Category Archives: INFANTIL

#12 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Canções e Histórias de Embalar.

Na verdade, este é um dos livros prediletos do pequeno, por isso lemos estas histórias muitas, muitas vezes. É um livro de capa almofadada, com uma dimensão quadrada e grande e de folha fina que tem 12 histórias intercaladas com 10 canções (as letras das canções estão no livro, as músicas vêm num CD). As histórias são muito engraçadas e interessantes, embora ainda um pouco complexas de mais para uma criança de dois anos. Mas são histórias que os pais facilmente conseguem simplificar e que, aliadas a ilustrações muito bonitas e adequadas à faixa etária, fazem com que os miúdos fiquem presos à narrativa. As músicas são quase todas originais, de ritmo calmo e tranquilo, mas deliciosas para cantar em família.

Um livro muito completo, que permite bons momentos entre pais e filhos, com histórias deliciosas e sempre com uma conclusão simples e ora profunda, ora engraçada. O único problema é quando o nosso filho gosta tanto do livro que nos pede para ler as 12 histórias e as 10 canções antes de ir para a cama. E quando chega ao fim, ainda diz: “outra vez!”

Canções e Histórias de Embalar
Editora: Edições Convite à Música

#11 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, brincámos com o livro Vamos brincar com os animais marinhos.

E digo brincar em vez de ler, porque este livro é composto por 12 páginas cartonadas onde encontramos os diferentes animais partidos em várias peças que, quando montadas, formam um puzzle 3D. Nas duas últimas páginas do livro, temos um cenário (neste caso do fundo do mar) onde podemos brincar com os animais que construímos.

O Tiago adora este livro, pegar nas peças, montar e desmontar, fazer o tubarão nadar pelo ar ou fingir que se pica nas pinças do caranguejo. Quando nos ofereceram, ele ainda não tinha destreza para montar os puzzles sozinho e ainda hoje volta e meia troca as pernas do polvo, mas é muito giro ver o crescimento dele e das suas capacidades motoras cujo desenvolvimento é potenciado por estes livros didáticos. A acompanhar cada animal, um texto curtinho sobre o mesmo, com curiosidades engraçadas.

Um livro que é mais do que isso, é quase um jogo que parte do gosto pela leitura, promove o desenvolvimento da motricidade fina e dá largas à imaginação dos mais pequenos, em mil histórias criadas com os animais construídos. Esta mãe anda a namorar o resto da coleção!

Vamos brincar com os animais marinhos
Editora: Europrice

#10 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos os livros da coleção Quem conta um conto.

200x

Estes livros têm tanto de invulgar como de encantador, cada qual contendo 20 histórias de encantar dos tempos modernos: dois joelhos apaixonados, uma ponte que espirra, um botão que gosta de dançar ou uma bruxa maravilhosa… Contos profundos, contos divertidos, contos loucos que fazem pouco sentido.

Para uma criança pequena como o Tiago, ainda não consegue acompanhar a história do princípio ao fim, mas percebe o essencial, ri-se dos absurdos, faz perguntas sobre as ideias mais mirabolantes que não compreende, delicia-se com as ilustrações lindíssimas da Raquel Pinheiro e deixa-se encantar pela cadência mágica das palavras.

É uma coleção para meninos mais crescidos, ali a partir dos cinco aninhos, talvez, mas que nos pode acompanhar desde mais cedo, principalmente quando eles se apaixonam pelos desenhos e nos pedem para repetir alguns dos contos de todas as vezes que pegamos no livro. Uma boa aposta de livros para depois os acompanhar na leitura independente.

Coleção Quem Conta um Conto

Autor: Alexandre Honrado
Editora: Raiz Editora

Livros que ajudam as crianças a vencer os medos

por Sofia Pereira

Medo do escuro, das alturas, de se separar dos pais, de ser esquecido na escola, de dormir sozinho, dos pais se divorciarem, de personagens assustadores, de barulhos e ruídos estranhos, e da rejeição social são alguns dos medos que fazem parte do crescimento das crianças.

Em boa verdade, é natural que a criança sinta medo e isso é importante. Quando os mais pequenos sentem receio de algo, descobrem esse sentimento e começam a ser cautelosos. Paralelamente, as situações de temor ajudam-nos a avançar ou a fugir de determinadas realidades, tornando-os mais corajosos e resilientes.

O apoio dos pais nesta etapa da infância é crucial. É importante que estes estejam preparados para ajudar as crianças a lidar e a superar este sentimento intrínseco ao seu desenvolvimento, preparando-as para um futuro saudável e tranquilo.

Os livros podem ajudar as crianças a superar os seus medos. Num ambiente seguro e harmonioso, os pais podem e devem falar com os pequenos leitores sobre os seus medos e, através de fantásticas histórias e ilustrações, mergulhar nos seus medos, sem qualquer preocupação, tornando um problema tão delicado mais fácil de ser superado.

Deixamos a sugestão de alguns livros que podem ajudar as crianças a vencer os seus medos:

Maria do Medo – Uma História para Aprenderes a Vencer o Medo, de Rita Castanheira Alves, ilustrações de Carla Nazareth, Booksmile

«A Maria adora a escola, os dias de festa e cantar as suas canções favoritas. Desenha com a mão esquerda, sempre com lápis de cera, e adora tomar banho na banheira cheia de água. Mas a Maria tem um problema. Um problema que aparece todas as noites… Na hora de dormir, lá vem ele: O MEDO! Inclui dicas para os pais ajudarem as crianças a gerir as emoções.»

 

O gato e o escuro, de Mia Couto, ilustrações de Danuta Wojciechowska, Caminho

«A inventividade a que Mia Couto nos acostumou e o seu domínio da língua, numa história para crianças, ou também para adultos partilharem com as crianças. As ilustrações de Danuta Wojciechowska complementam este universo maravilhoso. Para perder o medo do escuro.»

 

 

Onde Vivem os Monstros, texto e ilustrações de Maurice Sendak, Kalandraka

«Na noite em que Max vestiu o seu fato de lobo e começou a fazer travessuras a torto e a direito, a mãe chamou-lhe: «-MONSTRO!» E Max respondeu-lhe: «-VOU-TE COMER!» Então ela mandou-o para a cama sem jantar. Naquela mesma noite, no quarto de Max surgiu uma floresta que cresceu… Esta obra, publicada pela primeira vez em 1963, suscitou certa polémica pelo tratamento nada exemplar para com as crianças, mas tornou-se num clássico da Literatura infantil e juvenil e num referente imprescindível do seu género.
Não só obteve a Medalha Caldecott (1964) e o American Book Award, como também foi eleito pelo The New York Times Book Review como um dos melhores livros ilustrados; desde então foi traduzido em inúmeras línguas e tornou-se num dos títulos mais lidos. Max empreende uma viagem simbólica a partir daí até um lugar fantástico, atravessando um tempo mítico e enfrentando os seus próprios medos. Depois de se tornar no rei de uns monstros tão ferozes como insinuantes, regressa ao ponto de partida, onde o aguarda o jantar.»

Carlota Barbosa, a Bruxa Medrosa, de Layon Marlow, ilustrações de Joelle Dreydemy, Dinalivro

«Era uma vez uma bruxa, mas não pensem que era uma bruxa como as outras. Nada disso. Ao contrário do que é costume, a Carlota Barbosa tem medo de tudo e por isso, em vez de assustar, é ela quem se assusta. E assusta-se por tudo e por nada: treme quando vê um sapo; o escuro deixa-a com os nervos em franja. Se encontra uma aranha, dá logo um salto até ao tecto. E quando voa no céu a alta velocidade, cai da vassoura abaixo se um mocho lhe cruza os ares. Mas a Carlota tem um grande amigo, um companheiro inseparável: é o Espinosa, o seu gato de estimação. Graças a ele, a Carlota torna-se uma bruxa verdadeira e corajosa. E assim perde a sua alcunha… Medrosa!»

O Monstro das Cores, texto e ilustração de Anna Llenas, Nuvem de Letras

«As emoções explicadas às crianças através das cores. A personagem principal é um monstro que muda de cor consoante o que está a sentir. Ele não percebe porque muda de cor e a sua amiga, a menina, explica-lhe o que significa estar triste, estar alegre, ter medo, estar calmo e sentir raiva.»

 

O pequeno livro dos medos, texto e ilustração de Sérgio Godinho, Assírio & Alvim

«Escrito e ilustrado por Sérgio Godinho, este livro fala-nos dos medos da infância, alguns mais fortes que nós, de como ultrapassamos outros (…o cavalo chegou-se à minha mão aberta, que tremia com a maçã em cima. Era a única coisa que lhe podia dar. Foi a única coisa que ele levou. Adeus cavalo, adeus medo dos cavalos.).
Até à história que o avô Francisco Magalhães, tipógrafo de profissão, escreveu para o seu filho João de cada vez que ele tivesse medo. Porque o medo também faz parte de nós (quem não tem medo?) mas quando começa a ser exagerado é preciso controlá-lo, nem que para tal seja preciso saltar, correr, espernear, lutar, falar, responder, perguntar, ou, muito simplesmente, pensar.»

Boas leituras!

 

#8 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Até os piratas fazem cocó!

152729

Nesta fase dos dois anos, chegamos impreterivelmente à fase do desfralde e aqui a mãe acha que é sempre mais fácil se dermos exemplos semelhantes – mesmo que depois a coisa não funcione ainda na prática, pelo menos a teoria fica lá. Nada melhor do que dar exemplos através de histórias, melhor ainda se forem divertidas e engraçadas.

E é o que esta história é – afinal, o pirata Pipo, antes de aprender a usar o bacio, passa por uma série de peripécias no mínimo peculiares. E mesmo que toda a família lhe diga «não te preocupes e sorri, até os piratas fazem cocó e xixi», ainda pode levar algum tempo até o Pipo ser bem-sucedido.

Um livro com um formato diferente (em formato de bacio visto de cima), com abas largas para promover a curiosidade e a interação, cores ricas e vibrantes e uma história toda em verso, quase cantada, que ganha assim um ritmo fluido e perfeito para ler em voz alta aos nossos filhos.

Até os piratas fazem cocó!
Autor: Sarah Creese
Editora: Zero a oito

#7 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Bons hábitos – Adeus, fraldas!

adeusfraldas

O Tomás já é crescido, já não precisa de usar fraldas. Então, vai explicar aos leitores, página a página, quais são os passos a dar quando vai à casa de banho. Ilustrações suaves e instruções simples e diretas para ajudar os mais novos a interiorizar o processo de largar as fraldas, este pode ser um livro muito útil na altura do desfralde. Traz ainda uma tabela semanal, autocolantes de estrelas e uma medalha de cartão igual à do Tomás para quando os pequenos largarem as fraldas de vez.

É de tal forma direto e adequado à faixa etária dos dois anos que, muitas vezes, é já o meu filho que me conta a mim a história, narrando de cor os passos que o Tomás dá e avançando na história com base nas ilustrações. E repetindo os passos sempre que é ele que vai à casa de banho. Um livro didático e divertido que os pequenos vão adorar.

Bons hábitos – Adeus, fraldas!
Autor: Sergio Folch e Patrícia Geis
Editora: Editorial Presença

#6 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro do Grau! Grau!

1540-1 (1)

Este é um livro que já nos acompanha desde o primeiro aniversário do filhote e foi ótimo na altura do desenvolvimento da fala, despertando-lhe a curiosidade com as suas cores vivas e as abas largas, os animais para descobrir e os sons para imitar. Com ilustrações do próprio autor, é um livro divertido e que permite o manuseamento pelos próprios bebés/crianças – tem um tamanho adequado e folhas grossas que promovem a motricidade fina dos pequenos.

Excelente aposta para uma fase em que estão a descobrir o gosto pelos livros, mas que ainda não têm capacidade de acompanhar uma história de fio a pavio. Um livro que vai permanecer mesmo quando eles já gostarem de outras coisas mais avançadas, ou não fosse o meu filho de vez em quando buscá-lo à estante.

Consegues imitar? Grau! Grau!
Autor: Sebastien Braun
Editora: Jacarandá Editora

#5 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro da Patrulha Pata – Às escuras!

1540-1

Este livro foi uma prenda de anos que o filhote recebeu e foi o mote de partida para a febre da Patrulha Pata (todos os pais com crianças com menos de cinco anos sabem ao que me refiro!). Mas a verdade é que o livro é mesmo engraçado, principalmente quando utilizado em simultâneo com a lanterna que o acompanha e que, além de luz, tem uma série de botões com diferentes sons para se irem experimentando ao longo da história.

A Baía da Aventura ficou às escuras e a Patrulha Pata tem de resolver o problema ao mesmo tempo que prepara a festa surpresa para o aniversário do Chase. À medida que vamos avançando na história e passando as páginas – folhas grossas e com efeito 3D – vão-nos sendo dadas indicações de que sons fazer e de como utilizar a lanterna, criando sombras e tornando a leitura muito interativa. Os mais pequenos adoram a lanterna, para utilizar com o livro ou sozinha; a história é curtinha e dinâmica, bem ao estilo da Patrulha Pata, e é um excelente complemento à série televisiva.

Já sabem, pais com filhos fãs dos cachorros da Baía da Aventura, têm aqui uma ótima alternativa aos desenhos animados!

Às escuras – Patrulha Pata
Editora: Pil Books

#4 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Um nadinha apertados!

793192

O rato finalmente encontrou a casa per-fei-ta! Tem o espaço exato para as suas coisas, nem mais, nem menos. O problema começa quando o rato descobre que partilha a casa com um enorme urso-pardo, um gigantesco crocodilo e um tigre grande e desastrado. De repente, a casa torna-se um nadinha apertada para todos eles.

Esta é uma história muito engraçada, aliando uma narrativa dinâmica com umas ilustrações fantásticas. O livro é um pouco grande (superior a um A4) para ser manuseado pelos mais novos, mas com uma ajudinha dos pais, torna-se a leitura perfeita. O seu ritmo fluído e a linguagem utilizada – em expressões que se repetem, onomatopeias que podemos repetir com os mais pequenos, pontuação que marca o tom que deve ser usado na leitura – fazem deste livro um dos preferidos lá de casa.

Um nadinha apertados!
Autor: Tracey Corderoy
Editora: Minutos de leitura

#3 «Uma história por dia, nem sabe o bem que lhe fazia…»

por Alexandra Martins

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Os piratas não têm medo do escuro.

793171

O Afonso quer ser um pirata e passar a noite sozinho na tenda que montou no jardim. Recusa, por isso, todas as vezes que a sua irmã mais nova lhe pede para ficar com ele. Afinal, as fadas têm medo do escuro, ao contrário dos piratas. Mas quando, já de noite, a sua lanterna se apaga e se ouvem barulhos muito estranhos do lado de fora da tenda, talvez o Afonso tenha de admitir que os piratas também podem ter um bocadinho de medo do escuro.

Uma história encantadora, com as deliciosas ilustrações de Alison Edgson, que fala das rivalidades e das amizades entre irmãos, da coragem e da importância de assumirmos os nossos medos. Com páginas de folhas finas e um tamanho superior a um A4, é um livro perfeito para ser lido em família, pois tanto filhos como pais vão adorar.

Os piratas não têm medo do escuro
Autor: Maudie Powell-Tuck
Editora: Minutos de leitura