Category Archives: Leituras

Entrevista a Jaime de Oliveira Martins

Foto

por Sofia Pereira

Jaime de Oliveira Martins nasceu em 1963, na Marinha Grande. Viveu em Leiria e frequentou o curso de Relações Públicas na LeTourneau University, Texas, EUA. Em 2015, licenciou-se em Relações Humanas e Comunicação Organizacional, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria. Escritor com um sentido de humor requintado e muito atento à realidade que nos rodeia, incursou no universo literário com a publicação do livro Fontes de Guerra, Fontes de Paz.

A Fábulas entrevistou o autor. Jaime de Oliveira Martins, que desde cedo manifestou um enorme fascínio pela escrita, fala-nos do seu percurso, dos seus gostos e inspirações no mundo das letras.

Em que momento da sua vida surge a paixão pela escrita?

Sempre gostei de escrever. Desde os tempos da escola primária. No entanto, tudo o que escrevia, lia, saboreava e rasgava. Até que a Fátima, a minha mulher, incentivou-me a guardar os meus escritos, sendo que alguns deles estiveram na origem do primeiro livro, Fontes de Guerra Fontes de Paz. A boa aceitação pelos leitores foi o impulso que faltava para continuar, num processo que se entranhou e que resultou em mais dois livros, o Mar Liberal e, o mais recente, Heróis do Ar.

Considera que tem sido dado espaço suficiente à literatura em Portugal?

Tenho que reconhecer que algo tem sido feito nos últimos tempos. Parece-me que há empenho para fazer regressar o gosto pela leitura. No entanto, também me parece que há alguns autores com valor que nunca conseguem verdadeiramente revelar a sua obra e que, por manifesta falta de apoio, permanecerão desconhecidos. Refiro-me a autores portugueses, naturalmente, pois muitas pessoas compram pelo nome… e, nesse sentido, penso que o espaço dado não é ainda suficiente. É importante estimular novos autores, reconhecer os meritórios e fomentar a sua leitura.

Qual foi o livro que mais o marcou em criança? Porquê?

Em criança não era grande leitor. Lia as aventuras dos Cinco e banda desenhada. Mais tarde, fui influenciado por algumas obras de Dale Carnagie, que foram determinantes para a minha forma de interagir com os outros, e pela obra A Pérola de John Steinbeck, que me alertou para a relativização da riqueza. A Vela Branca, de Sergio Bambarén, também foi marcante para mim, pelo simbolismo da viagem à descoberta do mundo, que pode, acima de tudo, ser a auto descoberta.

capa_fontes_paz

Fontes de Guerra, Fontes de Paz recria um período conturbado da nossa história – as Invasões Francesas – e desenrola-se num lugar muito especial para si, nas Fontes, em Leiria. Podemos considerar que esta sua primeira incursão na escrita é uma homenagem aos seus antepassados e ao lugar onde vive há cerca de 10 anos?

Sem dúvida! É intencional a homenagem aos meus antepassados, onde figura um soldado de Napoleão que se apaixonou por uma camponesa e por cá ficou. A minha mãe ainda tinha o apelido francês «Mingot». Por outro lado, há cerca de onze anos que me mudei para as Fontes. É um lugar que eu adoro, considero a «aldeia mais aldeia» do concelho de Leiria. Quis plasmar esta minha paixão por aquele lugar, descrevendo toda a zona e a sua envolvência nas narrativas e também na escolha do título.

250x

Mar Liberal conta a aventura de dois jovens e grandes amigos de infância, Rufino e Teodoro, que partem à descoberta de novas aventuras. Este livro é um convite aos mais jovens para refletirem sobre a importância dos sonhos que todos temos, lembrando-os que há momentos na vida em que é necessária uma atitude firme e assertiva para conseguir alcançar aquilo que desejamos?

Mar Liberal é isso e muito mais. Considero que não deveremos desistir dos nossos sonhos, mas para os perseguir há que ter consciência da sua exequibilidade, senão deixam de ser sonhos para serem utopias, que nos conduzem a um estado de frustração permanente. No caso dos dois jovens que refere, eles foram atrás de algo, não sabiam muito bem de quê, mas acabaram por encontrar o seu rumo, ainda que esbarrando em dissonâncias. No entanto, a partir do momento em que o objetivo é definido, o foco e a firmeza são determinantes. Foi graças a esse foco, à firmeza e à determinação dos valores que defendiam que os liberais, embora em clara inferioridade numérica e capacidade bélica, venceram as batalhas decisivas para o desenlace da guerra.

Deixou algum sonho de criança e/ou adolescente por realizar? E, hoje, é um sonhador?

Tenho que sorrir para responder a esta questão! Tantos sonhos que ficaram para trás, mas tantos outros que se tornaram realidade. A vida é a gestão destas emoções e a forma como lidamos com elas pode condicionar a nossa atitude. Por exemplo, enquanto adolescente não perdia uma corrida de Fórmula 1 e sonhava um dia ser piloto. Tomei consciência que este era um sonho que não podia concretizar e não me deixei dominar por qualquer frustração. Ciente da minha realidade, agarrei-me a coisas mais simples e tangíveis como praticar mergulho com garrafa, viver intensamente as amizades, ir viver para as Fontes e escrever um livro. Penso que um sonho tangível é saudável e um sonho intangível pode tornar-se numa obsessão patológica. Hoje, continuo a sonhar, claro! E muitos desses sonhos estão patentes, e de alguma forma vividos, em alguns protagonistas ficcionados. Espero um dia pegar numa autocaravana e sair, sem destino e sem tempo, nem que seja através de um dos meus próximos personagens.

1540-1

O facto de ter cumprido o Serviço Militar Obrigatório influenciou a escrita de Heróis do Ar?

Não. Cumpri o serviço militar obrigatório, no exército. O facto do serviço militar ser obrigatório na altura, condicionou o meu percurso de vida, pois tive de suspender os meus estudos nos Estados Unidos. Nunca me passou pela cabeça não poder regressar ao meu país sem poder andar de cabeça erguida. O Heróis do Ar surge na sequência da relevância que quis dar aos diferentes ramos das forças armadas em diferentes épocas da nossa História.

Podemos considerar que os seus três livros publicados compõem uma trilogia?

Sim. Verdadeiramente até mais do que uma trilogia. No Fontes de Guerra, Fontes de Paz, tem algum relevo o exército. No Mar Liberal, a Marinha de Guerra e a importância do domínio do Mar. Por fim, com o Heróis do Ar a aviação militar e a importância do domínio do ar. Outra trilogia é que, considerando a importância e a influência que a Maçonaria teve em cada uma das épocas das diferentes narrativas, resolvi incluir no primeiro livro a descrição de uma cerimónia de iniciação de um aprendiz, no segundo uma passagem ao grau de companheiro, e no terceiro, a elevação ao grau de mestre maçon, que são os três primeiros graus da maçonaria. Há ainda a peculiaridade dos nomes do três principais personagens no Fontes de Guerra Fontes de Paz, Tiago, James e Jacques, que não foram escolhidos ao acaso.

Na sua obra, é percetível um fascínio pela maçonaria, pela religião e pela carbonária. A que se deve esse interesse?

O meu pai foi pastor evangélico. Deixou a sua marca na Igreja Baptista de Leiria, da Marinha Grande, das Caldas da Rainha, de Alcobaça, da Vieira de Leiria, entre outras. Era um homem dedicado a causas filantrópicas e também nesse ponto de vista deixou marca. Naturalmente que foi uma referência para mim. Sou particularmente crítico em relação à Igreja Católica, sobretudo de uma determinada época de obscurantismo e de repressão. Não me revejo em qualquer dogma e, por isso, a minha posição crítica é mais abrangente. Hoje, não professo qualquer religião, respeito a espiritualidade de cada um e sinto-me bem em qualquer lugar onde a minha espiritualidade seja respeitada e sejam procurados os ideais de paz. Por outro lado como maçon, procuro através das minhas obras desmistificar muitos rumores à volta da Maçonaria e tento abordar este tema de uma forma simples, questionando mesmo alguns assuntos que são caros à própria Maçonaria. Um leitor atento referiu-me que a Maçonaria quase que é ela própria um personagem. E eu concordo, pois é intencional. Pela carbonária, não tenho qualquer fascínio. Foi uma organização que teve a sua época, com metodologias de ação questionáveis. Muitas vezes, tem sido confundida com a Maçonaria e, por isso, tem dado lugar a muitos mal-entendidos, que procuro esclarecer no Heróis do Ar. Quero deixar bem claro que as minhas «provocações», como gosto de lhes chamar, em nada concorrem para a diminuição intelectual do outro, mas são, isso sim, um convite à reflexão e a uma contextualização histórica.

A cidade e a região de Leiria surgem frequentemente como cenário das suas narrativas. Paralelamente, nas suas obras, os leitores são desafiados a conviver com personagens que marcaram a história deste território. Considera que Leiria tem um património histórico-cultural inspirador?

Sem dúvida! E isso para mim é uma espécie de ponto de honra. Independentemente dos posicionamentos políticos ou religiosos que Leiria tenha tomado no passado, fazem parte de um património histórico e cultural que deve ser preservado e divulgado. A região esteve sempre presente nas minhas narrativas e faço questão que esteja no futuro. Leiria tem potencial capaz de despertar paixões e é notório o trabalho que nos últimos anos tem sido feito no sentido de levar Leiria mais longe. Pela minha parte, procuro fazer passar a minha paixão e dar o meu modesto contributo.

Sente-se satisfeito com a receção que os livros têm tido junto dos leitores?

Muito. Começou pela concretização de um sonho, escrever um livro. Depois esse livro teve leitores que puxaram para o segundo e, mais tarde, para o terceiro. O Heróis do Ar, em apenas cinco meses, surge com a segunda edição. Só posso estar satisfeito, mas sobretudo grato aos meus leitores.

Dos livros que já publicou, há algum que tenha gostado mais de escrever? Porquê?

São todos diferentes. O Fontes de Guerra, Fontes de Paz foi uma edição de autor, a primeira experiência que, quase a medo, resultou numa grande exposição. Para o Mar Liberal, já parti mais ciente de que tinha leitores, e o meu grau de exigência na pesquisa e no trabalho foi maior. Deixei de sentir a tal exposição para sentir uma entrega aos leitores. O facto de ter suscitado o interesse da Editora Marcador foi um passo determinante como motivação e para alguma evolução. Um processo de aprendizagem muito marcante e que devo ao profissionalismo de todos os colaboradores da Marcador, em particular ao meu editor, o Hugo Gonçalves, para com quem tenho uma dívida de gratidão. Este processo de aprendizagem veio a repercutir-se na elaboração do Heróis do Ar e o processo de aprendizagem continuou com o excelente trabalho da Cultura Editora, do João Gonçalves que continua a acreditar em mim, e da infinita paciência da minha editora e revisora, a Paula Caetano. Tenho, portanto, dificuldade em dizer qual gostei mais de escrever, pois com cada um saí mais rico e com noção que tenho muito a aprender ainda. É tão difícil de responder a esta questão, como será a um pai confrontado com a pergunta: qual dos filhos gosta mais?

Escreve todos os dias? Por prazer ou necessidade?

Não escrevo todos os dias. Escrevo quando uma ideia surge e depois é difícil parar, tornando-se numa necessidade. Cheguei a passar noites inteiras a escrever ou a acordar de noite com necessidade de escrever. Nunca escrevi por obrigação ou por compromisso editorial. Apenas por prazer. Ando sempre com o meu caderno de apontamentos à mão e, por vezes, do anotar de uma ideia à beira-mar, ou ao apreciar uma estrela cadente, ou numa conversa informal com amigos, pode surgir uma mão cheia de páginas…

Tem algum ritual de escrita?

Ritual não tenho. Para mim é fundamental visitar e conhecer minimamente os locais que descrevo nas minhas narrativas. Receber a energia telúrica que emana desses locais. Procuro também vivenciar as experiências que descrevo. Por exemplo, para melhor entender a vida a bordo de um veleiro, para além de imensa bibliografia que consultei, fui passar um fim-de-semana a bordo do Creoula, como parte da guarnição, para ter essa vivência. A descrição da batalha do cabo de S. Vicente no Mar Liberal foi escrita a bordo. Para o Heróis do Ar, fui fazer um voo num avião com 67 anos, de vidro aberto e a apanhar o vento na cara e ainda experienciei algumas manobras acrobáticas, de defesa ou ataque, para ter essa vivência. Montei e pintei kits de miniaturas de aviões da época e, ao descrever algumas dogfights, brincava com os aviões sobre a minha secretária, tal qual uma criança. Estranho? Talvez, mas muito inspirador e estou certo que com impacto na intensidade das narrativas.

Lembra-se do momento em que viu pela primeira vez um livro seu nas montras das livrarias? Descreva-nos como foi a sensação.

Uma expressão que uso muito: fiquei de coração cheio! Foi como ver um pedaço de mim, olhar-me ao espelho. Mas melhor ainda foi ver uma senhora a ler um dos meus livros na praia. Não resisti e fui perguntar-lhe se estava a gostar. A senhora ficou a olhar para mim, respondeu que sim; conversámos um pouco sobre o livro e só mais tarde depois é que a senhora reparou que eu era o autor. Foi hilariante, mas muito gratificante!

Podemos esperar a publicação de um novo livro para breve?

Depende do significado de breve. Estou já a trabalhar num novo projeto, mas ainda na fase de pesquisa. Já escrevi algumas páginas, mas nada de muito consistente. Neste momento, sinto que tenho uma responsabilidade acrescida. Não gosto de escrever sob pressão. Julgo que se conseguir «mergulhar» com êxito nos próximos meses na época em que me vou situar, em 2020 teremos por aí o meu quarto filho de papel.

Qual a sua maior ambição literária?

É continuar a receber telefonemas, mensagens, e-mails de gratificação e encorajamento. É continuar a ter os leitores a pedir mais. Escrevo para agradar aos leitores, escrevo procurando dar um contributo para o nosso enriquecimento cultural. Se algo de melhor vier por acréscimo, apenas ficarei mais satisfeito.

Obrigada!

Anúncios

Aprende ciência com o «Mestre Carbono», de Filipe Monteiro

crianca-ciencia-cientista-f1

por Sofia Pereira

No próximo dia 20, realiza-se, pelas 15h30m, no Centro de Interpretação Ambiental de Leiria, a apresentação do livro infantil Mestre Carbono, o Cientista, do escritor e cientista Filipe Monteiro.

Mestre Carbono, o Cientista conta a missão de três cientistas que fazem as suas investigações e experiências num laboratório, para descobrir uma solução que permita controlar e reverter as questões climáticas, causadas sobretudo pelo aquecimento global e pela excessiva libertação de CO2. No entanto, durante a noite, contam com a preciosa ajuda dos pequenos habitantes do laboratório – os átomos e as moléculas – que, chefiados pelo Mestre Caborno, se mostram bastante empenhados na salvação da Natureza.

Este livro concilia as palavras e os conceitos de química com as ilustrações apelativas e vivas, tornando-se muito interessante e motivador para promover e divulgar a ciência, e para suscitar a curiosidade e incentivar o interesse dos pequenos leitores.

Paralelamente, esta obra infantil procura homenagear todos os cientistas que, na sua grande maioria, trabalham num laboratório, numa sala, num gabinete ou numa biblioteca, na procura de um mundo melhor.

mestre_3

Mestre Carbono, o Cientista
Autor: Filipe Monteiro
Ilustrações: Ana Beatriz Marques
Editora: Chiado

#23 Uma história por dia…: «Não abras este livro»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Não abras este livro.

Quando vi este livro à venda, não resisti a comprá-lo para o Tiago. Um livro que dá ordens às quais vamos desobedecer? E os pais autorizam que a gente desobedeça? E ainda nos rimos todos com isso? É claramente a cara do meu filho.

E não me enganei. Ele adorou a história de tal forma que tivemos de ler o livro 3 vezes na mesma noite. Ri-se a bandeiras despregadas, por vezes nem espera que eu acabe de ler as frases tal a excitação de virar a página e ver o que lhe dizem na página a seguir. É malandrice a 100%, é uma animação, é um livro que cria uma interação única com o leitor e que ganha imenso em ser lido com entoações, volumes e gestos adequados à história.

Uma única personagem, um leitor e uma ordem simples que nunca é cumprida podem render infindáveis momentos de diversão. Tal como quando dei com o meu filho de 3 anos, sozinho do quarto, a “ler” esta história para si.

Não abras este livro
Autor: Andy Lee
Ilustrações: Heath McKenzie
Editora: Jacarandá Editora

#22 Uma história por dia…: «O Cuquedo e um amor que mete medo»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Cuquedo e um amor que mete medo.

Depois de termos conhecido o Cuquedo há duas semanas, eis que continuamos a acompanhar as suas aventuras. Desta feita, no meio da selva, andam todos apaixonados e o Cuquedo decide que também quer encontrar uma namorada. Mas quem quiser ser namorada do Cuquedo terá de saber assustar. Será que as fêmeas da selva são boas pretendendes?

Num ritmo muito dinâmico, quase ao jeito de lengalenga, em rima, a história vai-se desenrolando ao estilo da Carochinha, com o Cuquedo a receber uma lista de diferentes pretendentes, o que nos permite ir apresentando diferentes animais e os sons que eles fazem aos jovens leitores. Com ilustrações ainda mais ricas, também aqui a interação com as crianças se propicia, pedindo-lhes que encontrem o Cuquedo no meio da vegetação. E o final, o final é, bem ao estilo do Cuquedo, surpreendente e assustador.

Sem dúvida, um livro para ler e reler e recitar mesmo quando não o estamos a ler, para fazer a delícia de miúdos e graúdos.

O Cuquedo e um amor que mete medo
Autor: Clara Cunha
Ilustrações: Paulo Galindro
Editora: Livros Horizonte

#21 Uma história por dia…: «O Cuquedo»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Cuquedo.

O que é um Cuquedo? Pois que ninguém sabe, mas é daqueles livros de que toda a gente diz bem. Curiosos, lá fomos ler e descobrir que “o Cuquedo é muito assustador, prega sustos a quem estiver parado no mesmo lugar”, razão pela qual os animais andam todos em debandada pela selva, num atropelo constante, toldados pelo medo de algo desconhecido.

A cadência repetitiva, os diálogos simples, a ideia de movimento sempre presente, a par das ilustrações lindíssimas do Paulo Galindro, fazem deste livro uma emoção em crescendo, sempre a aumentar o mistério em torno do Cuquedo. Até que, de repente, um final surpreendente e muito assustador (pelo menos para os animais) espreita. E é gargalhada pela certa lá por casa, onde, à semelhança do Cuquedo, há um menino que adora pregar sustos e dizer “Buuuuuu”.

Ainda assim, é sempre uma ótima ocasião para explorar a noção dos medos e do desconhecido, ajudando a criança a desconstruir receios através do humor. E perceber que todas as críticas positivas a este livro são merecidas.

O Cuquedo
Autor: Clara Cunha
Ilustrações: Paulo Galindro
Editora: Livros Horizonte

#20 Uma história por dia…: «Toca e sente do bebé – Parabéns»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Toca e sente do bebé – Parabéns.

A primeira música que o Tiago aprendeu a cantar de fio a pavio foi os Parabéns. Ainda hoje, adora cantar a música, adora bolos de anos, adora festas, tudo o que esteja associado a aniversários e festas de anos. Por isso, este livro, embora seja mais adequado para bebés, continua a saltar da prateleira de vez em quando. Com folhas grossas, imagens muito coloridas e apelativas, cores e texturas diversas que captam a atenção de qualquer um, este é um livro cheio de brilho e animação. Um livro que se adequa ao conceito festivo dos Parabéns.

Um livro que permite aos mais novos estabelecerem um primeiro contacto com esta temática e aos mais velhos continuarem a usufruir dela – principalmente quando o Tiago abre o livro na página do bolo de anos, canta os parabéns para si mesmo e sopra as velas no final. Entre rapaz e livro, como se costuma dizer, fazem a festa, atiram os foguetes e apanham as canas!

Toca e sente do bebé – Parabéns
Editora: Texto Editores

#19 Uma história por dia…: «Toca e sente os animais»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Toca e sente os animais.

Apesar de estar cada vez mais crescido, de vez em quando o Tiago ainda vai buscar os livros mais antigos, mais “à bebé”, que ainda povoam as suas estantes. É o caso deste Toca e sente os animais, um livro de folhas grossas, de cartão, que em cada página apresenta um animal diferente, com texturas para sentir e explorar.

São imagens e palavras simples, que permitem à criança tomar conhecimento do mundo que a rodeia, identificar o cão macio, o gato suave, a ovelha fofinha… Para um bebé, é a descoberta do mundo dos animais, para uma criança mais velha, como o Tiago, é o libertar da imaginação: inventar histórias para cada animal, cantar uma canção que tenha um cão ou um gato ou um coelho, sentir as texturas e transpô-las para a realidade… Enfim, a simplicidade do livro permite-nos fazer dele aquilo que quisermos. E o Tiago e a sua mamã querem sempre tanto.

Toca e sente os animais
Editora: Porto Editora

#18 Uma história por dia…: «Não quero mais abraços»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Não quero mais abraços.

Mais um livro delicioso, mas este na categoria dos livros fofinhos. Fofinhos como o Bernardo, um monstro da floresta que está sempre a ser abraçado por todos os animais. Faça o que fizer, o Bernardo é fofinho e todos querem um abraço seu. Mas o Bernardo está farto de abraços e vai tentar mil formas de se esquivar.

Com ilustrações amorosas, uma história simples e agradável, um desfecho imprevisível e que nos faz sorrir, este livro é adequado a todas as idades e é ótimo para leitura antes de dormir. Que o diga o Tiago, que adora o Bernardo, mas que também percebe porque é que tantos abraços cansam – afinal, esta pode ser uma história para mostrar o quão chato pode ser demasiada atenção e abrir uma janela para as crianças pensarem um pouco sobre os seus próprios comportamentos. E, depois de todos pensarmos um pouco, está na hora do abraço de boa noite da mamã. Esse, nem o Bernardo recusa!

Não quero mais abraços
Autor: Jane Chapman
Editora: Minutos de Leitura

#17 Uma história por dia…: «O Capuchinho»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro O Capuchinho.

E o que dizer deste livro? Primeiro, que a mãe se fartou de rir com esta incrível e surpreendente história do Capuchinho Vermelho, uma menina cheia de recursos e que não precisa de ser salva. O que é uma pena para o lobo.

Segundo, que as ilustrações, a escolha de cores, a forma como a história está contada é deliciosa, mostra-nos tudo sem ter de explicar palavra por palavra, tornando-se assim uma leitura ainda mais apetecível.

Terceiro, que, claramente, ainda é uma história um bocadinho avançada, em termos de conteúdo, para uma criança de dois anos e meio. Ou melhor, aquilo que o Tiago não apreende, eu também não explico, evitando assim, em tão tenra idade, ter de explicar porque é que o lobo quer comer a avó e o Capuchinho e outras coisas do género que não vos posso dizer aqui, para não tirar o prazer de ler esta história.

Porém, o facto de não perceber o intuito mortal do lobo (a sua índole de caçador, o destino das suas vítimas, etc.), a verdade é que este tem sido um livro vencedor lá em casa, com o Tiago a querer lê-lo todas as noites. E, aqui, o mérito é todo da Bethan Woollvin. Acredito que daqui a uns bons anos, este continuará a ser um livro que nos vai proporcionar, a mim e ao meu filho, tremendas gargalhadas!

O Capuchinho
Autor: Bethan Woollvin
Editora: Edicare Editora

#16 Uma história por dia…: «Eu quero o meu papá»

Todas as noites, a rotina é a mesma: lavar os dentes, banho, cama. Espera, espera! Antes de ir para a caminha, há sempre uma história para contar. Ou duas, ou três… O filhote pede, a mãe acede. Na outra noite, lemos o livro Eu quero o meu papá.

Somos decididamente fãs da autora Tracey Corderoy, que nos traz sempre histórias tão doces e divertidas, com muito amor e carinho entre pais e filhos. E aqui não é diferente: para o Artur, o seu herói é o seu pai e é a ele que recorre sempre que precisa de ajuda, de apoio ou apenas de miminhos. E o pai está sempre presente, para mais uma brincadeira, para curar um dói-dói com beijinhos, para ajudar a afastar os monstros imaginários que surgem de vez em quando. Porque mãe é mãe, mas pai é pai e não há ninguém como ele!

Lá por casa, é igual. E é delicioso ler esta história ao Tiago e ele transpô-la para a sua própria vida, para a sua própria relação com o seu pai. Sem dúvida, uma excelente leitura para estreitar (ainda mais) os laços entre pais e filhos.

Eu quero o meu papá
Autor: Tracey Corderoy
Editora: Minutos de leitura