Category Archives: LIVROS

#23 Uma história por dia…: «Não abras este livro»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Não abras este livro.

Quando vi este livro à venda, não resisti a comprá-lo para o Tiago. Um livro que dá ordens às quais vamos desobedecer? E os pais autorizam que a gente desobedeça? E ainda nos rimos todos com isso? É claramente a cara do meu filho.

E não me enganei. Ele adorou a história de tal forma que tivemos de ler o livro 3 vezes na mesma noite. Ri-se a bandeiras despregadas, por vezes nem espera que eu acabe de ler as frases tal a excitação de virar a página e ver o que lhe dizem na página a seguir. É malandrice a 100%, é uma animação, é um livro que cria uma interação única com o leitor e que ganha imenso em ser lido com entoações, volumes e gestos adequados à história.

Uma única personagem, um leitor e uma ordem simples que nunca é cumprida podem render infindáveis momentos de diversão. Tal como quando dei com o meu filho de 3 anos, sozinho do quarto, a “ler” esta história para si.

Não abras este livro
Autor: Andy Lee
Ilustrações: Heath McKenzie
Editora: Jacarandá Editora

Anúncios

#22 Uma história por dia…: «O Cuquedo e um amor que mete medo»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Cuquedo e um amor que mete medo.

Depois de termos conhecido o Cuquedo há duas semanas, eis que continuamos a acompanhar as suas aventuras. Desta feita, no meio da selva, andam todos apaixonados e o Cuquedo decide que também quer encontrar uma namorada. Mas quem quiser ser namorada do Cuquedo terá de saber assustar. Será que as fêmeas da selva são boas pretendendes?

Num ritmo muito dinâmico, quase ao jeito de lengalenga, em rima, a história vai-se desenrolando ao estilo da Carochinha, com o Cuquedo a receber uma lista de diferentes pretendentes, o que nos permite ir apresentando diferentes animais e os sons que eles fazem aos jovens leitores. Com ilustrações ainda mais ricas, também aqui a interação com as crianças se propicia, pedindo-lhes que encontrem o Cuquedo no meio da vegetação. E o final, o final é, bem ao estilo do Cuquedo, surpreendente e assustador.

Sem dúvida, um livro para ler e reler e recitar mesmo quando não o estamos a ler, para fazer a delícia de miúdos e graúdos.

O Cuquedo e um amor que mete medo
Autor: Clara Cunha
Ilustrações: Paulo Galindro
Editora: Livros Horizonte

#21 Uma história por dia…: «O Cuquedo»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Cuquedo.

O que é um Cuquedo? Pois que ninguém sabe, mas é daqueles livros de que toda a gente diz bem. Curiosos, lá fomos ler e descobrir que “o Cuquedo é muito assustador, prega sustos a quem estiver parado no mesmo lugar”, razão pela qual os animais andam todos em debandada pela selva, num atropelo constante, toldados pelo medo de algo desconhecido.

A cadência repetitiva, os diálogos simples, a ideia de movimento sempre presente, a par das ilustrações lindíssimas do Paulo Galindro, fazem deste livro uma emoção em crescendo, sempre a aumentar o mistério em torno do Cuquedo. Até que, de repente, um final surpreendente e muito assustador (pelo menos para os animais) espreita. E é gargalhada pela certa lá por casa, onde, à semelhança do Cuquedo, há um menino que adora pregar sustos e dizer “Buuuuuu”.

Ainda assim, é sempre uma ótima ocasião para explorar a noção dos medos e do desconhecido, ajudando a criança a desconstruir receios através do humor. E perceber que todas as críticas positivas a este livro são merecidas.

O Cuquedo
Autor: Clara Cunha
Ilustrações: Paulo Galindro
Editora: Livros Horizonte

#20 Uma história por dia…: «Toca e sente do bebé – Parabéns»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Toca e sente do bebé – Parabéns.

A primeira música que o Tiago aprendeu a cantar de fio a pavio foi os Parabéns. Ainda hoje, adora cantar a música, adora bolos de anos, adora festas, tudo o que esteja associado a aniversários e festas de anos. Por isso, este livro, embora seja mais adequado para bebés, continua a saltar da prateleira de vez em quando. Com folhas grossas, imagens muito coloridas e apelativas, cores e texturas diversas que captam a atenção de qualquer um, este é um livro cheio de brilho e animação. Um livro que se adequa ao conceito festivo dos Parabéns.

Um livro que permite aos mais novos estabelecerem um primeiro contacto com esta temática e aos mais velhos continuarem a usufruir dela – principalmente quando o Tiago abre o livro na página do bolo de anos, canta os parabéns para si mesmo e sopra as velas no final. Entre rapaz e livro, como se costuma dizer, fazem a festa, atiram os foguetes e apanham as canas!

Toca e sente do bebé – Parabéns
Editora: Texto Editores

#19 Uma história por dia…: «Toca e sente os animais»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Toca e sente os animais.

Apesar de estar cada vez mais crescido, de vez em quando o Tiago ainda vai buscar os livros mais antigos, mais “à bebé”, que ainda povoam as suas estantes. É o caso deste Toca e sente os animais, um livro de folhas grossas, de cartão, que em cada página apresenta um animal diferente, com texturas para sentir e explorar.

São imagens e palavras simples, que permitem à criança tomar conhecimento do mundo que a rodeia, identificar o cão macio, o gato suave, a ovelha fofinha… Para um bebé, é a descoberta do mundo dos animais, para uma criança mais velha, como o Tiago, é o libertar da imaginação: inventar histórias para cada animal, cantar uma canção que tenha um cão ou um gato ou um coelho, sentir as texturas e transpô-las para a realidade… Enfim, a simplicidade do livro permite-nos fazer dele aquilo que quisermos. E o Tiago e a sua mamã querem sempre tanto.

Toca e sente os animais
Editora: Porto Editora

#18 Uma história por dia…: «Não quero mais abraços»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Não quero mais abraços.

Mais um livro delicioso, mas este na categoria dos livros fofinhos. Fofinhos como o Bernardo, um monstro da floresta que está sempre a ser abraçado por todos os animais. Faça o que fizer, o Bernardo é fofinho e todos querem um abraço seu. Mas o Bernardo está farto de abraços e vai tentar mil formas de se esquivar.

Com ilustrações amorosas, uma história simples e agradável, um desfecho imprevisível e que nos faz sorrir, este livro é adequado a todas as idades e é ótimo para leitura antes de dormir. Que o diga o Tiago, que adora o Bernardo, mas que também percebe porque é que tantos abraços cansam – afinal, esta pode ser uma história para mostrar o quão chato pode ser demasiada atenção e abrir uma janela para as crianças pensarem um pouco sobre os seus próprios comportamentos. E, depois de todos pensarmos um pouco, está na hora do abraço de boa noite da mamã. Esse, nem o Bernardo recusa!

Não quero mais abraços
Autor: Jane Chapman
Editora: Minutos de Leitura

#17 Uma história por dia…: «O Capuchinho»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Capuchinho.

E o que dizer deste livro? Primeiro, que a mãe se fartou de rir com esta incrível e surpreendente história do Capuchinho Vermelho, uma menina cheia de recursos e que não precisa de ser salva. O que é uma pena para o lobo.

Segundo, que as ilustrações, a escolha de cores, a forma como a história está contada é deliciosa, mostra-nos tudo sem ter de explicar palavra por palavra, tornando-se assim uma leitura ainda mais apetecível.

Terceiro, que, claramente, ainda é uma história um bocadinho avançada, em termos de conteúdo, para uma criança de dois anos e meio. Ou melhor, aquilo que o Tiago não apreende, eu também não explico, evitando assim, em tão tenra idade, ter de explicar porque é que o lobo quer comer a avó e o Capuchinho e outras coisas do género que não vos posso dizer aqui, para não tirar o prazer de ler esta história.

Porém, o facto de não perceber o intuito mortal do lobo (a sua índole de caçador, o destino das suas vítimas, etc.), a verdade é que este tem sido um livro vencedor lá em casa, com o Tiago a querer lê-lo todas as noites. E, aqui, o mérito é todo da Bethan Woollvin. Acredito que daqui a uns bons anos, este continuará a ser um livro que nos vai proporcionar, a mim e ao meu filho, tremendas gargalhadas!

O Capuchinho
Autor: Bethan Woollvin
Editora: Edicare Editora

#16 Uma história por dia…: «Eu quero o meu papá»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Eu quero o meu papá.

Somos decididamente fãs da autora Tracey Corderoy, que nos traz sempre histórias tão doces e divertidas, com muito amor e carinho entre pais e filhos. E aqui não é diferente: para o Artur, o seu herói é o seu pai e é a ele que recorre sempre que precisa de ajuda, de apoio ou apenas de miminhos. E o pai está sempre presente, para mais uma brincadeira, para curar um dói-dói com beijinhos, para ajudar a afastar os monstros imaginários que surgem de vez em quando. Porque mãe é mãe, mas pai é pai e não há ninguém como ele!

Lá por casa, é igual. E é delicioso ler esta história ao Tiago e ele transpô-la para a sua própria vida, para a sua própria relação com o seu pai. Sem dúvida, uma excelente leitura para estreitar (ainda mais) os laços entre pais e filhos.

Eu quero o meu papá
Autor: Tracey Corderoy
Editora: Minutos de leitura

As princesas do século XXI na literatura infantil

As princesas do século XXI, retratadas na literatura infantil, são determinadas, divertidas e independentes. Não vivem à janela, enquanto aguardam pelo desejado príncipe, nem confinam os seus dias ao espaço do palácio.

Sentem-se infelizes e aborrecidas quando não têm amigos (A princesa que bocejava a toda a hora, A princesinha corajosa ou Clarinha), praticam atividades pouco próprias de uma menina princesa (A princesa que queria ser rei) e não se conformam com o rumo e a educação que lhes está destinada (Titiritesa).

São imperfeitas fisicamente: podem ter os pés grandes demais (Emília e o chá de tília), podem ser grandes e peludas (A princesa que queria ser rei), ou podem ser quase carecas (A princesa esbrenhaxa). Também surgem com particularidades estranhas (A princesa que não sabia espirrar) ou defeitos que se tornam qualidades, como a princesa que fazia chover e regava as terras secas (A princesa da chuva). Há aquelas que caem do céu e aterram nos braços de simples transeuntes (Que aguaceiro!), as que habitam na lua (A princesa que veio da lua) e aquelas que conseguem voar (A princesa voadora).

Os príncipes já não são os seus heróis: não conseguem curá-las de doenças (Salvem a princesa) nem as levam na garupa do cavalo. O casamento deixou de ser prioritário, sendo até recusado (A princesa espertalhona). No entanto, o amor ainda pode ser o caminho para a felicidade, seja com um príncipe (O país azul), com um poeta (Zulaida e o poeta) ou mesmo com outra princesa (Titiritesa).

As novas princesas têm desejos de governar e de modificar as leis (A princesa que queria ser rei), anseiam por mudar a conceção do mundo (Titiritesa) e são empreendedoras- até a Branca de Neve se modernizou e abriu um restaurante com os anões (A que sabe esta história).

Os autores deram-lhes um carácter mais humano. Elas são mais atraentes, mais divertidas, mais acessíveis e aproximam-se mais das raparigas atuais. Surgiram mesmo coleções dirigidas aos mais pequenos, em que as personagens, na sua maioria princesas, embora pertençam à realeza, têm os problemas das crianças normais: querem a mãe, os sapatos novos ou ser piratas (A princesinha e Histórias esbrenhuxas).

Em suma, as princesas do século XXI adquiriram novas caraterísticas físicas e comportamentais, acompanhando a evolução dos tempos e do papel da mulher na sociedade, mas mantêm o encanto de habitantes do mundo do maravilhoso e do fantástico.

A princesa da chuva

Texto – Luísa Ducla Soares
Ilustração – Fátima Afonso
Edição – Civilização

33f7eba84d98423bb796cdecd4bbc26d1719776664.jpg

A princesinha corajosa

Texto – Mário Contumélias
Ilustração – Jorge Brum
Edição – Plátano

 

A princesa espertalhona

Texto e ilustração – Babette Cole
Edição – Terramar

A princesa esbrenhaxa

Texto – Margarida Castel-Branco
Ilustração – Carla Antunes
Edição – Verbo

A-Princesa-que-Bocejava-a-Toda-a-Hora

 

A princesa que bocejava a toda a hora

Texto – Carmen Gil
Ilustração – Elena Odriozola
Edição – OQO

 

A princesa que não sabia espirrar

Texto – José Cãnas Torregrosa
Ilustração – Martinez Rocío
Edição – Everest

A princesa que queria ser rei

Texto – Sara Monteiro
Ilustração – Pedro Serapicos
Edição – Âmbar

 

A princesa que veio da lua

Texto – Mª João Carvalho
Ilustração – Ana Sofia Gonçalves
Edição – Everest

A princesa voadora

Texto – Miguel Miranda
Ilustração – Simona Traina
Edição – Campo das Letras

500_9789895553327_que_sabe_esta_historia

A que sabe esta história

Texto – Alice Vieira
Ilustração Carla Nazareth
Edição – Oficina do livro

500_9789895576937_clarinha531576738.jpg

Clarinha

Texto – António Mota
Ilustração – Júlio Vanzeler
Edição – Gailivro

 

Emília e o chá de tília

Texto – Alexandra Pinheiro
Ilustração – Sandra Nascimento
Edição – Trinta por uma linha

 

Quero a minha mãe

Texto e ilustração – Tony Ross
Edição – Editorial Presença

 

Quero ser pirata

Texto e ilustração – Tony Ross
Edição – Editorial Presença

Quero-os-Meus-Sapatos-Novos.jpg

Quero os meus sapatos novos

Texto e ilustração – Tony Ross
Edição – Editorial Presença

 

O país azul

Texto – Teresa Balté
Ilustração – Alain Corbel
Edição – Porto Editora

 

Princesas esquecidas ou desconhecidas

Texto – Philippe Lechrmeier
Ilustração – Rebecca Dautremer
Edição – Educação Nacional

 

Que aguaceiro!

Texto – Raquel Saiz
Ilustração – Maja Celija
Edição – OQO

 

Salvem a princesa

Texto – Renata Gil
Ilustração – Mª do Rosário Sousa
Edição – Gailivro

Titiritesa

Texto – Xerardo Quintiá
Ilustração – Maurício Quarello
Edição – OQO

Zulaida e o poeta

Texto – José Fanha
Ilustração – Inês Massano
Edição – Gailivro

#15 Uma história por dia…: «Histórias para os 2 anos»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Histórias para os 2 anos.

O livro Histórias para os 2 anos – Histórias originais e divertidas para ler e partilhar traz-nos cinco histórias curtinhas e muito animadas, em rima, com ilustrações coloridas e narrativas que a criança de dois anos consegue facilmente acompanhar. Principalmente por, numa ótica de diversão, replicar vivências da própria criança, libertando a imaginação e dando voz à brincadeira, ao faz-de-conta, às escondidas, às brincadeiras barulhentas que eles muitas vezes gostam de ter.

Pouco maior que um A5 e de capa dura, quase almofadada, permite aos mais pequenos manusearem o livro sozinhos. Mas muito mais divertido para ler em família, quase cantando as histórias. O difícil aqui é ficarmo-nos apenas por uma história e, quando damos conta, já devorámos o livro todos e eles estão a pedir-nos mais. E nós a aceder, claro!

Histórias para os 2 anos
Autor: Melanie Joyce
Editora: Porto Editora