitores mais pequenos.

Muito recentemente, foi publicada uma segunda edição desta encantadora história, com uma imagem renovada, mais viva e dinâmica, em que as ilustrações de João Nascimento estimulam a criatividade e despertam a sensibilidade estética de quem lê o livro.

A Fábulas entrevistou a autora do livro. Socióloga, consultora, formadora e escritora, Patrícia Ervilha manifestou desde cedo um interesse pelo mundo das letras e dos livros. Nesta entrevista, fala-nos do seu livro, das crianças e da sua paixão pela escrita.

Esta história não é para adultos é o título do seu primeiro livro, apresentado em fevereiro deste ano. Como surgiu a ideia de escrever uma história para crianças?
Sempre gostei de escrever. E sempre escrevi. Aventurar-me num livro demorou mais um pouco. A história surgiu muito naturalmente, quase como um reviver da minha própria infância. Quem nos permite esse reviver são, sem dúvida, os nossos filhos e sobrinhos e amigos dos filhos… e por aí fora. Acredito que sem crianças à nossa roda é difícil escrevermos sobre elas e para elas.

Este livro é uma história sobre famílias e sobre as relações sociais, e pode ajudar a encontrar a felicidade nos pequenos momentos da vida. Na sua opinião, como podemos preparar as nossas crianças para se sentirem bem consigo próprias, com o Outro e com o Mundo, compreendendo que o mais importante pode estar nos pequenos detalhes?
É uma travessia permanente. Acredito que tem que iniciar muito cedo e que deve ser o mais natural possível. Ou seja, se eu não sou tolerante não vou educar o meu filho na tolerância. Nós não podemos educar as nossas crianças para um bem estar consigo e com os outros se não promovermos esse mesmo bem estar. As crianças aprendem sobretudo com o que veem e o que sentem. Têm a enorme capacidade de perceber quando estamos apenas com teorias que não praticamos.

Recentemente, foi publicada uma segunda edição do livro com uma imagem renovada. Quais as principais diferenças entre esta e a primeira publicação?
A gigantesca diferença são as ilustrações do João Nascimento. De repente, o livro tornou-se uma obra de arte, o que é extraordinário.

Se tivesse de aconselhar alguém a comprar uma das edições, qual seria a sua escolha? Porquê?
Pergunta muito difícil. Pelas ilustrações sem dúvida o e-book. Mas um livro é um livro. O melhor é adquirir ambas!

Sente-se satisfeita com a receção que o livro tem tido junto dos leitores?
Sinto sobretudo nas crianças porque é tudo muito simples para elas e muito claro. E a forma como elas se apropriam do livro é fantástica.

Qual foi o livro que mais a marcou durante a infância?
Havia um livro na pequena biblioteca da minha escola primária, cujo autor não faço ideia quem seria, que se chamava qualquer coisa como Amor Perfeito, uma edição muito antiga e muito amarelecida. Lembro-me da capa. Era um livro sobre o bem e o mal e foi muito marcante. Acho que não me tinha apercebido disso até este momento. Gostaria imenso de o encontrar.

Em criança, sonhava escrever livros?
Julgo que não, mas já escrevia as minhas pequenas coisas…

Lembra-se do primeiro texto que escreveu?
Lembro-me do primeiro texto que escrevi e que foi reconhecido, digamos assim. Estava no 6º ano e escrevi para a professora de português e fiquei muito orgulhosa do meu trabalho! Eu tinha 11 anos e escrevi sobre as máscaras que usamos para parecermos sempre bem com a vida. Foi bom.

Por que razão as crianças devem ler Esta história não é para adultos?
Sobretudo porque tanto o podem ler descontraidamente, sem grandes propósitos, como o podem explorar e reinventar. Será muito interessante que o façam.

Podemos esperar a publicação de um novo livro para breve?
Espero que sim.

Obrigada!
Obrigada. Beijinhos.

Mais informações sobre o livro aqui.

Título: Esta história não é para adultos
Texto: Patrícia Ervilha
Ilustração: João Nascimento
Editora: Artelogy

A livraria Salta Folhinhas, no Porto

saltafolhinhas

por Catarina Araújo

Abriu há mais de dez anos e foi a primeira livraria infantil a abrir no Porto, tendo já criado história nas pessoas que por lá passam todos os dias, pequenos e crescidos. Damos hoje a conhecer a livraria infantil e juvenil Salta Folhinhas.

Apresente-se!
Olá, sou a Teresa Cunha, livreira da livraria Salta Folhinhas e engenheira eletrotécnica de formação.

Porque resolveram abrir uma livraria infantil?
Trabalhei alguns anos na minha área de formação: engenharia. Durante esses anos fui mãe de três rapazes e, sentindo-me frustrada profissionalmente, decidi tomar a tempo inteiro o lugar de mãe e de trabalhadora doméstica. Vida árdua, cansativa, mas que me deu, e ainda me dá, todos os dias, muitas alegrias. Estando os filhos grandes e mais autónomos, decidi fazer aquilo que sempre sonhei fazer – trabalhar para e com as crianças – e nada melhor do que acrescentar a esse mundo os livros. Assim, com o apoio da minha cunhada e sócia Isilda Monteiro, abrimos a Salta Folhinhas, a primeira livraria infantil no Porto.

Como desenvolveram o espaço?
O espaço estava há muitos anos fechado, ficava perto da escola que os meus filhos frequentaram e, melhor ainda, ficava perto de casa. É um bairro residencial em que as ruas têm nomes de escritores e onde encontramos vários colégios e infantários. A loja tinha uma ótima área e permitiu criar dois espaços: a livraria e a sala das histórias. Nessa sala acontecem horas do conto, oficinas, espetáculos, festas de anos… um sem fim de atividades. Com o apoio de uma equipa de jovens arquitetos, apareceu na Salta Folhinhas um espaço em que os livros estão acessíveis a todos, mesmo aos mais pequenos.

Como é a receção das pessoas? Como tem sido o impacto na comunidade?
Já cá estamos há dez anos e picos (quase, quase onze) e o público está sempre a mudar, uns crescem outros nascem outros mantêm-se para sempre. Somos uma loja de bairro em que frequentemente alguém entra só para conversar ou dizer olá ou oferecer uma prenda (uma pedrinha, um desenho, um abraço ), ouvem-se histórias, contam-se histórias, e assim se criam laços de amizade que ficam, creio eu, para sempre

Que atividades desenvolvem?
A livraria oferece sessões de contos para famílias, normalmente ao sábado; sessões de contos para grupos escolares mediante marcação prévia; sessões com autores e, ou ilustradores; exposições de ilustração; festas de anos com estórias que ficam na história para crianças dos três aos dez anos; oficinas de várias expressões: plástica, escrita, dramática, musical…; fornecemos livros para feiras do livro em escolas; no nosso espaço funciona também a Escola de Narração Itinerante Clara Haddad com oficinas de narração para adultos.

Sentem-se como missionários da leitura? Ou seja, com tão poucos espaços dedicados exclusivamente à literatura para crianças, sentem que podem providenciar um serviço diferente que vá direto ao público infantil e aos pais, e que os outros espaços, livrarias, lojas, não podem oferecer?
Claro que sim. Poder ajudar a encontrar o livro certo para uma criança e depois ter o retorno é muito gratificante. Para mim um bom livro é aquele que nos dá gosto ler … Um bom livro não é o mesmo para todas as crianças o desafio é conseguir juntar o livro ao leitor.

E, por fim, um convite aos nossos leitores!
Um convite…
Não percam em julho, nos dias 24, 25 e 26, o Festival Um Porto de Contos, que acontece na Casa das Artes, Casa Allen e jardins mesmo aqui ao nosso lado na Rua António Cardoso. A Salta Folhinhas está lá. Para saber mais podem visitar o site www.umportodecontos.com.

A livraria está sempre aberta à segunda, das 14h30 às 19h30, e de terça a sábado apenas descansamos das 19h30 da tarde às 10h00 da manhã do dia seguinte. Consultem a nossa programação mensal em www.saltafolhinhas.pt.

Na biblioteca de Laura e Maria

por Ana Ramalhete

Porque em Abril se comemora o Dia Internacional do Livro Infantil, e porque gostamos de saber o que pensam as crianças e o que têm nas suas bibliotecas, entrevistámos duas meninas: a Laura, de dez anos, e a Maria, de nove. Conversámos sobre livros, histórias e imagens. Obrigada, Laura e Maria!

Fábulas – Têm algum livro preferido? Porquê?
Laura – Tenho, O livro que explica tudo sobre os pais. Porque fiquei a saber coisas que ainda não sabia.
Maria – Tenho, o Diário de um Banana. Porque acho uma história muito engraçada.

                               livropais          livrobanana

Fábulas – Qual foi o último livro que leram?
Laura – O meu preferido.
Maria – Também foi o meu preferido.

Fábulas – Num livro, o que preferem? O texto ou as ilustrações?
Laura – As ilustrações, porque nos permitem ler o livro por imagens, ou seja mostra-nos uma composição de arte.
Maria – O conjunto dos dois, texto e ilustração.

Fábulas – Há algum livro em que gostam do texto, mas não gostam das ilustrações?
Laura – Há, Uma flor chamada Maria, de Alves Redol.
Maria –  Há, O Principezinho.

                               livroflor            Liv60990026_g

Fábulas – E há algum livro em que gostam das ilustrações, mas não gostam do texto?
Laura – Sim, Novas histórias de princesas e fadas.
Maria – Sim, Princesas esquecidas ou desconhecidas.

                               livroprinc.fadas          princ.esq.

Fábulas – Apreciam imagens a preto e branco?
Laura – Não, porque não nos permite ver as coisas como elas são realmente.
Maria – Sim, porque mostra uma imagem como era antigamente.

Fábulas – Antes de adormecer, gostam mais de ouvir ou de ler uma história?
Laura – Gosto mais de ser eu a ler.
Maria – Também gosto mais de ser eu a ler.

Fábulas – As histórias para adormecer têm de ser especiais?
Laura – Têm, pois tenho medo de certas histórias.
Maria – Não.

Fábulas – Ultimamente, qual foi o livro que leram mais vezes?
Laura – Quem mexeu no meu queijo.
MariaO meu diário top secret – Em digressão pela América.

                         queijo2      livrodiario

Fábulas – Qual é o livro que não têm, mas gostavam de ter?
LauraRomeu e Julieta e Os Maias.
MariaVerão e Romeu e Julieta.

Fábulas – Chegámos ao fim da entrevista. Obrigada pelas respostas!
Laura – Nunca tinha sido entrevistada.
Maria – Eu também não.

Sara, uma escritora rara

por Ana Ramalhete

Sara Monteiro é uma escritora com vários livros publicados na área da literatura para a infância e juventude.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Na sua obra, as personagens têm características que as tornam únicas e inesquecíveis. Seja uma princesa peluda que quer governar o reino de seu pai (A princesa que queria ser rei), um príncipe excessivamente tímido que usa uma máscara (O príncipe perfeito), uma mãe que convive com seres estranhos (Cartas de uma mãe à sua filha) ou uma lebre preocupada com o equilíbrio ecológico (A lebre e o raminho de salsa), nenhuma nos deixa indiferente. Pelo contrário, ficamos sempre com vontade de as reencontrar e ansiamos por descobrir quem serão e como serão as próximas.

Sara respondeu a dez perguntas, uma sobre cada livro editado. As suas respostas fazem-nos sorrir, refletir e conferir que a Sara é mesmo uma escritora rara!

saram

Como surgiu a ideia deste título?
Estas meninas que se perdem dentro de um prédio são uma espécie de D. Quixote: veem o que não está lá, o que imaginam. Como o Cavaleiro da Triste Figura que via gigantes onde havia moinhos, elas veem florestas, praias e jardins em cada casa onde entram.

saram1

Uma atitude diferente pode ser transformadora do eu e do outro?
Penso que sim. Uma atitude e uma postura diferentes levam a ações inesperadas e inabituais que por sua vez se repercutem até ao infinito. Por causa da postura de alguém, outros podem mudar, e mudando, algo de novo acontece. Neste caso, pelo menos foi assim que o desejei e criei: o príncipe, um ser especial, precursor de uma sociedade nova.

princesarei

As princesas já se emanciparam?
Mais ou menos. Estão mais em vias de se emanciparem. Cada dia um passo em frente, mas ainda faltam muitos passos, apesar do já longo caminho percorrido. E algumas princesas, como se sabe, ainda vivem encarceradas.

saram.

A infância mora numa casa em cima de uma árvore?
Ah, claro! Mora perto do céu, por entre folhas e ramos, no meio dos pássaros e dos frutos. A infância mora ao pé do impossível e do sonho. Cria mundos, está sempre uns metros acima do chão para poder ver mais longe, mas também para se recolher e inventar com mais liberdade, sem os constrangimentos do dia-a-dia e sem a supervisão dos adultos. Hoje, mais do que nunca, as crianças precisam de uma casa na árvore, para se protegerem do olhar omnipresente dos adultos.

500_9789722120395_cartas_de_uma_mae_a_sua_filha

As cartas ajudam a encurtar a distância e a suportar a separação?
As cartas de antigamente ajudavam a suportar a separação e as grandes distâncias. Hoje, as cartas foram substituídas por mails, sms, conversas via internet, telefonemas, mesmo para quem não está assim tão distante como isso. Mas é parecido: quando falta a presença física, pomos palavras que funcionam como pontes: daqui até lá, de nós até ao outro; e de lá para cá e do outro para nós.

s.monteiro4_1

A vida no campo influencia a escrita?
Imenso. Quando fui morar para o campo, descobri os animais, foi uma festa! E embora na cidade haja convívio com vários deles, são de uma espécie diferente, domésticos. No campo, apesar de haver também os animais domésticos e os semidomésticos, há os outros que cruzam o mesmo espaço, mas que são livres, não pertencem a ninguém a não ser a eles mesmos e à natureza. Gostei muito de conhecer estes, encontrá-los nos meus passeios e fazê-los entrar nas histórias do bosque.

s.monteiro2

As crianças precisam de super-heróis?
As crianças gostariam de ser elas mesmas super-heróis, ter poderes, transformar o mundo, a vida à sua volta, salvar quem precisa. Como são pequenas e fracas, mas ao mesmo tempo têm um apurado sentido de justiça, admiram quem consegue com os seus imensos poderes fazer tudo o que ela desejaria fazer mas não é capaz.

s.monteiro1
Os animais podem ser felizes dentro de gaiolas?
Hum, pergunta difícil. Quem sabe o que os animais (coelhos, pássaros  ou outros) pensam? Lembro-me de um conto de Machado de Assis Ideias do Canário em que a ideia que o canário fazia do mundo ia mudando consoante o que ele via do sítio onde a sua gaiola ia sendo colocada (sempre mundos pequenos) até que finalmente, já fora da gaiola, define  o mundo como um espaço infinito e azul, com o sol por cima, já completamente esquecido dos mundos de antes. Ele ia sendo feliz em todos. Talvez seja assim com toda a gente e não só com os animais.

s.monteiro3
O que há por detrás da linha da horizonte?
Um urso que quer aprender a ler? Monstros e perigos? A liberdade, a aventura? O desejo de conhecer? Amigos novos? Mistérios para descobrir e resolver? Nunca o saberemos a menos que nos aventuremos também.

K_lebre_salsa

Júlia e a lebre são parentes de Alice e da Lebre de Março?
São primas, mas vamos lá definir melhor o parentesco. A lebre é prima-irmã da lebre de Março, se não mesmo a própria lebre de Março, e Júlia uma prima afastada de Alice, e prima-irmã de Delfina e Marina, duas irmãs que vivem numa outra quinta, personagens criadas pelo escritor francês Marcel Aymé.

Sara Monteiro nasceu em Lisboa, onde vive atualmente. Tem formação na área de Educação pela Arte e toda a sua atividade tem sido relacionada com a escrita. O primeiro livro publicado foi uma história para a infância intitulada As Meninas de la Mancha. Outros se seguiram, tendo o último sido publicado na Caminho: A Lebre e o Raminho de Salsa. ateliers de leitura e escrita criativa em escolas, estabelecimentos prisionais e bibliotecas. Foi coordenadora editorial na Fundação Odemira e subdiretora da revista Arte Musical. É cofundadora do grupo de teatro 3 em Pipa, para a qual escreveu textos, tendo sido levadas à cena, da sua autoria, as peças O Fantasminha e a Baleia e Um Coração Perfeito. Para além dos livros publicados, tem colaboração dispersa em revistas e antologias. Desde 2013 dedica-se também à joalharia.

Abrir uma livraria por paixão e razão, sem crises.

por Catarina Araújo

aqui apresentámos a livraria infantil e juvenil Fadas, Bruxas e Dragões, de Benavente. Entretanto, falámos um bocadinho com os proprietários, que iniciaram em 2013 um verdadeiro negócio de família, juntando um «”pai”, Pedro Peralta, 42 anos, vindo da área dos números, das faturações e das contas, com uma “mãe” jornalista, Ana Mafalda Ganhão, com 45, os dois rendidos aos livros e com muita vontade de apostar num projeto comum.»

1463059_647999925243563_366904744_n

A paixão pelos livros levou-os a correr o risco em plena crise, porque por vezes é na crise que se encontra a inspiração e a força para ir mais longe. Ambos mantêm os seus empregos, pelo que, como nos conta Mafalda Ganhão, «as “Fadas” são um esforço extra-laboral, que envolve ter alguém a tomar conta da loja, muita ajuda familiar e até a colaboração das nossas duas filhas, grandes entusiastas, críticas moderadas e às vezes também “mão-de-obra” de recurso, nas horas de aflição.»

atividades_fadasbruxas
(c) Fadas, Bruxas e Dragões

Numa jigajoga que certamente não será fácil, a parceria é fundamental e Mafalda admite: «Tenho a tendência de fugir para as nuvens ou acordar com ideias repentinas, que nem sei como concretizar, o Pedro é muitas vezes a voz da razão, o executor paciente e o complemento racional que faz falta para o equilíbrio não se perder… »

Apresentem-se!
A «Fadas, Bruxas e Dragões» é uma livraria infanto-juvenil, aberta há menos de um ano em Benavente, em pleno Ribatejo (mas pertinho de Lisboa), onde os livros são as estrelas, ainda que a casa tenha também uma pequena cafetaria, venda brinquedos didáticos e promova várias atividades educativas. O nosso lema diz quase tudo: «Brincar com as histórias, crescer com os livros».

Porque resolveram abrir uma livraria infantil e juvenil?
A livraria nasceu da absoluta necessidade de dar corpo a uma ideia que morava há tempo de mais só na cabeça e em imensas folhas de rascunho, como projeto. Há fases na vida em que é preciso arriscar, perder o medo e ir à luta, apesar das crises ou das recomendações para ter cautela. Nasceu da preocupação com os baixos índices de leitura – particularmente entre os jovens – e da vontade de dar a conhecer os nossos maravilhosos autores e ilustradores, tal como as muitas obras infanto-juvenis que «escapam» às prateleiras das grandes superfícies. Em suma, nasceu do desejo de partilhar o prazer que é a leitura.

fadasbruxas1
(c) Fadas, Bruxas e Dragões

Como conceberam o espaço?
A casa onde se instalou foi um feliz acaso do destino: antiga o suficiente para ter memórias (com um sótão que um dia destes se vai transformar num cenário de sonho para as histórias) e em frente a uma escola do ensino básico, que nos faz ter por perto as crianças. Ser quase uma salinha de estar, acolhedora como as nossas casas e sem cair nas cores berrantes, só por ser para os mais novos, foram as linhas da decoração. Depois ganhou forma naturalmente, como um puzzle que se encaixa. Foi o que deu estar há tanto tempo pensada… Ideia fundamental? Ser agradável para qualquer faixa etária, com boas energias.

fadasbruxas2
(c) Fadas, Bruxas e Dragões

Como tem sido a receção das pessoas?
As pessoas são muito simpáticas e elogiam o espaço. Sobretudo, sentimos que as crianças se sentem bem aqui dentro, o que representa a maior conquista. A livraria tem um conceito um bocadinho diferente, novidade em relação à vila onde se insere, por isso no início também notámos alguma estranheza: «É um café? Uma livraria? As duas coisas?» Mas aos poucos cresce o número de clientes fiéis, o número de «amigos» no Facebook, e vamos recebendo muitas mensagens de encorajamento.

fadasbruxas_ativ1
(c) Fadas, Bruxas e Dragões

Que atividades desenvolvem?
Temos atividades pagas e atividades gratuitas. A filosofia é que não seja pago tudo o que aconteça no horário comercial normal, como horas do conto (há sempre, ao sábado de manhã), eventuais apresentações de livros, etc. As propostas que requerem inscrição são várias e variam mensalmente. Muitas estão ligadas à promoção da leitura, mas não só. Por aqui se fazem ateliês de fotografia, ciclos de cinema de animação, tardes de culinária… e tudo o mais que a imaginação ditar.

Também é intenção da livraria trabalhar com as escolas e a comunidade, daí que sair da loja seja outra vertente. Para ir contar histórias, para organizar Feiras do Livro… estamos sempre à espera de receber desafios.

fadasbruxas_ativ2
(c) Fadas, Bruxas e Dragões

Sentem-se como missionários da leitura?
Ui! Missionário talvez soe pomposo e se afaste daquilo que realmente nos sentimos, no sentido em que só queremos mostrar que ler é bom, e faz bem. Como não conhecemos melhor forma de o demonstrar, fazemos por dar o exemplo. Por aqui lê-se muito.

E agora recomendações de leitura para esta época: de infantil e de juvenil.
Para todas as épocas: Os livros que devoraram o meu pai, de Afonso Cruz, e, para os mais pequenos, o recém-lançado O Escuro, de Lemony Snicket, com ilustrações de Jon Klassen. Para os leitores «em transição», a meio caminho entre o infantil e o juvenil, não resisto à personagem Clementina, criada por Sara Pennypacker – a coleção tem três títulos e são todos muito divertidos.

escuro RL_2192_capa clementina

E que tal um convite aos nossos leitores?
O óbvio convite para nos visitarem. Adoramos ter a casa cheia e as “fadinhas” ficam sempre felizes quando aparecem amigos novos. Gostamos que nos falem de livros que ainda não conhecemos, que nos contem quais são os vossos preferidos e que nos tragam ideias para fazermos coisas novas. Os fãs da internet que nos desculpem, mas para este efeito o mundo virtual sabe a pouco. Apareçam!