Tag Archives: regresso às aulas

Livros para o regresso às aulas… por Sofia Pereira

1507-1-2

O Vento nos Salgueiros, de Kenneth Graham, ilustrações de E. h. Shepard, edição Tinta da China

«Uma das mais belas fábulas de sempre, numa tradução extraordinária de Júlio Henriques. Texto integral, profusamente ilustrado com as imagens originais de E. H. Shepard. Uma história intemporal sobre a amizade e a solidariedade, numa edição irresistível.»

Por que razão? O regresso às aulas é marcado pelo (re) encontro de novos amigos e este livro conta a história de amigos com sonhos cumpridos, desejos conquistados, obstáculos superados e inimigos vencidos sem atos de vingança.

1507-1-3

Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos, de Alves Redol, Caminho

«Com doze anos, o Constantino ainda não deitou corpo, mas lá esperteza não lhe falta. O pior é a escola: gosta mais de andar aos peixes e aos pássaros. E acabou por apanhar uma raposa sem sequer ir à caça. Enquanto guarda as vacas, o Constantino sonha é em ser serralheiro de navios e fazer um barco que o leve até Lisboa. Amanhã mesmo deita mãos à obra.»

Porquê? Esta é a história de um rapaz puro e ingénuo que, tal como todas as crianças e jovens, tem sonhos por concretizar. Um livro que pode ser inspirador e faz perceber o quão os sonhos são importantes e podem até tornar-se reais não só pelo poder da imaginação, mas sobretudo pela força de vontade de vencer, de viver e ser feliz.

1507-1-7

Antes Depois, de Anne-Margot Ramstein & Matthias Aregui. Uma edição Gatafunho

«Vencedor Prémio Bologna Ragazzi Award na categoria Não Ficção (Feira do Livro Infantil de Bolonha – 2015). A magia do tempo em imagens! Neste livro extraordinário e «astuto», objectos, acontecimentos, paisagens e seres são apresentados em pares (de face uns para os outros ou em páginas duplas subsequentes), revelando dois estados de algo ou de uma situação. Sem texto, as ilustrações incitam o leitor a imaginar, pensar e compreender, e recontar a história destas mudanças de estado.»

Livro-álbum, porquê? A leitura é uma atividade de extrema importância para o desenvolvimento pessoal, intelectual e social das crianças e, através deste livro repleto de extraordinárias imagens, os educadores / pais podem estimular a sua criatividade, imaginação e interação com os outros e com o mundo.

1507-1-1

A Preocupação do Gaspar, de Sam Zuppardi, Edicare

«O Gaspar está ansioso por tocar no seu primeiro concerto. Mas, no grande dia, descobre que tem uma Preocupação. A sua Preocupação persegue-o e começa a crescer… e a crescer… e a crescer… Um livro que ensina a lidar com o medo, com a coragem e com as Preocupações que (quase!) todos temos em crianças.»

Ler, porque sim! O regresso às aulas é vivido com alguma ansiedade e angústia, por isso a história do Gaspar pode ajudar as nossas crianças a lidar e a enfrentar as situações do dia a dia com mais naturalidade, mostrando que o medo é um sentimento intrínseco a todas as pessoas e ultrapassável, desde que exista coragem e força de vencer.

1507-1-8

Uma Cova é para Escavar, de Ruth Krauss, ilustrações de Maurice Sendak, Kalandraka

«O livro das primeiras explicações» é uma coleção de aforismos, simples só na aparência. A profundidade dos sentidos e a leveza do humor convidam os leitores, miúdos e graúdos, a interpretar o que os rodeia e a interagir com os outros e com o mundo. Um livro divertido e cheio de sabedoria, porque, afinal, «O sol é para que o dia seja fantástico» e «Um livro é para ser lido».

Vale a pena ler? Óbvio que sim! Um livro original de definições interessante para explorar a partir do olhar pueril.

Livros para o regresso às aulas… por Raquel Silva

O gosto pela leitura começa na escola, mas deve ser cultivado e incentivado em casa, nos tempos livres, para que as crianças e os jovens adultos possam verdadeiramente conhecer as obras e os autores que os levam a sonhar mais alto.

Por isso, em mais um regresso às aulas, que haja em cada casa uma história fantasiosa, um conto inspirador, uma banda desenhada inteligente e sobretudo muitos livros para os mais novos poderem explorar, ler e apreciar de acordo com os seus gostos e a sua imaginação.

 9789896410117

O Feiticeiro de Oz – L. Frank Baum

Deu origem a um dos filmes clássicos mais bonitos e marcantes da história do cinema e é, também em livro, um dos tesouros clássicos da literatura juvenil. ‘O Feiticeiro de Oz’ acompanha a pequena Dorothy numa viagem pelo reino de Oz, com os seus novos amigos Espantalho Errante, Lenhador de Lata e o Leão Medroso, e o amigo de sempre, o cão Totó, em descoberta das fadas boas e más e do grande feiticeiro que dá nome ao reino. Entre o ciclone o sonho vai uma verdadeira aventura, de uma menina corajosa de sapatos vermelhos que atravessa qualquer estrada de tijolos amarelos.

 1507-1

As Aventuras de Pinóquio – Collodi

A história do boneco de madeira que quer ser menino mas não gosta de ir às aulas, desobedece ao seu pai e criador Geppetto e à Fada de quem tanto gosta e, pior que tudo, mente, o que faz crescer o seu nariz e o denuncia. ‘As Aventuras de Pinóquio’ é, apesar de inspirar às boas práticas e à conquista dos sonhos, a história de um rapaz ingénuo que se deixa levar constantemente pelo que os outros lhe dizem. Mas a sua genuinidade, dentro da fantasia do universo de Collodi, faz com que qualquer jovem se identifique com este coração de criança.

 11537659

Plácidos Domingos (Calvin & Hobbes) – Bill Watterson

O génio da banda desenhada não podia deixar de estar nesta lista de recomendações com uma selecção das melhores histórias de Domingo de Calvin & Hobbes. São tiras intemporais que acompanham Calvin, o menino que gosta de fazer o que lhe apetece (como qualquer criança, portanto), e o seu peluche amigo, o tigre Hobbes, que ganha vida na sua imaginação. Das tiras mais engraçadas às mais queridas, Calvin revela a sua personalidade única nas conversas com Hobbes e nas aventuras que vivem juntos, numa leitura que ajuda a crescer pela sua inteligência e criatividade.

 9789722632959

Charlie e a Fábrica de Chocolate – Roald Dahl

A imaginação fértil de Roald Dahl faz falta em qualquer lista de literatura infanto-juvenil. A sua infância de prova de chocolates para uma marca conhecida levou-o a escrever este ‘Charlie e a Fábrica de Chocolate’, a história de Charlie Pipa e da descoberta de um bilhete dourado que lhe dá acesso à fábrica de chocolates do Sr. Willy Wonka. Conhecer a fábrica, os Umpa-Lumpas e todas as maravilhas fantásticas que este prémio oferece é também uma aventura de descoberta das virtudes das crianças, de um Willy Wonka muito característico e da esperança numa vida melhor para Charlie e a sua família. Uma história imperdível, com descrições criativas e ilustrações de Quentin Blake que ajudam a entrar no universo de Dahl.

Livros para o regresso às aulas… por Alexandra Martins

14536987_10209406034400993_1817770331_o

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada – Partes Um e Dois

de J. K. Rowling, John Tiffany e Jack Thorne (Editorial Presença)

Foi sempre difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele se tornou num muito atarefado funcionário do Ministério da Magia, casado e pai de três crianças em idade escolar.
Enquanto Harry luta com um passado que se recusa a ficar para trás, o seu filho mais novo, Albus, tem de se debater com o peso de um legado familiar que nunca desejou. Quando o passado e o presente se cruzam, pai e filho confrontam-se com uma desconfortável verdade: por vezes as trevas vêm de lugares inesperados.
A oitava história. Dezanove anos depois.

Em época de regresso às aulas, nada melhor do que poder regressar também à nossa escola favorita: Hogwarts. Quando já pensávamos que não mais ouviríamos falar de Harry Potter, eis que a autora J.K. Rowling se juntou a dois dramaturgos e criaram magia: a oitava história de Harry, agora adulto e com filhos, contada em texto dramático. Esta peça, que esteve em cena nos teatros londrinos, chega-nos agora finalmente em livro, para descobrirmos tudo o que aconteceu depois de Harry derrotar Lorde Voldemort.

14543557_10209406058521596_1605877124_n

Curso Intensivo para Sobreviveres à Escola

de Miguel Luz (Manuscrito Editora)

«Sejam muito bem-vindos à melhor altura das vossas vidas…
Bem-vindos à liberdade.
Bem-vindos ao acordar cedo.
Bem-vindos às setoras extremamente irritantes.
Bem-vindos ao estudo multitasking.
Bem-vindos à Escola.»
Chegou finalmente ao mercado livreiro o manual de sobrevivência para os longos e dramáticos anos de escola! O youtuber Miguel Luz partilha neste livro tudo aquilo de que os jovens precisam, desde o básico ao secundário, para sobreviverem…
…aos «só mais cinco minutos» na cama de manhã que valem um autocarro perdido e falta de presença a Português;
… às associações que os pais fazem entre estudar pouco e ir trabalhar para a construção civil;
…aos TPC feitos no intervalo em cima do joelho, ou copiados pelo cromo da turma, (o tal que vai lembrar a setora que havia TPC);
…às setoras que só dão boas notas a quem lhes repete todos os dias o quanto estão bonitas;
…Aos trabalhos de grupo feitos individualmente na véspera até às duas da manhã, que resulta num Power Point todo ranhoso só com 3 slides.
…e muito mais!

Este é o livro com que todos os miúdos se vão identificar e que todos os pais devem ler para ficar a conhecer a escola dos dias de hoje e que, por vezes, é tão diferente da dos seus tempos. Escrito de uma forma fácil e despretensiosa, ajustada ao público a que se dirige, este é um livro animado e divertido, que nos mostra que a escola pode não ser um paraíso mas, no final, até vale a pena!

14509131_10209406035001008_2021691119_n

Tudo, Tudo… e Nós

de Nicola Yoon (Editorial Presença)

Madeline Whittier observa o mundo pela janela. Tem uma doença rara que a impede de sair de casa. Apesar disso, Maddy leva uma vida tranquila na companhia da mãe e da sua enfermeira – até ao dia em que Olly, um rapaz vestido de preto, se muda para a casa ao lado e os seus olhares se cruzam pela primeira vez. De repente, torna-se impossível para Maddy voltar à velha rotina e ignorar o fascínio do exterior – mesmo que isso ponha a sua vida em risco. Nicola Yoon escreveu um livro comovente com uma mensagem para leitores de todas as idades.

Por vezes, a vida não passa pela escola. Principalmente quando a isso somos impedidos pelas circunstâncias do destino. Que o diga Maddy, forçada a viver confinada à sua casa por motivos de saúde. Mas o mundo é tão grande para se viver apenas num sítio e, quando Maddy conhece Olly, tudo muda. Uma história que nos faz pensar na vida e nas opções que ela nos dá, que nos faz crescer e aprender e perceber que a vida nem sempre é justa, mas que tem tanto para nos oferecer.

14483697_10209406034480995_1215824570_n

Popular

de Maya Van Wagenen (Editorial Presença)

Maya nunca foi uma aluna popular. Na verdade, ela era a rapariga invisível da escola!

Mas tudo isso estava prestes a mudar quando Maya encontra um exemplar antigo do Guia de Popularidade para Adolescentes, de Betty Cornell, um livro escrito por uma ex-modelo adolescente muito glamourosa… da década de 50 do século passado! Apesar das ideias um pouco antiquadas, Maya decide seguir, durante todo o ano letivo, os conselhos deste livro.

Os resultados da experiência são hilariantes, emocionantes e repletos de surpresas. Com humor e elegância, Maya conquista amigos, muda de visual e ganha autoconfiança até finalmente descobrir o que significa realmente ser Popular.

Ser ou não ser popular, eis a questão. E o que estamos dispostos a fazer para sermos populares. Para Maya, é tão importante ser conhecida e acarinhada na escola, que está disposta a fazer tudo, nem que seja seguir um guia antiquado que a vai fazer passar por algumas situações bastante caricatas. Mas que, no final, poderão ser a chave para Maya descobrir quem verdadeiramente é e o que quer. E será que ser popular é assim tão importante?

14483953_10209406059361617_709081456_n

Eleanor & Park

Rainbow Rowell (Saída de Emergência)

Dois inadaptados. Um amor extraordinário.

Eleanor é uma miúda nova na escola, vinda de outra cidade. A sua vida familiar é um caos; sendo gorda e ruiva, e com a sua forma esquisita de se vestir, atrai a atenção de todos em seu redor, nem sempre pelos melhores motivos.
Park é um rapaz meio coreano. Não é propriamente popular, mas vestido de negro e sempre isolado na música através dos seus fones e livros, conseguiu tornar-se invisível. Tudo começa por ser diferente quando Park acede a que Eleanor se sente ao lado dele no autocarro da escola. A princípio nem sequer se falam, mas pouco a pouco começam por se envolver numa genuína relação de amizade e cumplicidade que mudará as suas vidas. E contra o mundo, o amor nasce. Porque o amor é um superpoder.

Um romance único, cândido, adolescente. Quando Park e Eleanor se conhecem, pouco têm em comum, no entanto, são atraídos um para o outro como ímanes. Mas esta não é a típica história de amor; é uma história de dois inadaptados, dois jovens que têm de descobrir o que é o amor, o que é a amizade e o que significa lutarem contra as agruras da vida. Um livro que é um pouco uma lição, uma demonstração de realidades diferentes que permanecem juntas com a força de vontade. Mas será que é suficiente?

Livros para o regresso às aulas… por Ana Ramalhete

No regresso às aulas, ler, sonhar,  criar.
Na escola, em casa ou na rua, imaginar sem parar.

cheguei
Cheguei atrasado à escola porque…, texto de Davide Cali, ilustração de Benjamin Chaud, Editora Orfeu Negro, colecção Orfeu Mini

«PRIMEIRO, umas formigas gigantes roubam o pequeno-almoço. Depois, aparecem ninjas ferozes, uma gigantesca teia de aranha, um monstro-bolha peganhento e outros assombrosos imprevistos a caminho da escola…»

Uma história que narra as supostas peripécias que o protagonista, sempre acompanhado pelo cão, teve de enfrentar no caminho para a escola e que o levaram a atrasar-se e a ser interrogado pela professora. As suas desculpas transformam-se em aventuras, plenas de acção e de personagens fantásticas, onde não faltam elementos de histórias tradicionais como o Capuchinho Vermelho ou o Flautista de Hamelin.

As ilustrações divertidas e expressivas completam o bom humor do texto. Plenas de pormenores, perdemo-nos nas imagens à procura de qualquer elemento que tenha escapado à primeira leitura.
Benjamin Chaud opta pelos tons laranjas, verdes ou castanhos e utiliza-os consoante as características das personagens como, por exemplo, o rapaz em verde, as bailarinas em laranja, as formigas em castanho, os ninjas em preto ou a professora numa junção destas combinações.

portada sueños.indd

 

Sonho com asas, texto de Teresa Marques, ilustração de Fátima Afonso, editora Kalandraka

«Não sabia o que queria mas, se pudesse, voar seria. Sentia por dentro uma inquietação de ave, vontade súbita e suave de longe, descolar do chão com destino sem mapa. Maneira de estar, sem estar, sempre de olhos e cabeça no ar, nas nuvens, na lua…»

Uma viagem poética, com asas, pelo céu, pelas nuvens, como uma ave, num voo que dança com o vento e com o tempo, atravessa o mar e parte pelo desconhecido. Uma viagem interior pelos sonhos e pelos desejos que nos pedem para ser realizados e não apenas idealizados. «Sem asas, futuro sonhado pode ficar escondido, adiado no escorrer do tempo. Um dia! Um dia!»

As ilustrações dão-nos as asas e levam-nos pela viagem poética das imagens que acompanham o texto. Ficamos a contemplá-las e a observar o desenho, a cor e o formato dos recortes.
Este álbum recebeu a Menção Honrosa do VII Prémio Internacional Compostela para Álbuns Ilustrados em 2014.

raparigasonho

A rapariga e o sonho, texto de Luísa Dacosta, ilustrações de Cristina Valadas, Editora Asa

Uma rapariga sonhava, fantasiava e brincava com uns seres invisíveis. Com eles voava, inventava histórias, brincava no jardim, experimentava-lhes roupas, sempre na companhia do seu gato. Outras vezes ficava triste e sozinha. Estava a crescer por dentro, crescia pelo sonho.
Uma viagem pela imaginação, até reinos distantes que leva à consciência do eu através da relação com o outro. Pelo sonho, a rapariga adquire poderes, capacidades de transformação e atinge a liberdade plena.
A força da escrita pictórica de Luísa Dacosta espraia-se na ilustração de cristina Valadas e a força da pintura e do grafismo desta espelham-se na palavra da outra. As duas partilham a mesma liberdade criativa estabelecendo uma fusão entre as duas linguagens.

vesvejo

E tu, vês o que eu vejo? Ed Emberly, editora Bruaá

«Que livro é este? Que animal é este? Segura a página contra a luz e verás.
Na maioria dos livros olhamos para a página de forma a ver as ilustrações, mas neste não. Para vermos a ilustração completa, e encontrar a solução para a adivinha proposta por uma pequena pista, há que olhar através das páginas. Criado por Ed Emberley no final dos anos 70, este livro-jogo nasceu sem prazo de validade. O seu design mantém-se fresco, e o original e engenhoso jogo de transparências demonstra uma vez mais a qualidade interactiva do papel, que não pára de surpreender leitores de todas as idades. Sem pilhas para gastar, este livro vai ser difícil de pousar.»
Este livro tem instruções, logo no início. Elas indicam que é preciso ler uma pista, tentar adivinhar que animal ou letras faltam e, só então, deixar que a luz atravesse as páginas para apreender o que realmente está desenhado. Como uma adivinha que ajuda a imaginar, como um jogo que ensina a ver, como uma magia que faz sonhar.
No final, outra surpresa, a constatação de que as imagens foram elaboradas apenas a partir de duas formas geométricas, um triângulo e metade de um círculo.
Na capa, eu vejo um carneiro, e tu o que vês?

9789898327048
O pequeno inventor, texto de Hyun Duk, ilustrações de Cho Mi-Ae, tradução de Yunseon Yang e Pedro Moura, editora Orfeu Negro, colecção Orfeu Mini

«O Pequeno Inventor, conto da autoria do escritor coreano Hyun Duk, tem como protagonista Noma, um menino que quer construir um comboio. Com uma tesoura numa mão e uma caixa de cartão na outra, Noma começa por cortar a chaminé e as rodas do seu comboio. Mas quantas rodas tem um comboio? E quantas carruagens? De quantos lugares? Não é fácil, mas Noma decide consultar o Livro dos Comboios. No final, perante o seu novo brinquedo, Noma sente-se um verdadeiro inventor!»

Uma história que descreve o planeamento, o desenho e a execução de todos os passos que Noma, o protagonista, tem de dar para conseguir montar um comboio de cartão: «O melhor comboio de sempre». A mãe ajuda e Noma termina o seu trabalho feliz por ter conseguido construir «um comboio quase verdadeiro».
Os desenhos suaves, ternos e tranquilos de Cho Mi-Ae expandem-se pelas páginas e acompanham todos os movimentos de Noma na execução do seu brinquedo, transmitindo vontade de criarmos o nosso próprio comboio.

Leituras para o regresso das férias… por Ana Ramalhete

Para setembro e para o regresso às aulas, livros em que as letras e os números são protagonistas.

portada.fh11

Letras nos atacadores, de Cristina Falcón Maldonado, ilustrações de Marina Marcolin

«Quando aprende a ler, Flor descobre que as letras são contadoras de coisas.»
Flor tem seis irmãos. Trata deles e leva-os à escola, o seu local preferido. Quem narra a história, é um dos seus irmãos, que a admira e nos transmite o amor da irmã pelas letras e pelos sapatos – o único par que tem e que trata com todo o cuidado para não se estragarem pois os atacadores ajudam-na a desenrolar mais letras que a levam à leitura e ao encontro de mais histórias.
Letras nos atacadores é um livro que ressalta a importância da leitura, do papel determinante da mulher como educadora (Flor toma conta dos irmãos, a mãe é professora e a avó vive com os netos) e foca as vicissitudes e contrariedades do quotidiano das famílias actuais (para exercer a sua profissão, a mãe tem de trabalhar longe dos filhos).

9789898267139
As letras de números vestidas, de João Pedro Mésseder, ilustrações de Marta Madureira

«Associando letras e números, nomes próprios e traços físicos ou de carácter, a escrita diverte e diverte-se. Nem só as letras e as palavras têm a ver com a poesia. Os números também. E tantas outras coisas, é claro. Para que cada um o saiba, basta ter os sentidos bem alerta, descobrindo nas palavras os ritmos da própria vida. E viver a experiência de ler, cantar, dançar, memorizar, dramatizar estes textos. Ou escrever outros, à maneira dos que o livro propõe.»
Do A ao Z, do início ao fim, cada letra do alfabeto tem um nome e veste um número.
Os poemas de João Pedro Mésseder encantam pelo ritmo, musicalidade e constituem um incentivo à leitura e à escrita daqueles que nelas começam a dar os primeiros passos.
Os traços das ilustrações de Marta Madureira dão aos versos uma roupagem acrescida, levando o leitor a pensar em novas histórias.
«O H é de Helena e Honório,
Meninos que vestem o 8,
Porque rima com biscoito.»

pinamatematica

Pequeno livro da desmatemática, de Manuel António Pina, desenhos de Pedro Proença

«Este livro é um livro de “desmatemática” porque, aqui, os personagens da matemática, os números, os sinais, as contas são tratados como gente, têm sentimentos, sonhos. Até fraquezas e defeitos. Como tu e como eu. É um jogo que eu gosto muito de jogar, imaginar como as coisas seriam se fossem ao contrário. (…) Por isso te venho apresentar o amimigo zero (uma verdadeira nulidade, pensam alguns; o que eles se enganam!), os números negativos, os números imaginários, os números irracionais (raio de nome!), o misteriosíssimo e famosíssimo p. Talvez, quem sabe?, depois de teres conhecido estes, tu queiras conhecer outros. A maior parte das pessoas não calcula (a palavra calcular vem a propósito) a gente curiosa que vive na matemática.»

Palavras de Manuel António Pina, na introdução à terceira parte do livro.
Dividido em três partes: “Pequeno livro dos problemas”, “Pequeno livro das histórias” e “Onde se fala de alguns seres extraordinários”, nestes textos, em verso e em prosa, conseguimos olhar para a matemática de outra maneira, ver o outro lado das contas e dos problemas, e até encontrar números que querem ser poetas e outros que são narcisistas, ou seja, entramos no mundo da desmatemática.

árvorea4
A árvore das folhas A4, de Carles Cano, ilustrações de Carlos Otin

Na primavera, na altura de renovação, certa árvore decidiu vestir-se de folhas de papel de tamanho A4, perante o desagrado das outras árvores do bosque e dos animais, com excepção dos pássaros que se deliciavam com as folhas e mais tarde com as histórias que estas contavam, através das letras. Chegou o outono, as folhas voaram e os pássaros choraram ao encontrá-las, transformando as letras.

Uma história que alia a preocupação ambiental e a preservação da floresta ao prazer da leitura e à descoberta das letras como signos constituintes das palavras, carregados de potencialidades de comunicação e transmissão, de histórias e de poesia.

danutanumeros

1, 2, 3, Conta Lá Outra Vez!, de Danuta Wojciechowska

«Vês como os números também servem para contar histórias? E falam todas as línguas! São universais: em qualquer parte do mundo, uma criança como tu, consegue ler o mesmo algarismo. Mas o que é mais fascinante é que podes utilizar os números para observar o mundo e compreender como as coisas são feitas. Os números estão escondidos em tudo, basta olhar com atenção. Existem nas plantas, flores e animais, mas também no teu corpo e na tua imaginação. Se aprenderes estes segredos podes usá-los para criar, planear e construir o mundo a tua volta.»

Neste livro, da autoria de Danuta Wojciechowska, a força e intensidade da cor alia-se à imaginação e clareza do texto. Os números são os protagonistas, têm significados e aparecem associados às pessoas, aos objectos e às histórias. Fazem parte do universo e levam-nos à sua descoberta. Surgem em seis línguas diferentes: português, inglês, francês, espanhol, alemão e mandarim.
Uma obra para ler e ver, uma, duas, três vezes e no final recomeçar, outra vez.

Leituras para o regresso das férias… por Alexandra Martins

11938231_10206578140265407_1786899426_n

The School for Good and Evil, de Soman Chainani, Lápis Azul

«Estamos perante uma trilogia que desencadeia um mundo de fantasia novo e deslumbrante, onde as melhores amigas, Sophie e Agatha estão prestes a embarcar na aventura de uma vida. Na Escola do Bem e do Mal, meninos e meninas são treinados para serem extraordinários bons ou maus, mas um subverter dos papéis assumidos das nossas heroínas, … quando Agatha é “erroneamente” enviada para a escola do bem, e Sophie para a escola do mal, tudo é posto em causa, … e se o erro é na verdade a primeira pista para descobrir quem Sophie e Agatha realmente são? Fantástica trilogia na qual a única saída para fugir das lendas sobre contos de fadas e histórias encantadas é viver intensamente uma delas.»

Porquê? Na Escola do Bem e do Mal formam-se príncipes e princesas, bruxas e vilões, material de contos de fadas. E Sophie, que se porta como uma autêntica princesa, anseia por viver o seu conto de fadas com final feliz. Ela quer ir para a Escola do Bem e a sua amiga Agatha para a Escola do Mal, mas a vida troca-lhes as voltas e elas acabam por ir parar às escolas que não queriam. Muitas peripécias depois, com algumas boas gargalhadas do nosso lado, as nossas protagonistas começam a revelar-se e talvez a troca não tenha sido tão errada assim.

Não devemos julgar um livro pela sua capa, embora a encadernação deste livro seja magnífica, nem devemos julgar as pessoas pela sua aparência. Acima de tudo, é esta a lição a reter neste conto de fadas fantástico. Uma leitura leve, divertida e juvenil, que opõe princesas e bruxas e todos os dramas da adolescência dentro da mesma escola.

11933046_10206578137825346_965707399_n

À Procura de Alaska, de John Green, Edições ASA

«”Na escuridão atrás de mim, ela cheirava a suor, luz do sol e baunilha, e, nessa noite de pouco luar, eu pouco mais podia ver além da sua silhueta, mas, mesmo no escuro, consegui ver-lhe os olhos – esmeraldas intensas. E não era só linda, era também uma brasa.”

Alaska Young. Lindíssima, esperta, divertida, sensual, transtornada… e completamente fascinante. Miles Halter não podia estar mais apaixonado por ela. Mas, quando a tragédia lhe bate à porta, Miles descobre o valor e a dor de viver e amar de modo incondicional. Nunca mais nada será o mesmo.»

Porquê? Um livro que lida de perto com os dramas juvenis, a inocência da amizade, do primeiro amor, a loucura e a invencibilidade aliadas à dor do crescimento e às aprendizagens da vida. Miles conta-nos a sua história: um jovem sem amigos e sem propósito que vai para uma escola nova, onde se apaixona perdidamente por Alaska Young. Mas Alaska, linda, inteligente e muito perturbada, parece inalcançável e Miles tudo fará para a descobrir, para a compreender, para lhe sobreviver.

Para Miles, a história divide-se em Antes e Depois e há que aprender a viver com isso seja em que idade for. Há sempre um ponto de viragem nas nossas vidas. E é essa verdade, contada de forma brutal, contada de forma suave, que fica por entre as páginas do livro e que perdura. Uma lição para a vida, aprendida na juventude.

 11938806_10206578137705343_329570942_n

Escola: Os piores anos da minha vida, de Chris Tebbetts e James Patterson,  Booksmile

«Rafe Khatchadorian já tem problemas suficientes em casa sem ter de meter a escola ao barulho. Felizmente, ele tem um plano perfeito para ter o melhor ano de sempre, isto é, se o conseguir levar para a frente. Vai tentar quebrar todas as regras do código de conduta da sua escola. Mas quando o jogo começa a perder a piada, ele terá de decidir se ganhar é o mais importante, ou se está finalmente pronto para aceitar as regras, lidar com os provocadores e com as verdades que ele está sempre a evitar.»

Porquê? Ano novo, escola nova. E Rafe já tem a certeza de que vai ser o pior ano da sua vida, por isso estabelece um plano para tornar a sua vida mais excitante: quebrar todas as regras da escola nova. Mas ser um pré-adolescente rebelde tem muito que se lhe diga e talvez Rafe precise de repensar a sua vida.

Uma narrativa simples e muito engraçada, na primeira pessoa e em capítulos curtos e fluidos, acompanhados de ilustrações muito divertidas. Enquanto leitores, somos facilmente cativados por este jovem e pela sua história, não podendo deixar de sorrir com as suas muitas peripécias. Um livro maravilhoso sobre as dificuldades de adaptação de um pré-adolescente a uma nova vida numa nova escola, bem como à sua dinâmica familiar.

luajoana

A Lua de Joana, de Maria Teresa Maia Gonzalez, PI

«Ao lermos A Lua de Joana, não podemos deixar de pensar na forma como, muitas vezes, relegamos para segundo plano aquilo que realmente é importante na vida. Este livro alerta-nos para a importância de estarmos atentos a nós e ao outro, e de sermos capazes de, em conjunto, percorrer um caminho que conduza a uma vida plena… Foi já há mais de quinze anos que A Lua de Joana foi publicada. Com mais de 300 000 exemplares vendidos nas suas inúmeras edições, com traduções em seis países, impôs-se como uma referência incontornável na literatura juvenil portuguesa e mundial.»

Porquê? Este é um clássico incontornável. Uma narrativa que nos chega na forma de cartas, escritas pela Joana para a sua melhor amiga, que morreu de overdose. Uma realidade muito dura, uma falta de apoio muito grande, uma família pouco unida condicionam a vida da Joana, a sua rotina na escola e em casa e as suas atitudes. A escrita da autora faz-nos entrar na pele da protagonista e sentir as suas dificuldades, a sua solidão, fazendo-nos pensar no que é verdadeiramente importante, o que é fundamental para a nossa estabilidade e felicidade. Um livro para os jovens, mas que devia ser lido por toda a gente.

11940424_10206578137865347_709586721_n

O Diário de um Banana 1, de Jeff Kinney, Booksmile

«Não é fácil ser criança. E ninguém sabe isso melhor do que o Greg Heffley, que se vê aprisionado na escola preparatória, onde fracotes minorcas dividem os corredores com miúdos mais altos e malvados que já fazem a barba. Em O Diário de um Banana, o autor e ilustrador Jeff Kinney apresenta-nos um herói improvável. Como o Greg diz no seu diário: Não esperem que eu me ponha para aqui com “Querido Diário” isto e “Querido Diário” aquilo. Felizmente para nós, o que o Greg diz e o que realmente faz são duas coisas muito diferentes. »

Porquê? Este é um livro que se lê a voar. Com muitas ilustrações pelo meio, textos simples e diretos e uma história que prima mais pelo humor do que pela moral, é um livro para nos rirmos e passarmos um bom bocado. Greg é um miúdo como todos os outros: tem momentos egoístas, momentos confusos e momentos de pura parvoíce. Mas é essa semelhança com a realidade que nos faz sentir algum carinho por este miúdo de nove anos que se acha muito crescido. Sendo o primeiro volume de uma coleção que é um autêntico sucesso, vale a pena dar uma oportunidade a esta leitura neste regresso à rotina.

Leituras para o regresso das férias… por Sofia Pereira

Com a chegada do mês de setembro, aproxima-se o fim das férias de verão. É a altura do ano em que tantas famílias vivem a azáfama da entrada na escola, pela primeira vez, dos mais pequenos e o regresso às aulas dos mais crescidos. Se, por um lado, se vivem momentos de grande ansiedade, por outro, torna-se fundamental encarar esta etapa com responsabilidade e diversão, simultaneamente. Tudo – professores, colegas, amigos e aprendizagens – será novo mas, mais do que aprender a ler, a escrever ou a conhecer outras áreas do saber, será importante que as crianças e os jovens sejam estimulados e preparados para uma fase tão importante das suas vidas, que contribuirá para o seu desenvolvimento pessoal, intelectual e social. Hoje, deixamos aqui a sugestão de leituras de alguns livros que podem ajudar as crianças e os jovens a iniciarem este novo ano letivo, de um modo mais lúdico e confiante no sucesso:

O PRINCIPEZINHO
O Principezinho – O Grande Livro Pop-up, de Antoine de Saint-Exupéry, Editorial Presença

 «O Principezinho – O Grande Livro Pop-up é uma das edições mais bonitas alguma vez publicadas da obra-prima de Saint-Exupéry. Nela a narrativa ganha uma nova vida, e as maravilhosas aguarelas do autor são investidas de um movimento e de uma graciosidade tais que se tornam ainda mais próximas do leitor. O principezinho, a rosa, a raposa surgem diante dos nossos olhos mais vivos e reais que nunca, prontos para arrebatar o espírito encantado das crianças e o de todos os adultos que conservam ainda intacta essa mesma capacidade de encantamento perante a beleza pura que envolve e ilumina a obra de Saint-Exupéry.»

Por que razão? O regresso às aulas assinala o (re)encontro com novos professores, colegas e amigos. Todas as relações sociais que se criam na comunidade educativa devem ser pautadas pelo respeito e pela compreensão. Este livro, numa dimensão mais ativa e dinâmica, transmite-nos uma mensagem de renovação de sentimentos de amor, de amizade e de solidariedade, e pode ajudar os pequenos leitores a prestarem atenção àquelas pessoas que lhes estão próximas, auxiliando-as de forma altruísta e criando, desse modo, relações sócio-afetivas saudáveis e felizes na escola.

A AVENTURA DE PENSAR

A Aventura de Pensar, de Carmen Martin e Víctor Escandell, Edicare

«Convidamos-te a entrar no maravilhoso e complexo mundo da filosofia. Este é um livro destinado a crianças curiosas, com muita vontade de investigar e de se maravilharem perante tudo o que as rodeia. Assim, conseguirás ser capaz de pensar por ti mesmo, com espírito crítico, recursos, competências e ferramentas para seres feliz na aventura que é, para cada um de nós, a vida!»

Filosofia para crianças, porquê e para quê? É importante que as crianças não sejam apenas agentes passivas de todo o processo de ensino-aprendizagem. Os conhecimentos transmitidos podem ser a janela para abrir-lhes os horizontes culturais e sociais, para que possam, sozinhas ou em momentos de família, explorar e descobrir o mundo que as rodeia, permitindo o desenvolvimento cognitivo, social e afetivo, nomeadamente nas dimensões criativa, crítica e ética do pensamento.

AUTOESTIMA PORQUE TU ÉS COMO ÉS

Autoestima – Porque tu és como és, de Anita Naik, Booksmile

«Preocupas-te com o que os outros pensam sobre ti? Por vezes questionas-te porque não tens amigos? Odeias a tua aparência? Se sim, não mudes, só precisas de aumentar a tua autoestima! Este guia essencial ensina-te a fazer amizade com uma pessoa muito especial — TU! Dá-te várias dicas para pensares de forma positiva em relação aos teus amigos, à tua família, ao teu corpo e à tua vida. Acima de tudo, irá fazer-te sentir melhor contigo próprio!»

Ler, porque sim! Muitos jovens passam por momentos sérios de frágil autoestima – fruto de comportamentos agressivos e de bullying -, que levam ao isolamento, à depressão e até ao suicídio. Um livro que transmite uma mensagem importante e pode ajudar os jovens a superarem este problema e a nunca desistirem.

capacastelo2

Uma Aventura na Biblioteca, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, ilustrações de Arlindo Fagundes, Editorial Caminho

«A biblioteca funciona num antigo palacete recheado de mistérios. A bibliotecária é ruiva e linda de morrer. Tem um irmão igualmente ruivo e tão giro como ela. No jardim do palacete vive uma velhota que garante haver maldições pairando sobre aquele lugar. Mas o que paira mesmo são mensagens, bilhetes com códigos secretos que alguém enfia entre páginas de livros escolhidos. Para clarificar tanta confusão, o grupo cai nas mãos de uma perigosíssima bandida que tem a alcunha de Rapa Tachos e dos seus filhos Açorda e Esparguete.»

Porquê? Uma Aventura na Biblioteca é um clássico da literatura que merece ser lido com toda a curiosidade. São muitas as aventuras que vão ser vivenciadas com os professores e os colegas na escola, mas pelo facto de este livro convidar a descobrir um lugar fascinante e encantado que, para além de um repositório de livros, oferece um conjunto de atividades que estimula a leitura e a escrita, e promove diversos eventos culturais, sugiro que não deixem de ler esta magnífica aventura e visitem as Bibliotecas Municipal e Escolar.

SEM MEDO DO DESTINO

Sem Medo do Destino, de Nora Roberts, Chá das Cinco

«Combinando suspense com paixão, Nora Roberts oferece-nos um bestseller explosivo e muito sensual. Nos indolentes dias de verão, uma intensa vaga de calor é a maior notícia na cidade de Washington – mas a meteorologia é ignorada quando uma jovem é encontrada estrangulada. Mais duas vítimas se seguem e subitamente todos os grandes jornais falam no assassino a quem chamam “O Padre”. Quando a polícia requisita o auxílio da psiquiatra Tess Court, ela apresenta o retrato-perfil perturbador de uma alma perversa para definir o criminoso. Mas o Detetive Ben Paris não quer saber da psique do assassino – o que ele não consegue ignorar é Tess. Confiante e atraente, Ben tem uma lendária reputação como mulherengo, mas Tess não reage a Ben como as outras mulheres, tornando o desafio de a conquistar muito mais aliciante. Enquanto Ben e Tess se associam como parceiros nesta perigosa missão, a chama da paixão acende-se… No entanto, alguém mais tem o olhar enfeitiçado pela bela psiquiatra loura, e talvez ninguém consiga impedir a próxima tragédia.»

Vale a pena ler? Óbvio que sim! Um livro recheado de suspense e episódios policiais, que nos fala de emoções, da realidade, de força e de esperança.