Category Archives: JOVEM ADULTO

Dia Mundial do Livro: escritores e ilustradora sugerem a leitura de livros

por Sofia Pereira

Hoje é o Dia Mundial do Livro!

A data, assinalada desde 1996 e por decisão da UNESCO, foi escolhida com base na lenda de S. Jorge e o Dragão, adaptada para honrar uma velha tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de S. Jorge e, em troca, recebem um livro. Simultaneamente, presta-se homenagem à obra de grandes escritores, como Cervantes e Shakespeare, falecidos exatamente em abril de 1616.

Para assinalar a data, a Fábulas convidou escritores e ilustradores a sugerirem a leitura de um livro, apenas um, e a justificar o motivo da sua escolha:

Catarina Gomes, Ilustradora

O dariz, Olivier Douzou, Editora Cosacnaify

«Inspirado num conto satírico do escritor russo Nikolai Gógol, O dariz de Olivier Douzou é um livro que conta, de uma forma genial, a história de um nariz que procura um lenço para se assoar. Escolhi-o porque foi dos poucos livros que me convenceu pela lombada/título. Depois de pegar nele, a ilustração da capa convenceu-me ainda mais e quando o abri para ler a primeira página, não lhe tirei mais as mãos de cima, porque soube que ele tinha de vir comigo para casa. Talvez o facto de eu ter a voz um pouco anasalada, tenha ajudado. Começa assim (ler em voz alta): “Guando agordei esta banhã / esdava gombletamente endupido. / Zaí bra domar ar.” Recomendo-o para qualquer faixa etária.»

(c) Miguel Alves
Catarina Nunes de Almeida, Escritora

Cândido ou O Optimismo, Voltaire, tradução de Rui Tavares, ilustração de Vera Tavares, Tinta-da-China

«A minha escolha vai para um dos livros que marcou, pela sua intemporal frescura, imprevisibilidade e lucidez, a fase final da minha adolescência. E são vários os aspectos que sublinho desse primeiro contacto com o romance de Voltaire – o mais evidente de todos foi, sem dúvida, a dimensão caricatural da obra. Voltaire expõe-nos, com um humor e uma imaginação brilhantes, uma série de tipos humanos que, servindo de espelho da sua época, não deixam de se fazer presentes nos nossos dias. A adolescência é o tempo de procurar respostas para uma série de contradições da vida humana que esta narrativa expõe com profunda inteligência. É o tempo de afirmação da liberdade individual, mas também de descoberta dos valores fundamentais da sociedade, temas escavados até ao osso nas alegorias iluministas. Há perguntas fundamentais sobre injustiça, ignorância, fanatismo a que alguma literatura nos permite aceder e que nunca mais se devem calar dentro de nós. Confesso que o facto de saber que se tratava de uma obra que, à época, não pôde circular senão clandestinamente, aguçou ainda mais o desejo de leitura. Herói de impensáveis façanhas, Cândido leva-nos aos extremos do compadecimento e do riso, da revolta e da aceitação, do repúdio e do espanto. Como esquecer a sua bem-amada Cunegundes, os filósofos Pangloss e Martin, a passagem por uma Lisboa que se ergue a todo o custo do terramoto, o encontro do mítico Eldorado e todo o novelo de infortúnios e desventuras “no melhor dos mundos possíveis”? Esta obra é puro deleite – e a edição ilustrada da Tinta-da-China veio refinar ainda mais o prazer que é revivê-la.»

 Maria Francisca Almeida Gama, Escritora

«O livro que hoje vos recomendo chama-se Madalena e foi escrito por mim, há cerca de seis meses, após o falecimento do meu pai. Fala sobre a saudade, a dor, sobre o facto de termos que aprender a lidar com a perda. Também fala sobre os sonhos, sobre a alegria, sobre o amor. É um livro que demonstra o quanto anseio por chegar mais longe e em como, apesar da dor que sinto, me esforço para ser cada vez melhor, orgulhando sempre o meu querido pai. »

Patrícia Ervilha, Escritora

O Principezinho – O Grande Livro Pop-Up, Antoine de Saint-Exupéry, Editorial Presença

«Tendo que escolher um livro infantil, não hesitaria na edição O Principezinho – O Grande Livro Pop-Up por Antoine de Saint-Exupéry, da Editorial Presença. O Principezinho é um livro essencial e um livro que atravessa a nossa própria existência. Faz sentido aos 2 anos, como faz aos 92. Esta edição é extraordinariamente bonita e apelativa. Tem o embondeiro mais inesquecível da literatura. Neste caso, a minha escolha vale pelo conteúdo eterno e também muito pela forma.»

(c) Ricardo Graça
Paulo Kellerman, Escritor

Contos de cães e maus lobos, Valter Hugo Mãe, Porto Editora

«O livro que sugiro é Contos de cães e maus lobos, de Valter Hugo Mãe. Trata-se de um belo e cuidado livro que reúne diversos contos que podem ter vários níveis de leitura, de acordo com a idade dos leitores; apesar de em princípio ser destinado a jovens, será igualmente um livro fascinante para leitores adultos. É composto por onze contos que nos convidam simultaneamente a sairmos de nós e mergulharmos em nós, ora ternos ora duros, sempre enigmáticos e mágicos, por vezes arrebatadores. Cada um dos contos é acompanhado por ilustrações originais de diferentes artistas, o que confere a cada estória um imaginário e uma densidade muito concreta. Um livro que corresponde à definição que o próprio autor atribui ao que será um bom livro: aquele que tem “a capacidade de expressar algo que até ali estaria numa espécie de escuridão. A capacidade de colocar em discurso algo que podemos reconhecer, com que nos podemos identificar e que parece de alguma forma solucionar um problema nosso, mas que até ali ninguém tinha expressado daquela forma.”»

Boas leituras e Feliz Dia Mundial do Livro!

As escolhas de Natal de… Alexandra Martins

994bbba754aafa3d82205fb1ec1428c6

Mais um ano, mais um Natal, e por isso cá estamos nós para ajudar os nossos leitores a escolherem os melhores presentes que se podem oferecer – livros!

Durante esta semana serão publicadas as escolhas de livros de cada uma das nossas redatoras para oferecer neste Natal.  Hoje começamos com leituras para os adolescentes e jovens adultos.

Esperamos que esta seleção ajude a descobrir a melhor prenda para enriquecer o seu filho, sobrinho, neto, afilhado, amigo.

Boas leituras!

alvorada

A Alvorada dos Deuses de Filipe Faria

«No inverno de 1477, Berardo de Varatojo, padre franciscano estigmatizado, viaja para a distante Thule (Islândia) em busca de respostas para a sua crise de fé. Contudo, acaba raptado por desconhecidos antes de as conseguir encontrar, e os seus captores afirmam ser deuses, os sete destinados a sobreviver a um Crepúsculo dos Deuses de que nunca ouvira falar. Aqueles que Berardo toma por feiticeiros pagãos confessam-se numa encruzilhada, culpando o Deus cristão pelo seu dilema, e, segundo eles, o franciscano é precisamente a chave para a sua salvação, embora ele não consiga sequer conceber como.»

Filipe Faria, depois de nos encantar com mundos inventados, traz-nos agora uma história diferente, que mistura fantasia neste mundo que é o nosso, aliada a uma escrita poderosa que nos leva por uma história misteriosa e cheia de enigmas, segundas intenções, momentos intensos para o nosso protagonista. Um livro intenso, que nos vai deixar agarrados às páginas até à última e que nos vai fazer desejar por mais.

1507-1

Gregor – A Primeira Profecia de Suzanne Collins

«Enquanto escorrega pela conduta de ar atrás da irmã, Gregor suspira por mais uma peripécia na sua vida. Mas nada o preparou para a aventura que se segue. Debaixo da cidade esconde-se a Subterra, um mundo sombrio onde os humanos convivem com aranhas, morcegos, baratas e ratos gigantescos. A Subterra prepara-se para a guerra e uma profecia previu que ele mesmo, Gregor, desempenhará um papel importante. Gregor quer fugir, mas percebe que ali talvez possa desvendar o desaparecimento do pai.»

O primeiro livro de Suzanne Collins, autora d’Os Jogos da Fome, e direcionado para um público mais infantil mas que ainda assim faz a delícia de adultos e jovens adultos. Há quem diga até que este livro é melhor que Os Jogos da Fome. Da minha parte, digo apenas que a mestria da escrita e a profundidade oferecida às personagens, permitindo-lhes crescer ao longo das páginas e nos nossos corações, estão lá. Um livro para ser devorado até à última frase e para ficarmos ansiosamente à espera do segundo volume da saga.

1507-1 (1)

 

Apenas Um Dia de Gayle Forman

«A vida de Allyson Healey que sempre foi planeada e organizada, muda no momento que conhece Willem, um ator de espírito livre, que a convida a ir com ele a Paris e a adiar todos os seus planos. Allyson não consegue resistir e decide acompanhá-lo, uma decisão inesperada que a leva a vinte e quatro horas de romance, liberdade e intimidade que irão mudar a sua vida. Apenas Um Dia é um romance que nos fala de amor, mágoa, viagens, identidade e das contingências provocadas pelo destino, mostrando que, por vezes, para nos encontrarmos a nós próprios, temos de nos perder primeiro…»

E se um dia conhecêssemos uma pessoa que nos faz questionar toda a nossa vida? Que pega em nós e corta todas as amarras e nos leva a fazer coisas que nunca pensámos vir a fazer? Que nos liberta? E que nos faz descobrir-nos a nós próprios? É isso que trata este livro que, mais do que um romance, é um livro de auto-descoberta, de crescimento e de amadurecimento da adolescência para a vida adulta. Com muito amor e aventura à mistura.

1507-1 (2)

Quando as Estrelas Caem de Amie KaufmanMeagan Spooner

«É uma noite igual às outras a bordo da Ícaro, os passageiros divertem-se. Tarver convida Lilac para ver as estrelas. Então, a catástrofe abate-se sobre a enorme nave de luxo: de súbito é puxada para fora do hiperespaço e despenha-se no planeta mais próximo. Lilac Laroux e Tarver Merendsen sobrevivem.
E estão sozinhos.Um romance intenso. Uma história de amor. O Titanic distópico.»

Esta é uma distopia diferente, que se inspira no Titanic, mas que é tão mais do que isso. Transportando-nos para um futuro de planetas distantes e naves espaciais, encontramos Lilac e Tarver sozinhos num planeta que lhes é desconhecido, depois de a nave luxuosa onde viajavam se ter despenhado. Segue-se a luta pela sobrevivência, enquanto sentimentos mais fortes crescem entre estas duas personagens, desenrolando-se um romance sólido, bonito e profundo. Um livro que é mais do que à partida parece e que no releva algumas surpresas antes de chegarmos à última página.

1507-1 (4)

Harry Potter e a Pedra Filosofal – Edição Ilustrada de J. K. Rowling

«O primeiro volume do clássico escrito por J.K. Rowling, é publicado numa edição de capa dura, com 100 incríveis ilustrações, da autoria do inglês Jim Kay, vencedor da Kate Greenway Medal.
A vida de Harry Potter muda para sempre no dia do seu décimo primeiro aniversário, quando o gigante Rubeus Hagrid lhe entrega uma carta e lhe dá algumas notícias surpreendentes. Harry Potter não é um rapaz vulgar: é um feiticeiro. E uma aventura extraordinária está prestes a começar.»

«As ilustrações criadas por Jim Kay tocam-me profundamente. Adoro a sua interpretação do mundo de Harry Potter. Sinto-me grata e honrada por ele lhe ter emprestado o seu talento.» – J.K. Rowling

Já todos lemos Harry Potter. Já todos vimos os filmes. Já todos sonhámos embevecidos com as edições de colecionador. Mas este Natal vai mais longe e a melhor prenda de Natal para os fãs de Harry Potter será mesmo a edição ilustrada de Harry Potter e a Pedra Filosofal, com 100 ilustrações lindíssimas ao longo do livro. Palavras para quê? É quase obrigatório ter um exemplar destes.

Bruxas, caveiras e gatos pretos…

por Sofia Pereira

Bruxas, caveiras, gatos pretos, fantasmas, abóboras, cemitério, monstros, feitiçarias, velas e morcegos. São alguns dos símbolos do Halloween ou Dia das Bruxas – como é conhecida entre nós – uma tradição marcadamente americana. A sua origem remonta ao povo celta, que acreditava que, no dia 31 de outubro, os espíritos dos mortos voltavam aos seus lares para visitar os familiares e guiá-los ao mundo do além.

Pese embora o facto de não existir uma tradição tão forte no nosso país, certo é que esta festividade acaba por contagiar as crianças e os jovens que, entusiasticamente, se deixam envolver por este mundo misterioso, sombrio e até assustador. Tudo, do terror à diversão, leva a uma enorme curiosidade de conhecer e entrar no espírito tenebroso do Halloween.

Para ajudar a celebrar esta época, deixamos aqui a sugestão de alguns livros para que todos os leitores, dos mais pequeninos aos mais crescidos, possam viver esta festa, num verdadeiro ambiente fantasmagórico:

Desculpa… Por acaso és uma bruxa?, de Emily Horn, ilustração de Pawel Pawlak, Dinalivro

«Título Recomendado pelo Plano Nacional de Leitura 2007 (Jardim de Infância / Ler Voz Alta Sala Aula). O Leonardo é um gato preto, muito solitário, que passa o tempo todo na biblioteca. Certo dia, ao ler A Enciclopédia das Bruxas, descobre que elas adoram gatos pretos. Mas como poderá o Leonardo encontrar uma bruxa, se nunca na sua vida viu nenhuma? E todas as vezes que pergunta: «Desculpa… Por acaso és uma bruxa?», engana-se sempre! Por fim, o gato Leonardo desiste e regressa à biblioteca… sem desconfiar de que há uma grande surpresa à sua espera! Crianças a partir dos 5 anos.»

O Grande Livro das Bruxas & Feiticeiros, de José Viale Moutinho e Fedra Santos, Afrontamento

«Ora aqui está, rapaziada,
Um livro de meter medo.
São bruxos e feiticeiras,
Bailando sem orquestra, à luz das suas fogueiras!
Um de nós conta as histórias.
Todas elas de estarrecer!
O outro faz os desenhos. Para melhor se poder ver!
O primeiro é grandote, lá isso é,e chama-se Zé!
A segunda anda a ver se medra,come pastéis de nata e chama-se Fedra!»

Bruxas à Meia-Noite, de Roberto Pavanello, Planeta Editora

«Parece mentira mas é verdade: Bat Pat é um morcego que tem medo do escuro. É o morcego mais medricas que vocês já conheceram e «fala pelos cotovelos» mas é impossível não gostar dele. Na verdade, é muito divertido e mete-se em cada aventura que… só lido! O Tesouro do Cemitério e Bruxas à Meia-Noite são as duas primeiras histórias publicadas em Portugal. Pois é, o Bat Pat é escritor e a sua especialidade são os livros de terror, aqueles que falam de bruxas, fantasmas, cemitérios e coisas verdadeiramente assustadoras. Os seus amigos são a Rebecca, o Martin e o Leo. A Rebecca adora aranhas, ratos e sapos, o Martin é o intelectual do grupo e o Leo, tão ou mais medricas do que o Bat Pat, não perde uma oportunidade que seja para dizer: «e se petiscássemos qualquer coisa?». É com eles que Bat Pat vai investigar o mistério da estranha sombra (será um fantasma?) que anda a rondar os túmulos do cemitério e o curioso caso das casas invadidas… pela chaminé! A história do livro Bruxas à Meia-Noite é igualmente medonha. O dia estava a raiar e Bat Pat tinha acabado de cair no sono. De repente, um grito de arrepiar acordou o morcego. Era uma velhinha estranha a vender maçãs. Hummm, pensou ele, enquanto se lembrava da bruxa má da história da Branca de Neve, esta velhinha é estranha. E era mesmo. A pérfida bruxa Amanita andava à procura de um aprendiz e levara Rebecca para o seu antro… E agora? Uma coisa é certa, Bat Pat só tem medo do escuro, de mais nada…»

Grimpow – A Última das Bruxas, de Rafael Ábalos, Asa

«O destino cumpriu-se e Grimpow tem nas suas mãos a Pedra Filosofal. Segundo os alquimistas, esse é possivelmente o objecto mais poderoso do mundo, capaz de conceder a imortalidade e de transformar qualquer metal em ouro. Mas ainda há mais para descobrir… Por isso, Grimpow viaja até Paris, decidido a desvendar esse segredo milenar. Entretanto, o rei de França, temeroso da morte, deseja mais do que nunca apoderar-se da lendária Pedra. E só uma pessoa, em toda Paris, pode conseguir tal façanha: chama-se Agnes e desde há um ano que luta pela sobrevivência nas masmorras da Torre do Templo, acusada de bruxaria. Embora ela ainda não o saiba, os seus poderes permitem-lhe pactuar com o próprio Diabo…»

Bruxa Endiabrada, de Kim Harrison, Chá das Cinco

«Em Hollows os vampiros são apenas o início… Apesar de namorar com um vampiro e viver com outro, Rachel Morgan conseguiu sempre manter-se um passo à frente dos problemas… até agora. Um tenebroso assassino em série fez das ruas de Cincinnati o seu terreno de caça e ninguém está a salvo, seja humano, Inderlander ou morto-vivo. Talvez a única maneira de parar esse assassino seja uma misteriosa relíquia que se encontra nas mãos de Rachel Morgan, destemida caçadora de recompensas e bruxa temerária. Mas revelar tal artefacto poderá dar início a uma batalha apocalíptica entre as diversas raças sobrenaturais de Hollows. A decisão pode salvar vidas… ou matar muitas mais! Mais uma vez, Rachel não pode falhar pois o preço a pagar é alto de mais.»

A Festa das Bruxas, de Agatha Christie, Asa

«A famosa escritora de policiais Ariadne Oliver prepara-se para celebrar a Noite das Bruxas em casa de uma amiga. Outra das convidadas é Joyce, uma jovem fã de livros policiais, que confessa ter já assistido a um assassinato. Mas a sua fama de contadora de histórias mirabolantes faz com que ninguém lhe preste atenção. Ou talvez não seja bem assim. Quando Joyce é encontrada morta nessa mesma noite, Mrs. Oliver questiona se esta última história seria mesmo fruto da sua imaginação. Quem de entre os convidados quereria silenciá-la? Mrs. Oliver não conhece ninguém melhor do que o seu amigo Hercule Poirot para responder a esta questão. Mas nem mesmo para o grande detective será fácil desmascarar o assassino.»

Leituras para as Férias Grandes de… Alexandra Martins

Com a chegada do verão, vêm também as férias grandes para os mais jovens, com muito tempo livre para pôr as leituras em dia, seja na praia, no parque ou até mesmo em viagem. Para os «jovens adultos», deixamos aqui algumas sugestões de leitura para as férias.

DiasGloria

Dias de Sangue e Glória, de Laini Taylor (Porto Editora)

Sinopse: Karou, antiga estudante de Arte, quimera revenante e aprendiz de ressurrecionista, tem finalmente as respostas que sempre procurou. Sabe quem é e o que é. Porém, com este conhecimento vem outra verdade que ela daria tudo para desfazer: amou o inimigo e foi traída, e um mundo inteiro sofreu por isso. Agora, sacerdotisa de um castelo de areia numa terra de poeira e estrelas, profundamente só, Karou tenta recriar o universo do seu passado, contribuindo, com a sua dor e a sua mágoa, para a volta gloriosa das quimeras. Porém, sem Akiva, e sem o seu sonho de amor partilhado, o caminho da esperança afigura-se impossível de trilhar. Repleto de desgosto e beleza, segredos e escolhas impossíveis, Dias de Sangue e Glória encontra Karou e Akiva em lados opostos de uma guerra tão antiga como o tempo.

Sugestão: Depois de já aqui ter falado do primeiro livro desta saga e de como o mesmo foi uma lufada de ar fresco no panorama da literatura fantástica, seria impossível não recomendar a leitura deste Dias de Sangue e Glória para fazer crescer a água na boca neste verão. Não ficando em nada atrás do primeiro volume, este livro leva-nos ao patamar seguinte, ao mundo dos anjos e das quimeras e da guerra sem fim entre as duas raças. Um livro para nos fazer viajar nos dias mais quentes.

Maze Runner

Maze Runner: Provas de Fogo, de James Dashner (Editorial Presença)

Sinopse: Atravessar o Labirinto devia ter sido o fim. Acabar-se-iam os enigmas, as variáveis e a fuga desesperada. Thomas tinha a certeza de que, se conseguissem fugir, ele e os Clareirenses teriam as suas vidas de volta. Mas ninguém sabia realmente para que tipo de vida iriam regressar… O segundo volume da série Maze Runner ameaça tornar-se um clássico moderno para os fãs de títulos como Os Jogos da Fome.

Sugestão: Com adaptação cinematográfica prevista para setembro deste ano, o verão é uma excelente altura para ler (ou reler) Maze Runner: Provas de Fogo, o segundo livro da trilogia Maze Runner, que pega na história exatamente onde o primeiro livro nos tinha deixado, mostrando-nos um mundo cada vez mais violento onde os nossos jovens terão de sobreviver se quiserem obter as respostas às muitas perguntas que vão surgindo ao longo do livro. Para ler de uma ponta à outra sentados na beirinha da cadeira e devorando as páginas como quem devora gelados.

rapazesqueamei

A Todos os Rapazes que Amei, de Jenny Han (Topseller)

Sinopse: «Guardo as minhas cartas numa caixa de chapéu verde-azulada que a minha mãe me trouxe de uma loja de antiguidades da Baixa. Não são cartas de amor que alguém me enviou. Não tenho dessas. São cartas que eu escrevi. Há uma por cada rapaz que amei — cinco, ao todo. Quando escrevo, não escondo nada. Escrevo como se ele nunca a fosse ler. Porque na verdade não vai. Exponho nessa carta todos os meus pensamentos secretos, todas as observações cautelosas, tudo o que guardei dentro de mim. Quando acabo de a escrever, fecho-a, endereço-a e depois guardo-a na minha caixa de chapéu verde-azulada. Não são cartas de amor no sentido estrito da palavra. As minhas cartas são para quando já não quero estar apaixonada. São para despedidas. Porque, depois de escrever a minha carta, já não sou consumida por esse amor devorador. Se o amor é como uma possessão, talvez as minhas cartas sejam o meu exorcismo. As minhas cartas libertam-me. Ou pelo menos era para isso que deveriam servir.»

Sugestão: Numa altura em que proliferam os amores de verão, uma história de amor é sempre uma boa aposta para os fins de tarde quentes. No entanto, este livro não é o típico romance, uma vez que a heroína da história não está apaixonada por um rapaz, mas sim desapaixonada por cinco rapazes diferentes: todos aqueles que ela amou e perdeu. E a quem escreveu cartas expondo todos os seus sentimentos, cartas que nunca enviou. Mas o que aconteceria se todas essas cartas chegassem de repente aos seus destinos? Nesse caso, a vida de Lara Jean tornar-se-ia muito mais complicada, mas muito mais interessante para nós leitores!

Complexo_dos_Assassinos

O Complexo dos Assassinos, de Lindsay Cummings (Saída de Emergência)

Sinopse: Um thriller intenso de ação e paixão num cenário futurista onde o número de assassinatos é superior à taxa de natalidade. Meadow Woodson, uma rapariga de 15 anos que foi treinada pelo seu pai para lutar, matar e sobreviver em qualquer situação, reside com a sua família num barco na Florida. O Estado é controlado pelo Complexo Assassino, uma organização que segue e determina a localização de cada cidadão com precisão, provocando o medo e opressão em absoluto. Mas tudo se complica quando Meadow conhece Zephyr James, que é – embora ele não saiba – um dos assassinos programados do Complexo. Será o seu encontro uma coincidência ou parte de uma apavorante estratégia? E conseguirá Zephyr impedir que Meadow descubra a perigosa verdade sobre a sua família?

Sugestão: Já lemos Os Jogos da Fome, já lemos Divergente, já lemos Maze Runner… Está na hora de ler O Complexo dos Assassinos, aclamado pela crítica como sendo o novo grande livro distópico de 2015. E como somos incapazes de virar costas a uma boa distopia, este livro parece-me a escolha ideal para meter no saco da praia, uma vez que se trata de uma leitura rápida, com um bom ritmo narrativo e uma boa dose de violência patente em cada desenvolvimento da história, o que mantém o leitor sempre alerta.

 ese

E se…?, de Randall Munroe (Saída de Emergência)

Sinopse: Milhões de pessoas visitam XKCD.com todas as semanas para ler a vinheta de Randall Munroe. As suas figuras simples e desenhos minimalistas sobre ciência, tecnologia, amor e o sentido da vida têm uma vasta legião de seguidores. Fãs de XKCD colocam a Munroe imensas questões bizarras. E se tentasses bater uma bola de basebol lançada a 90% da velocidade da luz? Se houvesse um apocalipse robótico, quanto tempo duraria a Humanidade na Terra? Na busca de respostas, Munroe opera simulações de computador, analisa dossiês de pesquisa militar confidencial, resolve equações diferenciais e consulta operadores de reatores nucleares. As suas respostas são obras de arte de perspicácia e humor e normalmente preveem a absoluta aniquilação da Humanidade ou uma explosão inimaginável que arrase tudo! E se…? é leitura obrigatória para todos aqueles que adoram os grandes enigmas da vida, da ciência e, claro, perguntas tão absurdas quão divertidas.

Sugestão: Este é um livro hilariante com as suas respostas de humor refinado. Recomendado para todos os leitores, mas em especial para aqueles jovens que dispensam grandes leituras, principalmente quando o tempo convida a outras atividades mais dinâmicas. Mas o dinamismo presente nas páginas deste livro vai fazer valer a pena levá-lo connosco para a beira da piscina ou para o parque. Porque a cada resposta que lemos, queremos saber qual será a pergunta seguinte, sendo impossível parar de ler até chegarmos ao final.

Leituras para as Férias Grandes de… Sofia Pereira

Sol, praia e campo. São estes os cenários que convidam para as tão esperadas férias de verão. É altura de aproveitar para estar com a família e os amigos, para divertir e descansar. Uma das formas de descansar e relaxar é a leitura, porque os livros fazem-nos viajar para muitos lugares diferentes, conhecer outras culturas e povos e deixarmos a nossa imaginação voar até onde permitirmos. Hoje, terça-feira, é o segundo dia de sugestões de leituras para as férias e cabe-me sugerir-vos alguns livros, dos mais pequenos aos mais crescidos. Vamos viajar sem sair do lugar?

ESTA HISTÓRIA NÃO É PARA ADULTOS

Esta História Não É Para Adultos, de Patrícia Ervilha, Artelogy

«(…) A escola. O meu principal problema com a escola é o trabalho. Na escola trabalha-se muito! Porque se a escola fosse só brincadeira estava tudo bem. Mas o que eu acho injusto é trabalhar e não receber nada… isso é que eu não concordo. Porque os adultos também trabalham muito mas recebem dinheiro por isso! Não sei se recebem 100 euros ou mais mas recebem. Agora eu (!) farto-me de trabalhar e não recebo nada. (…)»

Por que razão? Estamos na época das férias e temos mais tempo para nos dedicar às pessoas que amamos, àquelas que nos são próximas e que querem incondicionalmente o nosso bem-estar. Este livro é uma história sobre famílias e sobre as relações sociais, e pode ajudar a encontrar a felicidade nos pequenos momentos da vida.

O JOGO DAS SOMBRAS

O Jogo das Sombras, de Hervé Tullet, Edicare

«Vais precisar da ajuda de um adulto para brincar a este jogo de sombras. No escuro, usa a tua lanterna e embarca numa fantástica aventura noturna! Um livro de recortes para brincar com as sombras e descobrir as personagens e as formas que se escondem no seu interior. Este é um livro-jogo, com um conceito inovador que permite que o livro saia da página e inúmeras possibilidades de criar histórias além do livro. Desperta a imaginação e a brincadeira, e é ideal para usar em grupo.»

Livro-jogo, para quê? É importante entreter as crianças durante as férias escolares. Os momentos em família, além de marcantes no crescimento e desenvolvimento daquelas, podem constituir importantes brincadeiras e aventuras de partilha de saber ser, saber estar e saber fazer. Num ambiente lúdico, a família poderá explorar este livro que proporciona, através do jogo de sombras, a descoberta de personagens, a criação de histórias e estimula a imaginação e a criatividade da criança.

A CRUZADA DAS CRIANÇAS

A Cruzada das Crianças (Vamos Mudar o Mundo), de Afonso Cruz, Alfaguara

«O que farão os adultos se milhares de crianças saírem à rua para reclamar os sonhos que eles se esqueceram de continuar a sonhar, de pedir a justiça em que há muito deixaram de acreditar? Continuaremos a ignorar estes cruzados com o mesmo cinismo, descrença ou inércia com que tantas vezes olhamos para o mundo que nos rodeia? Ou terá chegado a hora de darmos ouvidos aos sonhos das crianças?»

Porquê? Afonso Cruz faz-nos viajar para o mundo das crianças e lembra-nos que também elas têm sonhos – por vezes, os de tantos adultos – e que há momentos na vida em que é necessário um manifesto, para conseguir alcançar aquilo que desejamos. Um livro que ensina as crianças a lutarem sempre pelos seus objetivos e a nunca desistirem.

O VELHO E O MAR

O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway, Livros do Brasil

«Santiago, um velho pescador cubano, está há quase três meses sem conseguir pescar um único peixe, quando o seu isco é finalmente mordido por um enorme espadarte. O peixe imponente resiste, arrasta a sua canoa cada vez mais para o alto mar, na corrente do Golfo, e obriga a uma luta agonizante de três dias que o velho Santiago acabará por vencer, para logo se ver derrotado. Com uma linguagem de grande simplicidade e força, Hemingway retrata nesta aventura poética a coragem humana perante as dificuldades e o triunfo alcançado apesar da perda. Comovente romance, obra-prima de maturidade de Hemingway, O Velho e o Mar recebeu o Prémio Pulitzer em 1952 e desempenhou um papel essencial na obtenção pelo seu autor, dois anos mais tarde, do Prémio Nobel de Literatura.»

Ler, porque sim! O Velho e o Mar é um clássico da literatura que merece ser lido com toda a dedicação, em qualquer fase da nossa vida. Pela astúcia do protagonista que deve ser um exemplo para todos/as nós, pela apaixonante história que prende a nossa atenção e cativa até ao desfecho, e pelo facto de o ambiente que rodeia a personagem principal ser marítimo – um dos cenários idílicos das férias de verão – sugiro que não deixem de ler esta magnífica aventura.

COMO É LINDA A PUTA DA VIDA

Como é Linda a Puta da Vida, de Miguel Esteves Cardoso, Porto Editora

«O que espanta num gato é a maneira como combina a neurose, a desconfiança e o medo – para não falar numa ausência total de sentido de humor – com o talento para procurar e apreciar o conforto e, sobretudo, a capacidade para dormir 20 em cada 24 horas, sem a ajuda de benzodiazepinas. O gato é neurótico mas brinca. (…) Mas, acima de tudo, descobriu o sistema binário da existência. Que é: dormir faz fome. Comer faz sono. Acordo porque tenho fome. Adormeço porque comi. Nos intervalos, faço as necessidades.»

Vale a pena ler? Óbvio que sim! Uma, duas ou três crónicas por dia. Textos recheados de bom humor, de ironia, de boa disposição, de irreverência, de sobriedade e de inteligência, que nos falam de sentimentos, de sonhos e da realidade.

Raiva, cinzas, asteróides, o Diabo e o amor…

bookbuzz_23052015

Aqui ficam alguns dos títulos para adolescentes que andam a causar sensação lá fora. Vão desde o realismo contemporâneo, ao thriller, à fantasia histórica e ao apocalíptico.

alltherage

All The Rage, de Courtney Summers

«O filho do xerife, Kellan Turner, não é o menino de ouro que todos pensam e Romy Grey sabe bem disso. E por ninguém querer acreditar numa rapariga que vem do lado errado da cidade, a verdade costou-lhe tudo – os amigos, a família, a comunidade. Marcada como mentirosa e maltratada pelo grupo de amigos com quem costumava andar, o único refúgio de Romy é o restaurante onde trabalha e que fica fora da cidade. Lá ninguém a conhece, nem sabe do seu passado, e pode finalmente ser anónima. Mas quando uma rapariga com ligação a Romy e a Kellan desaparece após uma festa, e notícias vêm a lume de que ele poderá ter agredido outra rapariga numa cidade ali perto, Romy terá de decidir se quer lutar ou se irá carregar o fardo de saber que mais raparigas serão atacadas se ela não falar. Afinal de contas, ninguém acreditou nela antes – e certamente não acreditarão agora – mas o custo do seu silêncio poderá ser maior do que aquele conseguirá alguma vez suportar.»

wealllookedup

We All Looked Up, de Tommy Wallach

«Antes do asteróide deixávamo-nos ser definidos por rótulos: o atleta, o marginal, o mandrião, o sabichão.

Mas quando olhámos para cima, tudo mudou.

Disseram que chegaria em dois meses. Isso deu-nos dois meses para deixarmos os rótulos de lado. Dois meses para sermos maiores do que alguma vez fomos. Para sermos algo que perdurasse depois do fim.

Dois meses para viver. De verdade.»

ember

An Ember in The Ashes, de Sabaa Tahir

«De acordo com a lei do Império Marcial, a punição para a desobediência é a morte. Aqueles que não consagram o seu sangue e o seu corpo ao Imperador arriscam-se a que as pessoas que amam sejam executadas.

É neste mundo brutal, inspirado na Roma Antiga, que Laia vive com os avós e o irmão mais velho. A família sobrevive nas ruas empobrecidas do Império. Eles não desafiam o Império. Eles viram o que acontece àqueles que se atrevem a fazê-lo.

Mas quando o irmão de Laia é preso por alta traição, Laia é forçada a tomar uma decisão. Em troca da ajuda dos rebeldes, que prometem salvar o irmão, ela terá de arriscar a vida como espia no seio da maior academia militar do Império.

Aí, Laia conhece Elias, o melhor soldado da academia – e também, secretamente, o mais reticente. Tudo o que Elias quer é libertar-se da tirania que ele está a treinar para impor. Rapidamente, tanto Elias como Laia irão descobrir que os seus destinos estão cruzados – e que as suas escolhas irão alterar para sempre o destino do próprio Império.»

devil

The Devil You Know, de Trish Doller

«Aos dezoito anos, Arcadia quer aventura. Vive numa pequena cidade da Florida com o pai e o irmão mais novo, de quatro anos, e passa o tempo no trabalho, na escola, e a cuidar da família. Quando conhece dois primos bem-parecidos numa festa da fogueira, finalmente tem a oportunidade de se divertir. Eles convidam-na a ela e a uma amiga a juntarem-se a eles numa viagem de carro – exatamente aquilo que ela procurava para poder escapar. Mas se ao princípio é tudo muito divertido, rapidamente a jornada se transforma num pesadelo quando Arcadia descobre que um dos primos não é bem aquilo que parece. Um deles tem intenções mortíferas.»

emmy

Emmy & Oliver, de Robin Benway

«O melhor amigo de Emmy, Oliver, reaparece depois de ter sido raptado pelo pai dez anos antes. Emmy espera que eles retomem a relação onde ela ficou, mas depois de dez anos fora, pensando que o pai era o herói da história, Oliver tem muita coisa que precisa de compreender.»

Eça é que é essa!

Pintura de Sílvia Patrício
Pintura de Sílvia Patrício
por Sofia Pereira

«O amor eterno é o amor impossível. Os amores possíveis começam a morrer no dia em que se concretizam.»
Eça de Queirós

As paixões proibidas sempre suscitaram o interesse dos leitores. Uma história de amor ardente, de desejo e de sensualidade são os ingredientes destas relações amorosas.

O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queirós, é um romance que se destaca pela peculiaridade de provocar a agitação na sociedade intelectual dos finais do século XIX, ao contar a história do amor proibido de Amaro e Amélia.

Amaro, o pároco recém-chegado à cidade de Leiria, começa a frequentar a casa de Amélia. Ambos nutrem uma paixão avassaladora, que jamais pode ser consumada devido à batina. O desejo é maior e acabam por se entregar às escondidas. A jovem engravida e é abandonada por Amaro. Refugia-se numa quinta nos arredores de Leiria e acaba por falecer no parto.

Esta obra queirosiana provocou algum incómodo e controvérsia por assombrar um lado mais obscuro do clero, questionando os valores da Igreja Católica e da Fé. Eça de Queirós conseguiu criar o romance como um instrumento crítico, sem esquecer o sentido estético e artístico.

Uma paixão proibida que inspirou a realização de um filme, por Carlos Coelho da Silva:

Crime não é ler.

Crime é não conhecer uma das obras mais emblemáticas de Eça de Queirós. Na cidade que acolheu o padre Amaro, Leiria, todos os leitores poderão percorrer a zona histórica – a Rota d’O Crime do Padre Amaro – e fazer uma viagem ao passado, conhecendo os locais mencionados no livro. Poderão, ainda, degustar algumas das receitas queirosianas, no emblemático Espaço Eça.

Crime não é ler e deixar-se apaixonar pelo amor de Amaro e Amélia.

Ler é que poderá ser crime.

Título: O Crime do Padre Amaro
Autor: Eça de Queirós
Editora: Porto Editora

Bibliotecas misteriosas, mundos paralelos e raparigas geeks…

bookbuzz_magonia

por Catarina Araújo

Gosto muito de acompanhar o que se publica lá fora e nas minhas leituras encontro sempre novos títulos que me vão despertando a curiosidade. Aqui ficam alguns dos livros que mais burburinho têm desencadeado nos meandros da literatura juvenil e jovem adulta estrangeira, neste caso anglo-saxónica.

princesadenegro

The Princess in Black, de Shannon Hale, ilustrações de Dean Hale e LeUyen Pham

Muito se tem falado ultimamente de questões de género. Antes proliferavam – e ainda continuam –, os brinquedos específicos para meninas e para meninos, em que para as raparigas imperava o cor-de-rosa e as histórias de princesas e de fadas, enquanto para os rapazes o tom corrente era o azul e as histórias de heróis, etc., deixando para segundo plano o conteúdo, os interesses comuns a ambos os géneros. Ultimamente, promove-se muito o estereótipo da heroína dura, que troca os vestidos por umas calças e a varinha mágica por uma espada ou um arco e uma flecha. Este livro vem quebrar um pouco essa corrente e mostrar que as raparigas podem ser heroínas, sem deixarem de ser femininas, e que as suas histórias podem ser apelativas também para os rapazes.

«Quem disse que as princesas não se vestem de preto? Quando os monstros aparecem, a Princesa Magnolia larga os seus vestidos de folhos e transforma-se na Princesa de Negro.

Deter monstros não é tarefa para princesas, mas a Princesa Magnolia tem um segredo: ela é a Princesa de Negro, e parar os monstros é o trabalho perfeito para ela! Será que consegue escapar-se do palácio, transformar-se no seu alter-ego e derrotar o monstro antes que a Duquesa descubra o seu segredo?»

lemoncello

Escape from Mr. Lemoncello’s Library, de Chris Grabenstein

A história apresenta-se como um cruzamento entre Charlie e a Fábrica de Chocolate e À Noite no Museu, escrita pelo premiado Chris Grabenstein. Uma escrita cheia de humor e de personagens peculiares.

«Kyle Keely é o bobo da turma, popular entre a maioria dos colegas e um fã ardente de todo o tipo de jogos: jogos de tabuleiro, palavras-cruzadas, e, principalmente, videojogos. O seu herói, Luigi Lemoncello, o mais notório e criativo criador de jogos do mundo, é o génio por detrás do edifício onde fica instalada a nova biblioteca da cidade.

Kyle ganha um lugar entre as primeiras doze crianças a visitarem a biblioteca, numa noite que promete ser de grande diversão, com comida deliciosa e muitos jogos. Mas quando a manhã chega e, ao tentarem sair, encontram as portas ainda trancadas, Kyle e os outros vencedores terão de resolver todas as pistas e todos os puzzles secretos para encontrar a saída de emergência escondida. O desafio é grande e a parada é alta.»

 

magonia

Magonia, de Maria Dahvana Headley

É lançado mundialmente daqui a dois dias, mas há alguns meses que o buzz é alto, com críticas muito boas. A história é uma mistura de Stardust, de Neil Gaiman, com A Culpa É das Estrelas, de John Green.

«Aza Ray mal consegue respirar.

Desde bebé, Aza sofre de uma doença pulmonar misteriosa que lhe dificulta a respiração, que quase a impede de falar, de viver.

Quando Aza avista um estranho navio no céu, a família atribui essa visão a um efeito secundário da medicação que ela toma. Mas Aza não acredita que seja uma alucinação. Ela consegue ouvir alguém na nave a chamar por ela.

Só o melhor amigo dela, Jason, acredita nela. Ele, que sempre esteve do seu lado. Jason, por quem ela começa a sentir mais do que amizade. Mas antes que Aza possa considerar a ideia de um relacionamento, algo corre terrivelmente mal. Aza vai parar a um sítio estranho. Magonia.

Acima das nuvens, Aza deixa de ter dificuldade em respirar e de se sentir à beira da morte. Em Magonia, ela consegue respirar normalmente pela primeira vez. Melhor ainda, descobre que tem um grande poder. Mas enquanto navega na sua nova vida, Aza apercebe-se de que há uma guerra prestes a acontecer. Magonia e a Terra estão à beira de um confronto catastrófico.

O futuro da humanidade está nas mãos de Aza, incluindo o rapaz de quem ela gosta. Mas para onde penderá a sua lealdade?»

geekgirl

Geek Girl, de Holly Smale

Geek Girl é uma série para adolescentes que pega num tema juvenil recorrente e rompe com alguns estereótipos, conferindo-lhes uma nova perspetiva, com o humor típico britânico.

«Harriet Manners sabe muitas coisas.

Ela sabe que um gato tem 32 músculos em cada orelha, que um «minutinho» dura 1/100 de segundo, que uma pessoa ri-se em média 15 vezes por dia. O que ela não percebe é porque é que ninguém na sua escola parece gostar muito dela. Por isso quando é «descoberta» por uma agente de supermodelos, Harriet agarra a oportunidade de se reinventar. Mesmo que isso signifique roubar o sonho da sua melhor amiga, provocar a ira da sua arqui-inimiga Alexa, e humilhar-se diante do atraente supermodelo Nick. Mesmo que isso signifique mentir a todos aqueles que ela ama.

À medida que Harriet vai passando de um desastre de alta costura para o outro, com a ajuda do seu muito entusiasmado pai e um stalker super geek chamado Toby, ela começa a perceber que o mundo da moda não gosta muito mais dela do que o mundo real em que vivia.

Quando a sua vida antiga começa a desmoronar-se, será que Harriet irá conseguir transformar-se antes que dê cabo de tudo?»

Anjos, demónios e uma rapariga de cabelo azul

quimerapraga

por Alexandra Martins
A Quimera de Praga traz uma lufada de ar fresco ao género fantástico

O livro A Quimera de Praga, de Laini Taylor, já não é novo, tendo sido publicado em 2011 e tendo já recebido uma série de galardões e prémios. Mas chegou finalmente a Portugal e parece que trouxe uma lufada de ar fresco dentro do género do fantástico para os jovens adultos. Depois da moda dos vampiros e das distopias, eis que surge um título que se afasta dos clichés habituais e, embora nos apresente anjos no seu menu, estes anjos não podiam ser mais diferentes de outros que pululam as páginas de tantos livros.

Para começar, apresenta-nos Karou, uma rapariga de dezassete anos e de cabelo azul que foi criada por quatro quimeras – monstros, demónios, criaturas deformadas e saídas de pesadelos, mas que para Karou são gentis, amistosas, a sua família. Karou vive em Praga, onde leva uma vida dupla entre o mundo humano, com os seus amigos, a escola e os problemas com o ex-namorado, e o mundo das quimeras, onde faz recados para a sua família, sem que perceba muito bem o objetivo atrás dos mesmos. É inocente, de um jeito de menina que está a tornar-se mulher e que procura descobrir quem é no mundo. Até que um dia põe os olhos num estranho ser que revela ser um anjo, um Serafim, eterno inimigo das quimeras e, consequemente, inimigo de Karou. Mas Karou não consegue tirar o Serafim da sua cabeça e Akiva, assim se chama o anjo, também não consegue esquecer Karou. A atração entre ambos leva-os a questionar tudo: serão eles inimigos mortais ou poderão ser mais do que isso?

Um conto de fadas disfarçado com um toque de modernidade, uma história de amor em tempos de guerra, mundos paralelos, ex-namorados chatos, monstros, anjos e, no meio de tudo isso, uma rapariga de cabelo azul. A receita ideal para quem procura fugir um pouco à rotina, numa escrita muito fluida e divertida, com uma personagem principal muito forte, determinada e teimosa e um leque de personagens secundárias, com os quais a empatia é imediata. Um livro que dá muito prazer em ler e que nos faz ficar ansiosamente à espera do próximo volume, que será editado pela Porto Editora já no próximo mês de maio.

INSURGENTE: uma adaptação brilhante ou demasiado livre?

Insurgent-2015-Movie-poster

por Alexandra Martins

A adaptação para a tela do livro Insurgente, de Veronica Roth, chegou aos nossos cinemas no passado dia 19 de março, embora com menos pompa e circunstância do que o esperado, talvez por partilhar a data de estreia com o filme Cinderela, da Disney. Ainda assim, os teasers e os trailers já tinham deixado o bichinho da curiosidade e o filme tem tido uma boa adesão por parte do público, em grande parte graças aos leitores desta trilogia, que não perdem a oportunidade de ver os seus heróis no grande ecrã.

E, à semelhança do que já tínhamos visto com o filme Divergente, esta é uma adaptação bastante livre da história que nos conta Roth. Com uma equipa de guionistas e um realizador (Robert Schwentke) novos, aposta-se acima de tudo num filme muito gráfico, muito visual, com cenas a roçar o surreal (por exemplo, aquela que já vimos no teaser trailer, com Tris a tentar salvar a sua mãe num cenário pós-apocalíptico). Embora isso dê uma nova dinâmica ao filme, a verdade é que a forma como a história é contada nada tem de fiel ao livro, no qual somos confrontados também com muitos momentos de introspeção por parte da protagonista. Da mesma forma, personagens que, no livro, têm muito relevo e importância para o desenrolar da história, no filme são relegadas para segundo plano, inclusive as personagens de Marcus Eaton e da sua mulher, Evelyn, que todos julgavam morta e que é uma das maiores surpresas deste segundo volume da saga ao revelar-se como a líder dos Sem Fação.

insurg-duo

Num mundo em que tudo acontece em rápida sucessão, admito que senti a falta do desenvolvimento pessoal das personagens, principalmente das personagens principais. Queria ter visto mais crescimento da Tris, do Four, até do Caleb. A interação entre eles, o evoluir das suas relações, o aprofundar ou quebrar dos laços que os unem… faltou olhar um pouco mais para a forma como estas relações moldam (e irão moldar) a história.

Quem leu o livro e viu agora o filme terá certamente sentido o mesmo, bem como alguma surpresa com as voltas diferentes que a narrativa sofreu. O final, só por si, leva-nos a perguntar o que estará reservado para o terceiro filme desta saga, já que segue um rumo muito diferente daquele que nos foi mostrado no livro.

insurgent-movie-still-four

Assim, resta-nos esperar pelo próximo ano, para finalmente ficarmos a conhecer o final desta trilogia que, não sendo fiel aos livros, se torna uma completa incógnita para o espetador. Será uma adaptação brilhante, ou deixará uma onda de desilusão no ar, como o fez o livro Convergente?